Salada Verde

Bolsonaro contamina política externa com maquiagem ambiental usada nas eleições

Segundo documento, o presidente teria enviado informações falsas sobre o Fundo Amazônia à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico - OCDE

Débora Pinto ·
21 de outubro de 2022
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Já não é nenhuma novidade a tática adotada por Jair Bolsonaro de  distorcer informações sobre o desmatamento na Amazônia e sua gestão ambiental como forma de confundir o eleitorado. Mas, as inconsistências de Bolsonaro não se limitam à campanha política.  

O Brasil tenta há anos ingressar no grupo representado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE,  formado pelas 35 economias mais avançadas do mundo. Mas, um artigo divulgado com exclusividade pelo jornalista Jamil Chade, da Folha de S.Paulo, revelou que o presidente Jair Bolsonaro pode ter errado ao maquiar informações enviadas à entidade. O descontrole ambiental e a corrupção seriam um dos principais problemas de Bolsonaro perante a entidade . 

Segundo informações da Folha de S.Paulo, foi entregue à OCDE, um documento com mais de mil páginas, mantido em sigilo, no qual Bolsonaro busca melhorar a imagem internacional de sua administração ambiental, porém, no documento existiriam muitas inverdades facilmente verificáveis.

Adversários políticos do momento, como a ex-senadora Kátia Abreu (PP) e a terceira colocada no primeiro turno das eleições, Simone Tebet (MDB) alertaram recentemente sobre como esta postura do presidente fragiliza o país perante o mercado externo. 

Enquanto Kátia Abreu gravou um vídeo sobre os impactos causados à imagem do agronegócio brasileiro no exterior por conta da gestão do atual mandatário,  Simone Tebet  fez questão de dar destaque ao escândalo do chamado Orçamento Secreto, que voltou a ser amplamente tratado pela imprensa.

Mas segundo Chade, as inconsistências de Bolsonaro sobre a sua gestão ambiental foram além do debate das eleições e se refletiram nos documentos enviados à OCDE, no qual constariam inverdades facilmente verificáveis. Dentre estas,  a implantação do Fundo Amazônia, que foi paralisado durante a gestão de Jair Bolsonaro, levando a uma crise diplomática com Noruega e Alemanha e, também, gerou uma ação que segue em tramitação no  STF.

Ainda segundo o artigo, o documento teria sido entregue no final do mês de setembro, antes do primeiro turno das eleições brasileiras de 2022. 

Aderir à OCDE é parte do esforço do governo atual em avançar no campo das políticas internacionais para recuperar a credibilidade em relação aos mercados estrangeiros. Em 25 de janeiro de 2022, o Conselho da OCDE decidiu abrir discussões de adesão do Brasil, e em 10 de junho de 2022 foi publicado o Roteiro para a Adesão do Brasil à Convenção da OCDE, estabelecendo os termos e condições necessários à adesão.

Mas, contrariando as expectativas divulgadas pelo ministro da Economia Paulo Guedes, a organização tem motivos para não considerar o Brasil preparado, não apenas pelos desmandos ambientais, mas também por conta de suas reiteradas práticas de corrupção, que acabam também refletindo no meio ambiente.

Corrupção e falta de transparência

De acordo com o relatório global Exporting Corruption 2022, divulgado em 11/10 pela  pela organização Transparência Internacional, o país tem regredido na implementação de um dos instrumentos mais importantes na legislação internacional, o combate à corrupção, que pertence ao bloco, a Convenção Antissuborno da OCDE. 

O Brasil é signatário da convenção desde 2002 e sua implementação chegou a ser classificada como “moderada” na última avaliação, divulgada em 2020. Em 2022, o país regrediu para a categoria de “limitada”. 

“Os inúmeros retrocessos para o combate à corrupção nos últimos cinco anos resultaram em uma piora na capacidade das instituições brasileiras de punir casos de suborno transnacional, o que, sem dúvida, impactará negativamente o processo de adesão do país à OCDE. Esperamos que o Grupo de Trabalho Antissuborno da OCDE estabeleça, entre as condições indispensáveis para esta adesão, a recuperação da autonomia das instituições de controle do Brasil, incluindo a Polícia Federal e o Ministério Público Federal, e o fortalecimento dos mecanismos de investigação e persecução criminal de casos complexos de corrupção que ultrapassam fronteiras”, afirma Guilherme France, consultor da Transparência Internacional  Brasil na página da organização. 

