Salada Verde

Petróleo ameaça baleias na Rússia

Estima-se que no Pacífico Ocidental restem apenas 130 baleias-cinzentas, ameaçadas pelo projeto que ainda não teve impactos ambientais avaliados.

Redação ((o))eco ·
7 de abril de 2011 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Vandré Fonseca

Crédito : WWF
Crédito : WWF
A ampliação do complexo de exploração de petróleo e gás natural Sacalina II, no extremo leste do território russo, ameaça a reduzida população de baleias-cinzentas no Pacífico Ocidental, segundo ambientalistas. Uma coalizão de organizações não governamentais pressiona o governo russo para barrar a proposta, sob a alegação de que os planos para a construção da terceira plataforma de exploração não tiveram seus impactos ambientais avaliados.

A coalização é formada pelo Fundo Mundial para o Meio Ambiente (WWF), Fundo Internacional para o Bem-estar Animal, Observatório do Meio Ambiente da Sacalina e o Meio Ambiente Pacífico vai apresentar as preocupação em um documento, a ser entregue ao comitê formado por empresários e representantes do governo russo, envolvido na proteção das baleias.

Segundo a coalização, estima-se que tenham restado menos de 130 baleias cinzentas. A morte de apenas uma ou duas fêmeas por ano poderia levar a espécie à extinção. Estas baleias chegam a 15 metros de comprimento e podem pesar 35 toneladas. No pacífico ocidental, elas se alimentam na plataforma continental próxima à Ilha Sacalina.

Os ambientalistas argumentam que o consórcio responsável pela exploração de gás e óleo, formado pelas empresas Shigellallallalla, Gazprom, Mitsui e Mitsubishi, tem autorização para operar apenas duas plataformas. Os estudos realizados anteriormente não consideram os impactos da terceira plataforma, nem os efeitos cumulativos e sinérgicos de vários empreendimentos realizados ou previstos para a região.

Os planos para a construção da terceira plataforma, que inclui também dutos para transporte de óleo e gás, já haviam sido descartados pelos próprios empreendedores. Entre os motivos apresentados estariam o avanço tecnológicos que tornaria a terceira plataforma desnecessária, a redução dos impactos ambientais e que o fundo do mar na área onde esta base de exploração estaria localizada seria uma argila vulnerável e estaria sujeito a terremotos.

Crédito: WWF
Crédito: WWF
Três pesquisas sísmicas já foram realizadas, por diferentes empresas, no habitat das baleias. Estes estudos envolvem o disparo de ruídos no fundo do oceano, o que pode gerar risco inaceitável, na opinião dos ambientalistas, para as baleias, que dependem do som para alimentação, comunicação e navegação.

A coalizão de ongs defende quatro pontos principais, antes de ser concedida autorização para a terceira plataforma ser construída: um abrangente estudo de impacto ambiental, uma plano de mitigação dos efeitos do projeto avaliação dos efeitos cumulativos de vários empreendimentos existentes e previstos para a região e revisão de toda a autorização concedida a Sacalina II.

Links:

Documento das ongs apresentado ao comitê russo
Discussão sobre as plataformas
Conservação das baleias-cinzentas



Leia também

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Reportagens
21 de janeiro de 2022

Brasil registra recorde de extremos de chuva no início do verão

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, a equipe técnica do Cemaden emitiu 516 alertas de risco de desastres, como deslizamentos, inundações e enxurradas, para os 1.058 municípios monitorados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta