Salada Verde

Empresários viram réus por criar búfalos em terra indígena

Justiça Federal abriu ação penal contra administradores da empresa Alemoa S.A. Imóveis e Participações por dano ambiental

Sabrina Rodrigues ·
27 de setembro de 2017 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Justiça Federal instaurou ação penal contra administradores da empresa Alemoa S.A. Imóveis e Participações por criarem búfalos irregularmente no interior de uma terra indígena guarani, nos arredores do Parque Estadual da Serra do Mar. Foto: Parque Estadual da Serra do Mar/VI Neves/Flickr.
Justiça Federal instaurou ação penal contra administradores da empresa Alemoa S.A. Imóveis e Participações por criarem búfalos irregularmente no interior de uma terra indígena guarani, nos arredores do Parque Estadual da Serra do Mar. Foto: Parque Estadual da Serra do Mar/VI Neves/Flickr.

A Justiça Federal acatou uma denúncia do Ministério Público Federal (MPF) e instaurou uma ação penal contra seis pessoas por danos ambientais em uma área no interior da Terra Indígena Guarani Ribeirão Silveira, em São Sebastião (SP). Os réus são administradores da Alemoa Imóveis e Participações, empresa de Santos responsável por uma criação irregular de búfalos no local.

A Terra indígena onde vive uma população da etnia Guarani faz fronteira com o Parque Estadual da Serra do Mar e, portanto, está na zona de amortecimento da unidade de conservação, e é por isso que os réus responderão por dano indireto ao parque, “unidade de conservação de proteção integral (artigo 8º, III, c/c artigo 10, § 4º, da Lei 9.985/2000), inserida em área de interesse da União, bem como impedem ou dificultam a regeneração natural de florestas e demais formas de vegetação, com construções não autorizadas e criação de búfalos no local, crimes estes capitulados nos artigos 40 e 48 da Lei 9.605/98”, acusou a Procuradora da República, Walquiria Imamura Picoli.

Foram indiciados os sócios-administradores João José Mascarenhas Mexia Santos (diretor presidente), João Paulo Antunes dos Santos Menano (vice-presidente e diretor superintendente), Antonio Maria D Orey Menano (diretor administrativo e diretor superintendente), José Paulo D Orey Menano (diretor administrativo), Rosa Maria Delfim Da Silva Novita (diretora administrativa) e João Frederico Feijão Monteiro Mexia Santos (prestador de serviços).

Uma perícia da Polícia Federal constatou, além da criação de animais, a abertura de estradas, deposição de entulho e a utilização de tratores, ações que degeneram o próprio terreno e expõem a unidade de conservação à poluição e aos ruídos de áreas próximas.

Embora exista há cerca de 30 anos, o rebanho foi descoberto apenas em 2012, após a visita de um servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai) à região.

*Com informações da Assessoria de Comunicação do MPF.

Leia Também

Justiça condena acusados de compra e venda de licenças ambientais

O que é uma zona de amortecimento

Ministério Público ajuíza ação contra empresa por realizar obras às margens do Rio Poxim

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
16 de janeiro de 2017

Ministério Público ajuíza ação contra empresa por realizar obras às margens do Rio Poxim

Órgão federal quer que a Justiça condene o Grupo Energisa por construção de muro de contenção para abrigar almoxarifado em área de preservação permanente

Dicionário Ambiental
6 de novembro de 2014

O que é uma zona de amortecimento

Uma faixa de proteção ao redor das unidades de conservação, ela contribui para a manutenção da estabilidade e equilíbrio do ecossistema protegido.

Salada Verde
22 de junho de 2017

Justiça condena acusados de compra e venda de licenças ambientais

Empresários subornavam servidores para construir empreendimentos em área de preservação permanente, em Jurerê Internacional, Florianópolis

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1