Salada Verde

Bodoquena saindo do papel

Presidente do ICMBio anuncia que plano de manejo ficará pronto em 2011 e novas áreas protegidas devem ser criadas na bacia do Alto Paraguai.

Redação ((o))eco ·
25 de outubro de 2010 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Parque Nacional da Serra da Bodoquena (MS) (foto: ICMBio)
Parque Nacional da Serra da Bodoquena (MS) (foto: ICMBio)

Bonito – Começou neste domingo, na cidade de Bonito, Mato Grosso do Sul, o primeiro Congresso de Natureza, Turismo e Sustentabilidade. Organizado pela Fundação Neotrópica, em parceria com a Universidade Federal do MS e o Instituto Homem Pantaneiro, o encontro discute estratégias de conservação aliadas à promoção do ecoturismo.

Logo na abertura do evento, boas notícias foram anunciadas. O presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Rômulo Mello, revelou que a implementação do Parque Nacional da Serra da Bodoquena, um dos atrativos que pode fortalecer o turismo de natureza na região de Bonito, já está em andamento. Na próxima semana, o conselho consultivo da unidade será implantado e o plano de manejo pode ficar pronto antes da primeira metade de 2011, o que permitirá a visitação do público. Hoje, o Parque da Serra da Bodoquena permanece fechado para visitantes. “Esta é uma área muito importante para a conservação e será implementada”, disse Mello, que arrancou aplausos da plateia.

O Parque da Bodoquena, criado há 10 anos com 74 mil hectates, estava impedido de criar seu conselho consultivo por conta de uma ação judicial movida por produtores rurais. Na verdade uma tentativa adicional a ações anteriores que pediam a anulação do decreto de criação do parque. Entretanto, os esforços contrários à criação e implementação da unidade de conservação foram barrados por julgamentos realizados recentemente.

Mello afirmou ainda que o ICMBio deve propor em breve uma ampliação dos limites do parque, pois muitas das nascentes dos rios que garantes o turismo de Bonito permanecem desprotegidas. Novas áreas protegidas também devem ser propostas na bacia do Alto Paraguai, anunciou o presidente do órgão. “A fragilidade do Pantanal mostra que a região do Alto Paraguai possui um número muito reduzido de unidades de conservação”, pontuou.

O Conatus segue até a próxima e ((o))eco acompanhará toda a programação.
Clique aqui para saber mais.
(Gustavo Faleiros)

Leia também

Reportagens
12 de agosto de 2022

Conhecer para preservar: atrizes de Pantanal contam como se apaixonaram pelo bioma

Letícia e Malu explicam a paixão despertada pelo bioma durante as gravações e destacam importância da conservação para a região

Notícias
12 de agosto de 2022

Amazônia perdeu área equivalente à cidade de São Paulo em julho, mostra INPE

Números foram atualizados nesta sexta-feira. Desmatamento em 2022, segundo o Deter, chegou a 8.600 km², área quase do tamanho de Rio Branco (AC)

Notícias
12 de agosto de 2022

Monitoramento de baleias no Rio registra trânsito de 58 baleias próxima das ilhas Cagarras

Desde o ano passado, o Projeto Ilhas do Rio acompanha o corredor migratório das jubartes pelo litoral do Rio. Pesquisadores alertam para grande volume de lixo na rota das baleias

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta