Reportagens

As protagonistas da ciência e conservação ambiental no Brasil

Documentário “Mulheres na Conservação” acompanha a vida, as histórias e o trabalho de sete cientistas que doam suas vidas para projetos de conservação da natureza

Marcio Isensee e Sá ·
30 de março de 2023

De norte a sul do país, seja debaixo d’água explorando corais e monitorando peixes-boi no litoral do nordeste, ou na copa de grandes árvores no Pantanal para acessar ninhos de araras-azuis, bem-sucedidos  projetos de conservação de espécies no Brasil têm algo em comum: são liderados por mulheres. Muitas vezes invisibilizadas, elas já representam quase metade das mãos que fazem ciência no país e na área da conservação não é diferente.

Foi com isso em mente que a jornalista Paulina Chamorro e o documentarista João Marcos Rosa começaram, em 2019, o projeto multimídia Mulheres na Conservação. “Temos no país mais biodiverso do mundo, mulheres que estão criando pesquisas ou linhas de pesquisas inteiras, e nós não tínhamos um projeto de comunicação que exaltasse a vida e obra dessas mulheres”, afirma Paulina Chamorro em entrevista ao ((o))eco. 

Ao longo destes anos, Paulina e João percorreram 12 estados brasileiros para acompanhar as protagonistas reais da preservação ambiental, que aceitaram, mais do que apresentar seus trabalhos, abrir a vida, o coração, a rotina e contar suas histórias. O material produzido já foi publicado em reportagens, podcast e websérie, e agora foi transformado  em um documentário de média-metragem de 48 minutos. Segundo Paulina Chamorro, “o filme não é para conhecer a história da anta, é a história de amor de uma pesquisadora que transformou a história da espécie no Brasil. Eu acho que essa foi a linha que nós fomos”. 

Mulheres na Conservação é realmente um filme potente. Ouvir essas histórias contadas de “dentro”, com as pesquisadoras em campo, com as botas sujas de barro e os corpos expostos ao sol, chuva e intempéries naturais, causa empatia direta com o público. Em algumas cenas podemos ouvir ao fundo a voz e risada da Paulina, jornalista com experiência única no tema e que conduz magistralmente as entrevistas. Some-se a isso a deslumbrante fotografia de João Marcos Rosa, um dos melhores documentaristas da vida natural que temos em atividade no país e segundo fotógrafo brasileiro a integrar a Liga Internacional dos Fotógrafos pela Conservação

Leia a entrevista completa de ((o))eco com a jornalista Paulina Chamorro, idealizadora, produtora e diretora do documentário “Mulheres na Conservação”.


((o))eco: Para começar queria que você comentasse sobre as origens do projeto. Como é que vocês começam a enxergar o audiovisual como uma ferramenta para contar as história das mulheres na conservação, que culmina no filme?

Paulina Chamorro: A ideia do projeto surgiu da união justamente do visual, de um fotógrafo, com uma jornalista de rádio. Quando o João Marcos Rosa entrou em contato comigo pra desenhar esse projeto, vimos logo de cara que não seria uma simples reportagem. A primeira coisa que pensamos foi: qual é o impacto que queremos com esse projeto.

Então tínhamos a noção, a partir de informações que mapeamos, de que grandes projetos de conservação no Brasil – ou pelo menos os maiores projetos, os de maior continuidade – estão nas mãos e são coordenados por mulheres. Só que elas estão fazendo isso silenciosamente. Nós tínhamos um vácuo em olhar para as nossas grandes estrelas. Temos  pesquisadoras internacionais renomadas, como a Jane Goodall ou a Sylvia Earle, mas não temos esse mesmo olhar para as brasileiras, sendo que temos mulheres no país mais biodiverso do mundo, que estão criando pesquisas do zero ou linhas inteiras de pesquisa. E nós não tínhamos um material de divulgação, um projeto de comunicação que exaltasse a vida dessas mulheres. 

Quando pensamos o projeto, estávamos também entrando em um momento super delicado na conservação brasileira, onde mostrar exemplos de resiliência ia ser muito forte para que não  jogássemos a toalha.

E foi assim que construímos um projeto de reportagem, mas que fosse multimídia. Temos a linguagem do rádio, porque temos o podcast, temos a linguagem formal, tradicional, porque temos as reportagens que vão com as fotografias do João. Por fim, temos a websérie, que é produzida para o YouTube, com duração de três a quatro minutos. Então esse foi o primeiro panorama que fizemos, o que gostaríamos de mostrar e a linguagem, sempre pensando no público que queremos atingir. 

Assista o trailer do filme Mulheres na Conservação.

E quando começa o projeto, quando vocês começam viajar e filmar?

Em agosto de 2019, nós já estávamos no Pantanal filmando. Não tínhamos nem fechado o apoio formal da Fundação Toyota. Então eu e o João pegamos a grana do nosso bolso e fomos para o Pantanal. 

Ou seja, vocês começam a filmar no contexto de um governo anti ambiental e misógino,. Isso fortalece a ideia?

Fortalece muito. A partir do momento que começam a sair as webséries, que começamos a distribuir por redes sociais, a gente começa a receber convites de universidade, convites de escola, convites de tudo quanto é lado pra mostrar o projeto.

A reação era sempre a mesma: muito choro, muita emoção, muita gente já muito desestimulada pensando em jogar a toalha. Foi aí que a gente percebeu a fragilidade que essas pessoas que trabalham com conservação no Brasil estavam. Porque nós também, enquanto jornalista, estávamos. Mas quando você exalta o lado de quem está fazendo, de quem não jogou a toalha, de quem tá lá, ainda sofrendo as mesmas coisas que nós estávamos sofrendo… ou seja, olhando para o lado bonito da vida, que é conservar a vida, né? As formas de vida que existem no Brasil, apesar de tudo que vinha acontecendo, gerou uma catarse. Tiveram exibições da websérie, discussões em alguns ambientes, que era uma verdadeira catarse. No meio da pandemia, abríamos a câmera do computador e estava todo mundo chorando. Então eu acho que mostrar o lado bonito e de gente resiliente, pode inspirar não só outras mulheres, mas pode inspirar todo mundo a sair desse buraco onde entramos nos últimos quatro anos. 

É realmente emocionante. Queria que você contasse um pouco como a websérie se tornou um filme e por quê?

Nós fomos fazendo o projeto: primeira e segunda temporada… A primeira temporada só com [projetos de] fauna. Na segunda, já tínhamos ambientes, tínhamos a gestora de uma área. Temos a Márcia [Chame], que fala de Parasitologia, novas formas de vida. Já chegamos a dez personagens perfilados e queremos continuar evoluindo com o projeto dessa maneira. 

Entendemos desde o primeiro momento que esses depoimentos, contar a vida dessas mulheres, só seria possível se nós respeitássemos o tempo delas e estando em campo com elas. Passamos uma média de 5 a 10 dias convivendo com essas mulheres, vendo elas trabalhando em campo, atrapalhando o mínimo possível e só no final fazíamos uma grande entrevista, depois de ver uma série de subjetividades que nem elas às vezes enxergavam.

É por isso que o filme é uma declaração de amor à natureza do Brasil. Eu enxergo dessa maneira. É por isso que tínhamos, no final do ano passado, um material tão robusto, tão contundente, porém muito pouco explorado. Materiais que não tinham entrado no podcast, na websérie, na reportagem. 

Aí conversando com o Sylvio Rocha, um grande amigo meu e que tem uma produtora que está fazendo muitos filmes e documentários de propósito, eu disse que deveria ter umas 50 horas de material. Ele pediu para ver, ficou maravilhado e disse que poderíamos fazer um documentário. Então ele é um documentário feito a partir de um material que não foi pensado para ser um documentário. Você vê que existem algumas particularidades, como por exemplo, em alguns momentos entra a minha voz, uma risada. São coisas espontâneas que aconteceram porque ele realmente foi um material espontâneo, porque ele não foi pensado em ser feito um documentário. 

O Sylvio convidou uma grande roteirista, a Fernanda Polacow e também uma grande montadora, que foi a Larissa Figueiredo, e elas construíram essa linguagem junto comigo e o João. O filme não é para conhecer a história da anta, é a história de amor de uma pesquisadora que transformou a história da espécie no Brasil. Essa foi a linha que nós fomos. 

Desde o início da montagem até o final, foram só cinco meses. Foi muito rápido porque tínhamos objetivo de lançar no Dia Internacional da Mulher para mostrar, ainda neste primeiro ano fora do governo anterior, que nesse meio tempo tinha gente ainda trabalhando. É realmente um respiro que estamos oferecendo para o maior número de pessoas. Eu me emociono toda vez que eu assisto. Eu já assisti umas dez vezes, mas tem momentos muito bonitos.

O documentário, além de retratar apenas mulheres, conta com uma equipe bem feminina também na produção. Isso é importante para o documentário? De que forma as questões de gênero são fundamentais na área da conservação?

Falando sobre essa questão do feminismo e de terem muitas mulheres trabalhando no documentário, eu não poderia deixar de ressaltar e exaltar o papel de dois homens cujo o apoio para a luta feminista foram fundamentais no projeto. O João Marcos Rosa, que teve a iniciativa, teve o olhar e o cuidado de me convidar falando: “Eu só posso tocar com você esse projeto. Não tem sentido eu fazer isso sozinho”. E realmente, eu enquanto mulher estando com elas em campo, a gente conseguiu puxar por uma sensibilidade que normalmente não entraria em entrevistas mais comuns sobre isso: maternidade, intuição, as dificuldades… a questão de raça que a Bárbara [Pinheiro, Pesquisadora da Universidade Federal de Alagoas (PDCTR/UFAL)] nos trouxe. 

O outro cara é o Sylvio, que falou: “Quem vai montar a linguagem toda são vocês, eu estou fora. Vamos chamar mulheres para o roteiro, edição, você vai ser a diretora….” . A tônica, a linguagem do documentário foi feita por mulheres, mas com o respaldo e com a ajuda desses dois caras que eu não poderia deixar de citar. 

Agora nós entramos num ponto muito importante para a ciência produzida no Brasil. Os últimos dados mostram que quase metade, entre 43% e 47%, são de mãos femininas. A Ciência no país é produzida pelas mãos de mulheres, pelo intelecto de mulheres. Essa questão da representatividade, nós enquanto imprensa ou comunicadores, não damos [atenção]. Não temos a mínima noção de que temos mulheres incríveis fazendo linhas de ponta na ciência ou na ciência da conservação, no caso do filme. Aí entra o papel da comunicação mesmo. Eu acho que é uma falha também nossa, de atingir a ODS [Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da ONU] da igualdade de gênero. Como é que nós não fazemos a igualdade de gênero também na comunicação? Como é que a sociedade brasileira vai saber se a gente não mostrar que tem mulheres incríveis fazendo isso? E isso é muito forte, quando nós mostramos esses exemplos de grandes mulheres para meninos e meninas, a gente já começa a mudar um pouco a cabeça, a percepção deles, sabe?

Não é só uma questão da luta feminista, mas é a construção de uma nova sociedade. Eu não tenho essa pretensão, obviamente, mas eu acho que o documentário pode sim ter um pouquinho esse papel, sabe? Eu tenho relatos de mães e pais que assistiram com os filhos ou que me mandam um vídeo das crianças pirando com a mulher escalando árvores para pegar arara. O que isso pode trazer para uma criança, em termos de exemplo, eu não sei, mas acho que pode ser algo muito forte. A partir do exemplo de mulheres incríveis.

Tem uma fala no filme, se não me engano da Zelinha [Maurizélia de Brito e Silva, Chefe da Reserva Biológica do Atol das Rocas/ICMBio/MMA], sobre como aquele lugar e esse trabalho com conservação mudou ela, mudou a vida dela. Essas pesquisas que elas fazem são projetos de vida, né? Como é que você vê isso?

Pra mim foi um choque positivo, um respiro de esperança nesses anos super delicados. Eu olhava para a história dessas mulheres para me fortalecer, para também não jogar a toalha. A Zelinha, especificamente, eu gosto de trazer o exemplo dela porque nós convivemos dez dias dentro do Atol das Rocas. Só eu, o João, a Zelinha e um ajudante dela. E ali aconteceu algo muito doido, porque eu comecei a olhar a Zelinha como uma espécie. Tanto que na matéria que eu fiz pra National Geographic eu descrevo que ela está num processo de simbiose com o atol. Quando começa a mudar as areias de lugar, porque está mudando a maré, os polvos estão mudando de lugar, ela muda a personalidade dela. Ela está em completa simbiose com aquele ambiente. 

Foi uma das coisas mais doidas e ali me deu o estalo de que, quando a gente fala “Vamos salvar o planeta”, cara, tem gente que de verdade, na vida real, está salvando o planeta.  Muitas delas me deram essa sensação, sabe? Porque quando você salva um Atol das Rocas, que é um lugar intocado pela espécie humana, que a gente ainda conseguiu não ferrar com tudo… quando você salva um paraíso de biodiversidade marinha, você está salvando o Atlântico Sul, sabe? Você está mostrando que existem possibilidades, existem caminhos. 

Então eu acho que é isso que elas me mostraram, que dentro do universo delas, elas podem fazer grandes revoluções, podem salvar o planeta. A Neiva Guedes [pesquisadora e presidente do Instituto Arara Azul] descobriu, depois de 30 anos pesquisando a arara, que ela não está salvando a arara, ela está salvando todos nós. Porque para salvar as araras, você está cuidando do Pantanal, que está cuidando do modo de vida pantaneiro. E essa multiplicidade de ambientes, de espécies, está tudo conectado uma coisa com a outra.

Eu comecei a entender como funciona e a importância de cada uma delas e de todas as pessoas que cuidam de conservação. Quando você está cuidando de uma espécie, você está cuidando do todo. E eu acho que é isso que eu aprendi muito com elas.

A pesquisadora da FIOCRUZ Márcia Chame no Parque Nacional da Serra da Capivara (Piauí). Foto: João Marcos Rosa / Nitro / Divulgação

Como foi o lançamento no Dia Internacional das Mulheres? Como foi apresentar isso ao público? 

Bom, eu chorei do começo ao fim [risos]… mas foi muito emocionante de ver. Tivemos que fechar duas salas lotadas, o que foi muito surpreendente, pois tinha caído um dilúvio em São Paulo, e as pessoas compareceram e a gente preparou uma surpresa para o final, que foi a presença de quase todas elas, menos a Patrícia Médici.

Nós estávamos lá atrás, eu, o João e o Sílvio. E quando começam os créditos, o povo levanta, começa a bater palma em pé, vão até o final dos créditos em pé, batendo palmas e a gente começa a descer e eu começo a olhar pra cara das pessoas e as pessoas estavam chorando. E aí eu peguei o microfone, fizemos os agradecimentos e eu chamei elas. Quando a plateia vê que elas estão aqui, era como se eu estivesse vendo a Mulher Maravilha, sabe? [risos]. Cada uma falou um pouco da sua vida e o que elas tinham achado. Era a primeira vez que elas estavam vendo o filme, mas a reação das pessoas depois que acabou isso foi de tirar foto, de pedir autógrafo, de chegar junto, ou seja, realmente entenderam que estavam frente a heroínas, sabe? Heroínas e resilientes.

  • Marcio Isensee e Sá

    Marcio Isensee e Sá é fotógrafo e videomaker. Seu trabalho foca principalmente na cobertura de questões ambientais no Brasil.

Leia também

Reportagens
8 de setembro de 2022

A acelerada destruição da Amazônia nos últimos anos chega aos cinemas

Documentário “O Território” expõe a luta secular dos indígenas Uru-eu-wau-wau e acompanha as invasões na terra indígena impulsionados pelo discurso do governo Bolsonaro

Reportagens
5 de julho de 2022

Mulheres na luta contra invisibilidade na pesca

A urgente necessidade de visibilidade das demandas da pesca artesanal e gênero nas discussões foi tema de diversos encontros paralelos ao palco principal da Conferência dos Oceanos

Colunas
29 de março de 2021

Invisibilidade não é páreo para a pluralidade

Como o machismo estrutural atinge a vida das pesquisadoras da área da conservação? O grupo Dimensões Humanas da Natureza reflete sobre o assunto

Por DHN · Ana C. Pont +5

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 1

  1. Míriam Leite de Almeida diz:

    Parabéns pela realização e ideia! No interior, como podemos assistir? Vai estar em alguma plataforma? Por favoooorrrrr