Salada Verde

Aumenta controle para importação de mercúrio metálico no Brasil

Importadores terão que passar por novo procedimento. Mudança é importante para a implementação da Convenção de Minamata

Daniele Bragança ·
13 de maio de 2015 · 7 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
oram dados os primeiros passos para a restrição do uso do mercúrio metálico no Brasil. Foto: Wikipédia.

Os primeiros passos para a restrição do uso do mercúrio metálico pelo Brasil foram dados nesta segunda-feira (11) com a publicação da Instrução Normativa do Ibama nº 8, que estabelece novos procedimentos para empresas importadoras de mercúrio metálico. Agora, elas terão que preencher formulário específico dentro do site do órgão para solicitar a compra da substância.

O formulário está hospedado dentro do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais (CTF/APP). A nova normativa regulamenta uma outra, de 2006, que migrou o cadastro físico para a web. Antes, o controle de compra, produção e importação de mercúrio era feito por meio físico.

Parece um passo pequeno, mas o controle de quem compra a substância é importante para a futura implementação da Convenção de Minamata, que estabelece a restrição do uso do mercúrio, uma substância tóxica que causa danos à saúde humana e ao meio ambiente.

Um dos objetivos da convenção é banir futuramente o mercúrio metálico de processos produtivos que o utilizam como insumo. Para tal, o controle e o rastreamento da cadeia produtiva que utiliza o mercúrio metálico é fundamental e a nova normativa facilitará isso.

Contaminação

A intoxicação por mercúrio pode provocar danos ao sistema neurológico. As consequências podem variar desde dores no esôfago e diarréia até sintomas de demência. Depressão, ansiedade, dentes moles por inflamação e falhas de memória também estão entre os sintomas. A intoxicação se acumula na cadeia alimentar, causando a contaminação de peixes e o risco de envenenamento de quem deles se alimenta, inclusive seres humanos.Vem dai o perigo que o mercúrio metálico representa à saúde e ao meio ambiente.

Largamente utilizado na mineração de ouro, principalmente a de pequena escala, é nas regiões de garimpos onde se concentra a maior parte da contaminação por mercúrio.

Em outubro de 2013, autoridades e cientistas se reuniram na cidade de Minamata para fazer um acordo entre os países para restringir o uso da substância. Cento e vinte oito países assinaram o acordo, incluindo o Brasil.

Minamata foi escolhida para sediar o encontro pois 83 anos antes foi palco de um surto de envenenamento causado pela contaminação dos frutos do mar por águas contaminadas.

Ainda não ratificado pelo Brasil, o plano para a restrição e futuro banimento do mercúrio metálico começaram a sair do papel com a publicação da normativa.

 

 

Leia Também
Guiana Francesa: mercúrio põe em risco rios e saúde humana
Porque o mercúrio é usado na mineração de ouro
Estado do Amazonas libera uso de mercúrio em garimpos

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

MPF se pronuncia contra decreto que permite destruição de qualquer caverna

Câmara de Meio Ambiente do Ministério Público Federal (4CCR) diz que norma desrespeita princípios constitucionais. Governo publicou decreto na semana passada

Reportagens
18 de janeiro de 2022

Uma oportunidade de recomeço para a Mata Atlântica

O bioma mais destruído do Brasil ganha uma nova chance com o avanço da agenda de restauração no país, mas ainda sofre com gargalos como a falta de sistematização de dados e de governança

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Nanda diz:

    1. Obrigado, Nanda! 🙂
      Fica ligada que essa é só a primeira reportagem do especial Mata Atlântica: novas histórias. Ainda vem muito mais por aí e você pode acompanhar na página do especial – https://oeco.org.br/especial/mataatlantica/
      Abs