Salada Verde

PM de São Paulo assume a superintendência do Ibama no Mato Grosso do Sul

Sob críticas do ex-superintendente, que foi exonerado na terça e acusou Salles de lotear os cargos entre PMs paulistas, assume o Tenente-Coronel, Carlos Guandalim

Duda Menegassi ·
24 de fevereiro de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Conforme o coronel Marchetti, agora ex-superintendente, havia dito quando saiu da chefia do Ibama do Mato Grosso do Sul, entrou no posto um Policial Militar de São Paulo — o Tenente-Coronel aposentado Carlos de Oliveira Guandalim. A predileção do ministro Ricardo Salles por colocar PMs paulistas em posições de comando nos órgãos ambientais não é novidade para ninguém, mas causou indignação em Marchetti que, diante de sua exoneração, disparou em entrevista: “O que está acontecendo é uma coisa sórdida. É uma pena porque vai mandar para o meio ambiente uma pessoa que nunca pisou aqui. Eu estou no Estado há 30 anos”.

O Tenente-Coronel da PM que assume a Superintendência do Ibama no estado não apenas não possui experiência no Mato Grosso do Sul, como tampouco possui na área ambiental. O currículo de Guandalim traz apenas prática no tema de segurança pública.

 

Leia também

Coronel é exonerado de superintendência do Ibama e critica gestão de Salles

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Salada Verde
23 de fevereiro de 2021

Coronel é exonerado de superintendência do Ibama e critica gestão de Salles

O coronel do Exército Luiz Marchetti foi exonerado nesta terça do posto de superintendente do Ibama em Mato Grosso do Sul e acusou Salles de querer por PM de São Paulo em seu lugar

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta