Reportagens

Nada mais prático do que uma boa teoria

Fernando Fernandez, Claudio Padua e Ernesto Castro debatem a interação entre produção acadêmica e administração de uma unidade de conservação.

Fernando Fernandez · Marcio Isensee e Sá ·
27 de setembro de 2015 · 7 anos atrás
Da esq. para direita: Fernando Fernandez, Ernesto Viveiros de Castro, Claudio Valladares Padua.
Da esq. para direita: Fernando Fernandez, Ernesto Viveiros de Castro, Claudio Valladares Padua.

Fernando Fernandez, biólogo e professor da UFRJ, entrevista outros dois especialistas em biologia da conservação: Claudio Valladares Padua, vice-presidente do IPÊ, e Ernesto Viveiros de Castro, chefe do Parque Nacional da Tijuca. A conversa abriu com uma troca de ideias sobre o papel da ciência versus as aplicações em conservação. Padua conta que há 20 anos vive essa questão e que deixou a academia, em parte, porque se sentia frustrado em não ver os conhecimentos disponíveis aplicados. No entanto, reconhece que não é possível para uma pessoa só tocar um programa de conservação sem prejudicar o tempo, esforço e publicações necessários para ser bem-sucedido no mundo acadêmico. “É nesse balanço entre a pesquisa científica e ação, os dois operando juntos, é que a gente tem mais chance de ter sucesso”, diz.

“Do ponto de vista das Unidades de Conservação”, continuou Castro, “esta é uma via de mão dupla, embora historicamente haja um distanciamento grande”. Castro diz que é comum gestores de áreas protegidas olharem com desdém ou desconfiança o trabalho dos pesquisadores, enquanto, por sua vez, os pesquisadores alienados dos desafios enfrentados no dia a dia da administração das áreas protegidas. Entretanto, aponta Castro, os dois lados têm um ponto em comum, o medo tanto de gestores quanto acadêmicos de manejar as unidades de conservação. “A gente vê as unidades se perderem por espécies invasoras, mudanças climáticas, crescimento urbano e outros desafios, e fica-se discutindo minúcias metodológicas. A gente tem que experimentar, isso é ciência também”.

Confira esse ótimo debate no vídeo abaixo.

 

 

Veja também
Henrique Horn: “Ampliação da Esec de Taim é consenso”
João Lara Mesquita: “Vejo a gente detonar e maltratar a costa”
Maria Teresa Jorge Pádua: “É possível fazer plano de manejo em um mês”

 

 

 

  • Fernando Fernandez

    Biólogo, PhD em Ecologia pela Durham University (UK). Professor do Departamento de Ecologia da UFRJ, trabalha com Biologia da Conservação.

  • Marcio Isensee e Sá

    Marcio Isensee e Sá é fotógrafo e videomaker. Seu trabalho foca principalmente na cobertura de questões ambientais no Brasil.

Leia também

Reportagens
23 de setembro de 2015

Maria Tereza Jorge Pádua: “É possível fazer plano de manejo em um mês”

Ela conta o processo que levou a lei do SNUC, mas critica a burocracia que dificulta a gestão e criou excesso de categorias de áreas protegidas.

Reportagens
23 de setembro de 2015

João Lara Mesquita: “Vejo a gente detonar e maltratar a costa”

O velejador e jornalista conta como a costa entre Rio e São Paulo passou de quase virgem a maltratada. E fala do que viu ao produzir a série “Mar sem fim”.

Reportagens
24 de setembro de 2015

Henrique Horn: “Ampliação da Esec de Taim é consenso”

Em entrevista, chefe da estação ecológica conta sobre o processo de ampliação da área e diz que hoje está mais fácil criar UCs marinhas no país.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta