Salada Verde

Petróleo ameaça baleias na Rússia

Estima-se que no Pacífico Ocidental restem apenas 130 baleias-cinzentas, ameaçadas pelo projeto que ainda não teve impactos ambientais avaliados.

Redação ((o))eco ·
7 de abril de 2011 · 13 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Vandré Fonseca

Crédito : WWF
Crédito : WWF
A ampliação do complexo de exploração de petróleo e gás natural Sacalina II, no extremo leste do território russo, ameaça a reduzida população de baleias-cinzentas no Pacífico Ocidental, segundo ambientalistas. Uma coalizão de organizações não governamentais pressiona o governo russo para barrar a proposta, sob a alegação de que os planos para a construção da terceira plataforma de exploração não tiveram seus impactos ambientais avaliados.

A coalização é formada pelo Fundo Mundial para o Meio Ambiente (WWF), Fundo Internacional para o Bem-estar Animal, Observatório do Meio Ambiente da Sacalina e o Meio Ambiente Pacífico vai apresentar as preocupação em um documento, a ser entregue ao comitê formado por empresários e representantes do governo russo, envolvido na proteção das baleias.

Segundo a coalização, estima-se que tenham restado menos de 130 baleias cinzentas. A morte de apenas uma ou duas fêmeas por ano poderia levar a espécie à extinção. Estas baleias chegam a 15 metros de comprimento e podem pesar 35 toneladas. No pacífico ocidental, elas se alimentam na plataforma continental próxima à Ilha Sacalina.

Os ambientalistas argumentam que o consórcio responsável pela exploração de gás e óleo, formado pelas empresas Shigellallallalla, Gazprom, Mitsui e Mitsubishi, tem autorização para operar apenas duas plataformas. Os estudos realizados anteriormente não consideram os impactos da terceira plataforma, nem os efeitos cumulativos e sinérgicos de vários empreendimentos realizados ou previstos para a região.

Os planos para a construção da terceira plataforma, que inclui também dutos para transporte de óleo e gás, já haviam sido descartados pelos próprios empreendedores. Entre os motivos apresentados estariam o avanço tecnológicos que tornaria a terceira plataforma desnecessária, a redução dos impactos ambientais e que o fundo do mar na área onde esta base de exploração estaria localizada seria uma argila vulnerável e estaria sujeito a terremotos.

Crédito: WWF
Crédito: WWF
Três pesquisas sísmicas já foram realizadas, por diferentes empresas, no habitat das baleias. Estes estudos envolvem o disparo de ruídos no fundo do oceano, o que pode gerar risco inaceitável, na opinião dos ambientalistas, para as baleias, que dependem do som para alimentação, comunicação e navegação.

A coalizão de ongs defende quatro pontos principais, antes de ser concedida autorização para a terceira plataforma ser construída: um abrangente estudo de impacto ambiental, uma plano de mitigação dos efeitos do projeto avaliação dos efeitos cumulativos de vários empreendimentos existentes e previstos para a região e revisão de toda a autorização concedida a Sacalina II.

Links:

Documento das ongs apresentado ao comitê russo
Discussão sobre as plataformas
Conservação das baleias-cinzentas



Leia também

Colunas
17 de abril de 2024

Declaração de Barcelona define novos rumos para a Década do Oceano

O encerramento do evento oficializou a primeira conferência da Década do Oceano de Cidades Costeiras que ocorrerá em 2025 na cidade de Qingdao, na China.

Salada Verde
17 de abril de 2024

Marina Silva é uma das 100 pessoas mais influentes de 2024, segundo a Time

Selecionada na categoria “líderes”, perfil de Marina destaca a missão da ministra em prol do combate ao desmatamento ilegal na Amazônia. Ela é a única brasileira citada na lista de 2024

Reportagens
17 de abril de 2024

Em audiência pública na ALMG, representantes da UFMG alertam para impactos da Stock Car

Reunião contou com reitora e diretores da universidade, mas prefeitura e organizadores da corrida faltaram; deputada promete enviar informações a patrocinadores da Stock Car

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.