Desmatamento

Internamente, a temática ligada à corrupção vem ganhando destaque no segundo turno das eleições presidenciais por conta do chamado Orçamento Secreto, meio institucional que permite o acesso a verbas públicas por parte de apoiadores do  comando do Congresso e do Senado, recentemente ampliado e alterado de modo a perder sua transparência durante a gestão Bolsonaro.  

Em entrevista dada a jornalistas após uma palestra na Fundação Getúlio Vargas (FGV) em São Paulo,  Simone Tebet afirmou que o Orçamento Secreto é um escândalo de corrupção que irá deixar o ‘mensalão’ no chinelo,  referindo-se a esquema ilegal de compra de votos ocorrido durante o governo do cadidato Luiz Inácio da Silva (PT), de quem Tebet agora é apoiadora.

De acordo com dossiê divulgado, em 13/10, pela Articulação Agro é fogo, que reúne movimentos, organizações e pastorais sociais – que atuam há décadas na defesa da Amazônia, Cerrado e Pantanal e dos direitos de seus povos e comunidades –  é possível afirmar que o uso capitalista das queimadas e o aumento do desmatamento são instrumentos da expansão agrícola – e, também, resultado da corrupção.

O documento aponta que houve uma evolução da área plantada com grãos com a incorporação  de 7,9 milhões de hectares nas últimas três safras, mesmo período em que é possível verificar a aceleração do desmatamento no país. 

Entre agosto de 2021 e julho de 2022, os dados do DETER (Detecção do Desmatamento em Tempo Real) indicaram um desmatamento de 8.590,33 km² na Amazônia e de 5.426,4 km² no Cerrado. Na Mata Atlântica, somente no primeiro semestre de 2022, o SAD (Sistema de Alerta de Desmatamento) detectou um desmatamento de 213 milhões de m².

Para a organização, os sucessivos cortes do orçamento público para políticas socioambientais expressam e devem ser lidos como uma dimensão notória desta realidade, citando o uso do Teto de Gastos – medida fiscal aprovada em 2016 como emenda à Constituição, que impossibilita o crescimento real das despesas por 20 anos, como justificativa para a redução de investimentos públicos em setores fundamentais para a questão ambiental.

Esquemas de corrupção orçamentária, como o Orçamento Secreto, foram responsáveis pela utilização de R$10,79 bilhões de verba pública, um valor quatro vezes  maior do que o despendido com meio ambiente para o mesmo ano.  De acordo com a O Agro é Fogo, a execução do orçamento secreto, além de disputar recursos com políticas públicas socioambientais e com ausência de transparência, favorece o chamado “centrão”, que tem na sua formação uma forte intersecção com a bancada ruralista no Congresso Nacional.

O dossiê ainda lembra que entre 2019 e 2020, o dinheiro do acordo anticorrupção da Operação Lava-Jato , que inicialmente deveria ser destinado ao combate ao desmatamento, foi destinado quase em sua totalidade  para os militares nas operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), em detrimento do fortalecimento dos órgãos ambientais. 

A falta de efetividade no repasse desses recursos também é citada no relatório  da Transparência Internacional  Export Corruption 2022.

  • Débora Pinto

    Jornalista pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, atua há vinte anos na produção e pesquisa de conteúdo colaborando e coordenando projetos digitais, em mídias impressas e na pesquisa audiovisual

Leia também

Salada Verde
18 de outubro de 2022

Indígenas deixam de receber R$ 1,5 milhão do Fundo Amazônia por atraso em aval da FUNAI

Órgão precisava emitir uma carta de anuência, mas demorou quase um ano para fazê-lo e sete projetos já aprovados tiveram cancelamento compulsório por falta de tempo para execução

Notícias
12 de agosto de 2021

Mourão repete críticas infundadas feitas por Salles ao Fundo Amazônia

Em evento online sobre mecanismo internacional de financiamento, vice-presidente criticou custos com recursos humanos em projetos do Fundo

Salada Verde
17 de outubro de 2022

Mesmo considerando apenas o primeiro mandato de Lula, Bolsonaro desmatou mais

Enquanto o petista terminou o 1º mandato, em 2007, com 11.651 km2, e redução de mais de 60% no desmatamento, até o momento, o governo Bolsonaro aumentou em 73% a devastação, com mais de 13.235 km² derrubados em 2021

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta