Salada Verde

Raro demais para usar: campanha mira em turistas para acabar com o comércio de tartarugas

Apelo é para que visitantes evitem comprar produtos utilizados com o casco das tartarugas em suas viagens pela América Latina e Caribe

Sabrina Rodrigues ·
10 de janeiro de 2017 · 6 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Eretmochelys imbricata. Foto: Christopher Doemel/Flickr
Eretmochelys imbricata. Foto: Christopher Doemel/Flickr

A tartaruga-de-pente pode ser encontrada nos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico, preferencialmente nos arredores de recifes de corais e em locais de águas rasas. Pesam até 150 quilos e sua bela carapaça pode medir cerca de 110 centímetros. Além de bela, sua carapaça é muito valiosa no mercado, usada para fabricação de aros de óculos, bijuterias e, ironicamente, pentes. Essa caça predatória já levou a tartaruga de pente a uma situação de quase extinção e é graças a vários programas e projetos de educação ambiental e preservação, como o famoso Projeto Tamar, que lentamente o número de indivíduos da espécie aumenta.

A beleza única da tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata) a está levando a passos largos para a extinção. Dona de uma carapaça colorida em tons de dourado, âmbar e marrom, a demanda pela casca utilizada na fabricação de joias, ares de óculos e até de pentes colocou o animal na categoria criticamente em Perigo (Critically Endangered) da IUCN. Visando proteger o pouco que sobrou da população da Eretmochelys imbricata, ambientalistas, operadores de turismo e alguns setores da mídia lançaram a campanha Too rare to wear (Raro demais para usar). A campanha tem como foco conscientizar o turista sobre os males da comercialização de produtos que utilizam a casca da tartaruga e assim diminuir a demanda. Nos próximos meses serão desenvolvidos guias para que se reconheçam itens de tartaruga. Por enquanto, a campanha visa atingir os turistas, mas espera-se que alcance também os vendedores. O que se pede é que os turistas não só não comprem os itens, mas também digam aos vendedores o porquê de não estarem comprando, incentivando assim o fim desse comércio. Muitos comerciantes não sabem que estão vendendo produtos derivados de animais em perigo. O comércio ilegal das tartarugas-de-pente e seus produtos foram proibidos pela Convenção Internacional sobre o Comércio de Espécies Ameaçadas de Extinção (CITES) em 1992, mas mesmo assim, produtos que utilizam a rara tartaruga continuam sendo comercializados.

Fonte: Mongabay.

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Salada Verde
19 de agosto de 2022

Coritiba apresenta seu programa de meio ambiente

Clube reformulará o tratamento de resíduos no estádio Couto Pereira e no Centro de Treinamento, além de anunciar criação do “Nossa Identidade Verde”

Reportagens
19 de agosto de 2022

Comitiva flagra descumprimento de decisão judicial na Baía de Sepetiba

Denúncias já foram levadas a órgãos públicos estaduais e federais e também serão encaminhadas à ONU por violação de direitos humanos e salvaguardas ambientais

Notícias
19 de agosto de 2022

Ministério Público vai investigar legalidade da carne vendida por 11 frigoríficos em MT

Mesmo passados 13 anos da criação do TAC da Carne, empresas ainda não são signatárias do acordo. Estado tem o maior número de cabeças de gado do país

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta