Salada Verde

Governo limitará fiscalização ambiental em 11 municípios críticos

Após gastar 410 milhões em 9 meses, operação Verde Brasil 2 acabará em abril e Mourão apresenta plano para manter desmatamento sob controle   

Daniele Bragança ·
11 de fevereiro de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho Nacional da Amazônia (CNAL), fez um balanço da operação Verde Brasil 2 e afirmou que a partir de 30 de abril – quando acaba a operação e os militares passarão o controle para os órgãos ambientais –, o governo irá se concentrar em 11 municípios críticos responsáveis por 70% dos crimes ambientais que ocorrem na Amazônia. 

A política de concentrar ações em municípios campeões de desmatamento é uma velha conhecida da gestão ambiental e foi iniciada em 2007, durante a gestão de Marina Silva no Ministério do Meio Ambiente. A lista faz parte de uma das ferramentas do Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAm), política abandonada pelo atual governo. 

Ações 

O governo priorizará ações no estado do Pará (Itaituba, Rurópolis, Portel, Pacajá, São Félix do Xingu, Altamira e Novo Progresso), Amazonas (Apuí e Lábrea), Rondônia (Porto Velho) e Mato Grosso (Colniza). 

Pelo release sobre a 4ª reunião do CNAL, o governo elegeu quatro eixos de atuação na Amazônia:

    • Priorização de áreas onde a ocorrência da ilicitude pode impactar de maneira mais decisiva os resultados da gestão ambiental;
    • Aumento da efetividade da fiscalização e o fortalecimento dos órgãos;
    • Contenção dos ilícitos em conformidade com a lei;
    • Disponibilização de alternativas socioeconômicas à população dentro do princípio do desenvolvimento sustentável. 

Como isso se dará, não foi especificado. Perguntado sobre o orçamento, Mourão afirmou que sequer o orçamento de 2021 foi votado pelo Congresso e que os Ministérios terão que se adequar. A Operação Verde Brasil 2 gastou 410 milhões de reais em 9 meses de funcionamento. O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) prevê R$127 milhões no orçamento de fiscalização e combate a incêndios florestais para ser dividido entre Ibama e ICMBio.

*Foto de Destaque: Bruno Batista /VPR .

 

Leia Também 

Ministério do Meio Ambiente tem menor orçamento das últimas duas décadas

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
24 de janeiro de 2021

Ministério do Meio Ambiente tem menor orçamento das últimas duas décadas

O orçamento previsto de R$1,72 bilhão para todo o Ministério, Ibama e ICMBio funcionarem em 2021, traz redução de 27,4% na verba para fiscalização e combate a incêndios

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta