Salada Verde

Há dois anos, Greta Thunberg iniciava sua greve pelo clima

Adolescente começou a matar aula nas sextas e protestar sozinha em frente ao parlamento sueco, em Estocolmo. Milhões se juntaram a ela

Daniele Bragança ·
20 de agosto de 2020 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

No dia 20 de agosto de 2018, há exatos dois anos, uma adolescente resolveu protestar, sozinha, em frente ao parlamento sueco, em Estocolmo, com um cartaz dizendo “greve escolar pelo clima” (Skolstrejk för klimatet). Por semanas, Greta Thunberg apareceu por lá, sempre às sextas, por volta do meio-dia, com o mesmo cartaz. Alguns meses depois, ela não estava mais sozinha e o movimento que levou jovens para as ruas ganhou o mundo.

Muitas sextas-feiras depois, houve protestos simultâneos em mais de 120 países, discurso na ONU e Greta ganhou o prêmio de personalidade do ano pela revista ‘Time’. Em dois anos, ela não só virou uma das principais ativistas ambientais da sua geração, como já é grande o suficiente para doar recursos para as causas que defende. No final de julho, Greta recebeu 1 milhão de euros vindos do Prêmio Gulbenkian para a Humanidade, da Fundação Calouste Gulbenkian, e afirmou que destinaria o recurso para grupos que defendem a natureza e lutam contra as mudanças climáticas. (Daniele Bragança)

Jovens em greve pelo clima, no Rio de Janeiro. Foto: Marcio Isensee e Sá..

 

Leia Também 

Crianças e jovens lideram greve global pelo clima

 

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Reportagens
15 de março de 2019

Crianças e jovens lideram greve global pelo clima

Estudantes foram às ruas e para frente de sedes de governos e parlamentos protestar para adultos agirem pelo clima. Brasil não ficou de fora

Salada Verde
29 de maio de 2024

PAC injetará R$ 700 mi nos estados pantaneiros

Os investimentos podem prejudicar as cheias e as vazantes e a conservação de animais e plantas no Pantanal brasileiro

Colunas
29 de maio de 2024

De Norte a Sul, o Brasil vive os extremos climáticos; é hora de reconhecer e se adaptar

Cheguei a ouvir discursos de que não haveria cheia no Rio Grande do Sul e de que a Amazônia não iria secar. Bem, no Norte o rio secou e no Sul o rio transbordou

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 1

  1. Cláudio diz:

    A coitada nem sabe que virou marionete dos outros.