Salada Verde

ICMBio: cai diretor que apoiava abertura dos parques

Pedro Menezes foi exonerado do cargo que assumiu há poucos meses com plano de aumentar uso público de Unidades de Conservação.

Redação ((o))eco ·
27 de março de 2013 · 9 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Pedro com a mão na massa: sinalização das Trilhas Circulares do Parque Nacional da Tijuca. Foto: Thiago Haussig/Blog PNI.
Pedro com a mão na massa: sinalização das Trilhas Circulares do Parque Nacional da Tijuca. Foto: Thiago Haussig/Blog PNI.

Pedro Cunha e Menezes, diretor de Criação e Manejo de Unidades de Conservação do ICMBio, foi exonerado ontem do cargo. Na prática, ele saiu nessa quarta, 27. No seu lugar, assumiu Giovanna Palazzi, ex-gerente de projetos do Departamento de Áreas Protegidas no Ministério do Meio Ambiente. Há rumores de que essa será a primeira de pelo menos três demissões no segundo escalão do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

Boatos sobre a troca de Menezes circulam pelos corredores de Brasília e pela comunidade ambiental pelo menos desde janeiro. Fontes próximas a ((o))eco também alertaram para a mudança. Em seguida, dá-se como certa a saída de Silvana Canuto e Marcelo Marcelino de Oliveira.

Pedro Menezes assumiu o cargo de diretor Criação e Manejo de Unidades de Conservação com uma ideia fixa na cabeça: defender o uso público dos parques nacionais. Ganhou adversários dentro do Ministério do Meio Ambiente entre aqueles que defendem que o uso público deve ser feito com cuidado e só em parques que contam com estrutura ideal.

Pedro foi um dos padrinhos do projeto Transcarioca, uma trilha de 150 quilômetros de extensão que não só cruza o Parque Nacional da Tijuca como o liga a Unidades de Conservação estaduais e municipais no Rio de Janeiro. O trajeto final levaria o andarilho do Pão-de-Açúcar até Guaratiba.

A repórter de ((o))eco, Duda Menegassi, entre dezembro de 2012 e janeiro deste ano, percorreu parte do trajeto e dividiu suas experiências com os leitores no blog Todos os caminhos da Transcarioca.

Em entrevista a ((o))eco em setembro do ano passado, Menezes falou sobre a abertura dos parques e sobre o projeto que ajudou a montar.

Antes de fazer parte da equipe do ICMBio, Menezes foi colunista de ((o))eco desde a criação do site, em 2004. Suas colunas em que explorava e analisava parques nos quatro cantos do mundo ganharam um blog próprio dentro do ((o))eco, o Palmilhando. Durante dois anos, de 1999 a 2000, foi Chefe do Parque Nacional da Tijuca.

Ele também é um diplomata de carreira. Em 2011, completou o Curso de Altos Estudos em Diplomacia do Itamaraty com tese sobre administração de parques transfronteiriços, baseada em pesquisa feita durante sua estada como Consul brasileiro na Cidade do Cabo, África do Sul.

A Fila anda

Silvana Canuto é a atual diretora de Planejamento, Administração e Logística do ICMBio. Consta que já se despediu de parte da equipe. Marcelino, diretor da Pesquisa, Avaliação e Monitoramento da Biodiversidade, equilibra-se no cargo desde o ano passado.

Notícias desencontradas sobre possíveis demissões são a norma em época de troca de equipe. Desde o começo da gestão do presidente Roberto Vizentin, em abril de 2012, não houve mudanças no quadro das diretorias. Servidores ligados a diferentes grupos também plantam notícias para que futuros nomeados estejam entre os seus. Nada é dito publicamente. A possível demissão de Canuto e Marcelino por enquanto é especulação.

Leia também

Notícias
24 de junho de 2022

Barroso reconhece omissão do governo federal no Fundo do Clima

Ministro do STF julga procedente ação que acusa governo federal de omissão deliberada para paralisar o Fundo e afirma que proteção do clima é dever constitucional

Notícias
24 de junho de 2022

JBS ainda compra gado de fazendas ligadas ao desmatamento, revela Global Witness

Ligação da empresa com o desmatamento na Amazônia é facilitada por bancos, importadores e supermercados da Europa e EUA. Frigorífico nega irregularidades

Notícias
24 de junho de 2022

Sistema de alerta de fogo em tempo quase-real passa a monitorar a Amazônia

Plataforma ALARMES, do LASA/UFRJ, que já monitorava Pantanal e Cerrado, fornece alertas diários para apoiar ações de controle e tomada de decisões dos órgãos ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta