Salada Verde

A grande jornada das tartarugas

Pesquisadores desvendam as rotas utilizadas pelas tartarugas-de-couro no Atlântico Sul. Estudo mostra que sobrevivência da espécie está ameaçada.

Redação ((o))eco ·
7 de janeiro de 2011 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Tartaruga-de-couro em uma praia da América do  Sul. (foto: Matthew Witt)
Tartaruga-de-couro em uma praia da América do Sul. (foto: Matthew Witt)

Em um estudo que durou cinco anos, pesquisadores do Centro Ecologia e Conservação (Cornwall) da Universidade de Exeter, Inglaterra, identificaram o caminho seguido pelas tartarugas-de-couro (Dermochelys coriacea) através do Atlântico Sul. Eles monitoraram via satélite as viagens de 25 fêmeas e puderam obter detalhes de três rotas de migração, a maior delas com 7.563 quilômetros, entre a costa da África Central e a América do Sul. A pesquisa foi publicada na edição desta quarta-feira do periódico científico Proceedings of the Royal Society B.

Os resultados vieram também com um alerta: as rotas estão ameaçadas pela atividade pesqueira. Estudos anteriores já haviam demonstrado que para cada mil anzóis colocados na água pelo menos uma tartaruga é capturada acidentalmente. “Conhecer as rotas do Atlântico também nos ajudou a identificar pelo menos 11 nações que deveriam estar envolvidas nos esforços de conservação, bem como aquelas nações com frotas de pesca de longa distância”, afirmou o Brendan Godley, da Universidade de Exeter.

Clique aqui para ver o artigo completo (em inglês)

As tartarugas estudadas iniciam a migração no Gabão, África Central, onde está o maior colônia de reprodução destes animais do mundo. Um grupo segue até a área central do Atlântico Sul, outro chega ao Uruguai e o terceiro segue para o sul do continente africano. Elas permanecem nestas regiões entre 2 e 5 anos, enquanto criam reservar de energia para voltar ao Gabão e se reproduzir mais uma vez.

De acordo com Matthew Witt, também da Universidade de Exeter, o número de tartarugas que optam por cada uma destas estratégias varia de um ano para outro. “Nós não sabemos o que influencia essa escolha ainda, mas sabemos que são viagens verdadeiramente notáveis – com uma fêmea se guiando por milhares de quilômetros em linha reta através do Atlântico”, destaca.

As informações podem a ajudar a definir áreas prioritárias para a preservação das tartarugas-de-couro, como praias de desova, áreas de alimentação e no alto mar. Os cientistas esperam evitar que no Atlântico, estes bichos sofram o mesmo declínio que ocorre no Oceano Pacífico, onde a população sofreu foi reduzida vertiginosamente nas últimas três décadas. Em uma colônia de nidificação do México, por exemplo, o número de tartarugas caiu de 70.000 em 1982 para apenas 250 em 1998 e 1989. As razões deste declínio ainda não estão claras, mas os cientistas acreditam que ele possa estar relacionado à coleta de ovos e a pesca costeira com redes e espinhéis.

Este mapa mostra três rotas de migração monitoradas durante a pesquisa.
Cada uma ilustra um dos três estratégias identificadas pelos estudos.

A pesquisa contou com a ajuda dos Parques Nacionais do Gabão, da Sociedade para Conservação da Vida Selvagem, da Parceria de Tartaruga Marinha para o Gabão e da Iniciativa para Conservação das Tartarugas-de-couro. Os estudos contaram também com ajuda financeira de diversos doadores, como o Conselho de Pesquisa do Ambiente Natural da Inglaterra, a Iniciativa Darwin, o Centro de Investigação do Grande Pelágico (LPRC, EUA), Programa de Bolsas Competitivas e da Associação Europeia de Jardins Zoológicos.(Vandré Fonseca)

Leia também

Notícias
24 de maio de 2022

Conservar 80% da Amazônia custa três vezes menos do que valor gasto com emendas parlamentares

Governo Bolsonaro gastou, em média, 34,8 bilhões/ano com emendas. Manter protegida uma área de 3,5 milhões de km² custaria cerca de R$ 10,8 bi/ano, mostra estudo

Salada Verde
24 de maio de 2022

Rede de Conservação Águas da Guanabara organiza seminário de educação ambiental

Inscrições estão abertas para o evento, que ocorre nos dias 11 e 12 de julho, em Niterói, e tem como objetivo integrar e promover projetos de sensibilização ambiental na Baía de Guanabara

Salada Verde
24 de maio de 2022

O papel da Amazônia nas próximas eleições é tema de debate online

Miriam Leitão, Caio Pompeia e Mônica Sodré participam de Mesa Aberta promovida pelo site ((o))eco na próxima quinta-feira. Evento é aberto ao público

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta