Salada Verde

Dois guardas-parques são mortos em área protegida na Libéria

Sabrina Rodrigues ·
8 de maio de 2017 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O Parque Nacional de Sapo abriga a maior população de hipopótamo-pigmeu da Libéria. Foto: Wikipedia.
O Parque Nacional de Sapo abriga a maior população de hipopótamo-pigmeu da Libéria. Foto: Wikipedia.

Dois guardas-parques foram mortos na Libéria, na África Ocidental, há 11 dias, após os trabalhadores sofrerem uma emboscada no Parque Nacional de Sapo, a maior área florestal protegida do país, que ocupa 1,6% da área total do país. Segundo reportagem do jornal The Guardian, os assassinatos ocorreram em retaliação à prisão de 20 pessoas acusadas de caça ilegal dentro do parque. Na ocasião, foi descoberta uma base montada na floresta pelos caçadores ilegais dentro do parque.

Os guardas-parques foram espancados até a morte. Um morreu no local e o outro chegou a ser hospitalizado, mas não resistiu aos ferimentos. Outros quatro guardas-parques que também estavam presentes no momento da emboscada chegaram a ser hospitalizados devido aos ferimentos.

Uma delegação da Autoridade de Desenvolvimento Florestal (Forest Development Authority, em inglês), órgão do governo responsável pela preservação de florestas,  foi enviada para o local para investigar a situação.

O Parque Nacional de Sapo está localizado no condado de Sinoe, na Libéria. Ele é a maior área florestal protegida do país, abrigando uma variedade de espécies ameaçadas de extinção, entre elas, elefantes, pangolins, hipopótamos-pigmeus e chimpanzés ocidentais. A unidade sofre com a caça ilegal e invasão.

Matança de guardas-parques

Os últimos acontecimentos reforçam o alerta da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN) para o crescente número de guardas-parques mortos em todo o mundo. Segundo a entidade, só no ano passado foram mortos 107 guardas-parques no exercício de sua profissão, 42% dessas perdas foram causadas por caçadores ilegais. Dessas mortes, 58% ocorreram na Ásia e 31% na África.

 

 

Leia Também

IUCN lamenta a morte de dois guardas-parques no Congo

Aumenta o número de guardas-florestais assassinados no mundo inteiro

Guarda-parque morre em acidente no Parque Estadual Restinga de Bertioga

 

 

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
4 de maio de 2017

Guarda-parque morre em acidente no Parque Estadual Restinga de Bertioga

Vanderley Aparecido dos Santos, de 23 anos, se afogou na noite de segunda (1), após embarcação naufragar. Funcionário trabalhava como vigilante terceirizado 

Salada Verde
8 de dezembro de 2016

Aumenta o número de guardas-florestais assassinados no mundo inteiro

Hoje, o maior risco vem de criminosos organizados e bem armados envolvidos no contrabando de madeira. Só no ano passado, 185 indígenas, ativistas e guardas-florestais foram mortos

Notícias
24 de abril de 2017

IUCN lamenta a morte de dois guardas-parques no Congo

Criminosos mataram dois guardas-parques em ação em que foram flagrados cortando um elefante recém-abatido

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. paulo diz:

    E agora governos. Precisam marcar marcar presença/atitudes contra estes criminosos.