Salada Verde

Bolsonaro não quer responder perguntas sobre desmatamento

Ao ser questionado sobre o aumento de 30% no corte raso, presidente dispara contra Marina Silva e manda jornalistas conversarem com Ricardo Salles

Sabrina Rodrigues ·
19 de novembro de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Ao ser questionado sobre o aumento do índice de desmatamento, Bolsonaro manda jornalistas conversarem com o ministro Ricardo Salles. Foto: Isac Nóbrega/PR.

O presidente Jair Bolsonaro não quis responder às perguntas dos jornalistas sobre o aumento do desmatamento na Amazônia — o maior índice desde 2008. Ao ser cercado por repórteres na saída do Palácio da Alvorada após reunião ministerial nesta terça-feira (19), Bolsonaro disse que quem deveria ser perguntado sobre o assunto era o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

“Vocês viram o desmatamento quando a Dilma foi ministra? A Dilma não, aaaa [alguém cita Marina Silva]… Marina Silva foi ministra, vocês viram? Foi recorde o desmatamento, então, não pergunte para mim, não” disse Jair Bolsonaro.

Uma jornalista da Folha de São Paulo retrucou que se tratava de um dado atual, mas o presidente desconversou: “O Ricardo Salles está ali, conversa com ele”. 

Na manhã da segunda-feira (18), o Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) divulgou que a Amazônia perdeu 9.762 quilômetros quadrados entre 1º de agosto de 2018 e 31 de junho de 2019. O índice representa uma alta de 29,5% no desmatamento, em relação ao ano anterior, a maior alta desde 2008 e a terceira maior alta percentual da devastação na história, perdendo apenas para 1995 (95%) e 1998 (31%). 

 

Leia Também

Amazônia perdeu área equivalente a 8 cidades do RJ entre 2018 e 2019, aponta sistema Prodes

Publicação internacional denuncia os impactos do governo de Bolsonaro sobre a Amazônia

Diretor do INPE é exonerado após Bolsonaro criticar dados do desmatamento

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
2 de agosto de 2019

Diretor do INPE é exonerado após Bolsonaro criticar dados do desmatamento

Demissão ocorreu após 2 semanas de crise iniciada pelo presidente, que disse a jornalistas estrangeiros que Ricardo Galvão estava “a serviço de ONGs”

Notícias
2 de agosto de 2019

Publicação internacional denuncia os impactos do governo de Bolsonaro sobre a Amazônia

O artigo publicado por pesquisadores do INPA em revista da Universidade de Cambridge resume agenda de destruição da Amazônia executada pelo governo

Reportagens
18 de novembro de 2019

Amazônia perdeu área equivalente a 8 cidades do RJ entre 2018 e 2019, aponta sistema Prodes

Desmatamento na Amazônia Legal chegou perto de 10 mil km², valor que representa alta de 29,5%, em comparação com ano anterior

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Paulo diz:

    Político não tem o direito de não saber o mínimo de qualquer assunto público. Para isto eles tem os "assessores".
    Se não sabe sobre o tema, ou é analfabeto ambiental ou mau intencionado sobre o assunto.


  2. Paulo diz:

    Calma Absala, aguarde julho de 2020.

    Indo nesta toada, e visão e falas atuais a situação será muito mais braba.

    A menos que nos provem do contrário.


  3. Absala diz:

    2004, altíssima taxa de desmatamento, era segundo ano já de Lula/Marina. 2007, por causa das usinas do Madeira (e os bagres no colo do Lula), Marina rachou o Ibama e fez o ICMbio. Depois teve Belo Monte, etc…. Ou seja, a coisa tá braba desde sempre, NÃO é de hoje!!!