Salada Verde

COP-26: Brasil adere ao acordo de Florestas e se compromete a zerar desmatamento até 2030

Mais de 120 países aderiram à declaração de florestas e uso de solo. Haverá aporte de 19,2 bilhões de fundos públicos e privados para tirar a política do papel

Daniele Bragança ·
2 de novembro de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Mais de 120 países e empresas assinaram nesta terça-feira (02) a Declaração sobre Florestas e Uso do Solo na COP 26. Ela estabelece o compromisso de destinar mais de 19, 2 bilhões de dólares de fundos públicos e privados para deter o desmatamento no mundo até 2030. A declaração foi assinada por 122 países, incluindo União Europeia, Brasil, EUA, China e Rússia.

A preservação das florestas que sobraram e a recuperação de áreas degradadas são importantes tanto do ponto de vista climático quanto da agenda da biodiversidade. Países como o Brasil, que parte significativa de suas emissões vêm da perda de floresta, terão que fazer esforços internos para controlar o desmatamento. Em 2012, o país alcançou a maior diminuição histórica do desmatamento na Amazônia Legal, abaixo dos 5 mil km². Com o abandono e desmantelamento dos órgãos de fiscalização, promovidos pelo atual governo, o desmatamento voltou a acrescer e atingiu, em 2020, 11 mil km² desmatados, a maior taxa em doze anos.

A Declaração sobre Florestas e Uso do Solo aconteceu em evento convocado pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e foi assinada por mais de 100 líderes, que representam mais de 86% das florestas do mundo. O acordo prevê o suporte de um fundo de US$ 12 bilhões de dinheiro público aportado por 12 países – como EUA, Reino Unido, Noruega, Alemanha, Coreia do Sul, União Europeia, Canadá e Japão – entre 2021 e 2025, além de US$ 7,2 bilhões de investimento privado por parte de mais de 30 instituições financeiras mundiais. O suporte apoiará iniciativas de restauração, manutenção de florestas e apoio a comunidades indígenas em países em desenvolvimento.

“Nossas florestas são também o modo como a natureza captura o carbono, tirando gás carbônico (CO2) da atmosfera”, disse o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, durante anúncio da Declaração sobre Florestas. 

É a segunda vez que países assinam uma declaração prometendo eliminar o desmatamento. Em 2014, em Nova York, a meta era até 2020, mas não foram definidos meios para alcançar o objetivo. A declaração de Nova York fracassou.   

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
13 de julho de 2020

Governo exonera coordenadora do INPE em meio a notícias sobre alta de desmatamento 

Saída de pesquisadora responsável pelos dois principais sistemas de monitoramento do desmatamento na Amazônia é mais um capítulo de uma reestruturação silenciosa

Reportagens
28 de outubro de 2021

Em plena pandemia, Brasil registra aumento de 9,5% nas emissões de gases estufa

País está na contramão do mundo, que registrou queda de 7% nas emissões. Desmatamento na Amazônia é principal responsável pela elevação

Reportagens
28 de outubro de 2021

“Se todos fossem como o Brasil, mundo aqueceria mais 4 graus”

Brasileira coautora de relatório da ONU que aponta que Brasil foi único país do G20 a retroceder em meta climática diz que seria melhor manter a NDC antiga

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta