Salada Verde

Ciro diz que combater a ilegalidade na Amazônia seria a sua prioridade

Ciro Gomes debateu as suas propostas para o meio ambiente e focou no combate ao desmatamento na floresta

Juliana Arini ·
24 de agosto de 2022
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Durante sabatina do Jornal Nacional, nesta terça-feira (23), o ex-ministro e candidato à presidência da República pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), Ciro Gomes, criticou a falta de controle sobre o território amazônico por parte do governo atual e expôs algumas das suas propostas para o que declarou ser (Law) “enforcement“, expressão traduzida de forma não literal como para “fazer a lei valer”. O assunto meio ambiente ocupou cerca de sete minutos do total dos 40 da sabatina.  

O candidato do PDT apresentou o histórico de ocupação da região Amazônia como um dos vetores do descontrole do desmatamento na maior floresta tropical do mundo.  

“Quarenta milhões de pessoas migraram do Sul e do Nordeste para integrar para não entregar (slogan da Ditadura Militar de 1964-84) a Amazônia. Sabe qual condição que o estado brasileiro impunha ao amazônida? Ele precisava mostrar que desmatou. Se não desmatasse, o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) não dava o papel da terra. E no curso de menos de poucas décadas isso mudou e passou a ser crime hediondo. Os nossos irmãos de lá não entende”, disse.

Para o candidato apenas a repressão não resolve o problema da maior floresta tropical do mundo. “Precisamos levar para região uma base de desenvolvimento sustentável, que está na boca de muita gente, mas que não aterrissa no território. E isso pode ser dar com um zoneamento econômico e ecológico”, explicou em citação a uma das teses de um dos grandes influenciadores de seu plano de governo para as questões ambientais, o filósofo Mangabeira Unger, que chegou a tentar emplacar, sem sucesso, um projeto similar no governo Lula, em 2008, quando foi ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência e escalado para  coordenar o Plano Amazônia Sustentável (PAS), um projeto para desenvolver a região de forma equilibrada.

Outros biomas

Ciro também falou de outros biomas, mas esqueceu-se de mencionar que contribuiu pouco para os esforços de proteção da Caatinga quando governou o Ceará. O estado também já foi governado, entre 2006 e 2014, por seu irmão, o ainda senador pelo Ceará, Cid Gomes.  

“Às vezes, a Amazônia chama muita atenção, mas os outros biomas brasileiros estão sofrendo dos mesmos estresses. (…) a Caatinga corre risco de desaparecer”, disse. 

A situação na Caatinga é crítica e tem efeito também sobre os recursos hídricos do Nordeste. Segundo estudo do Mapbiomas, as mudanças na cobertura da terra nas últimas três décadas estão agravando o risco de desertificação de partes da Caatinga. O estudo com imagens de satélite da região entre os anos de 1985 e 2020, mostrou que dos 112 municípios da Caatinga (9%) classificados como Áreas Suscetíveis à Desertificação (ASD) com status Muito grave e Grave tiveram uma perda de 0,3 milhões de hectares áreas naturais. Isso representa cerca de 3% de toda a vegetação nativa perdida do bioma. 

Com falas muito focadas na floresta, Ciro criticou a lógica do desmatamento, porém atribuiu todo o corte de madeira ilegal à extração do mogno, espécime já quase extinta em boa parte do bioma. 

O candidato explicou também algumas de suas propostas para a Amazônia. “Precisamos proteger Manaus (em referência à Zona Franca da capital do Amazonas), que esta para ser destruída pela política atual de redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), ali tem 8% da produção industrial brasileira. Mas também é preciso fazer com que a economia rural aprenda – aí é com financiamento, capacitação gerencial, acesso a mercado, marketing e apoio ao comércio exterior – que a floresta vale muito mais em pé do que derrubada”, disse.

A defesa do reflorestamento com espécies exóticas – como a teca – foi outra proposta de Ciro.  “Se dar uma alternativa para produzir em bases sustentáveis, o (Law) enforcement e a repressão vale para o verdadeiro marginal”, afirmou.

Ao ser questionado em como implementaria todas as ações pretendidas em apenas quatro anos de mandato, Ciro Gomes foi taxativo, “a minha tarefa é projetar o Brasil para os próximos 30 anos”.

Mudanças Climáticas

O candidato não deixou claro se é a favor de mudanças na atual legislação ambiental. Ao falar da meta de zerar o desmatamento até 2028, assumida pelo país na Cop-21, a Conferência Mundial do Clima de Paris, Ciro afirmou que irá consultar os institutos de pesquisas da Amazônia.

A necessidade de controle sobre o território amazônico voltou ao centro do debate no final de sua argumentação sobre o meio ambiente. 

“Ali na Cabeça do Cachorro (no Alto rio Negro na fronteira com a Colômbia) é território sem dono. Eu denunciei isso porque sei o que está acontecendo no território brasileiro. Eu fui processado pelo atual ministro da defesa do Bolsonaro porque disse que tal extenso domínio pelo narcotráfico, contrabando de armas, caça e pesca ilegal e desmatamento é um processo de uma holding do crime para lavagem de dinheiro. O que não aconteceria sem a conivência ou a omissão das Forças Armadas. O problema é que nós destruímos a estrutura de comando e controle”, finalizou.

  • Juliana Arini

    Repórter, fotógrafa e documentarista há duas décadas cobre a questão energética, a crise climática, o desmatamento e as queimadas.

Leia também

Salada Verde
18 de agosto de 2022

Ciro gomes dá o tom de como pretender lidar com o meio ambiente

O presidenciável do PDT defendeu a descarbonização da economia e se posicionou contra o Marco Temporal e a mineração em Terras Indígenas

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Reportagens
2 de outubro de 2018

Ciro Gomes defende o uso de hidrelétricas na matriz energética

Candidato pelo PDT apresenta ideias desenvolvimentistas e minimiza impactos ambientais de grandes hidrelétricas na Amazônia, como Belo Monte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta