Salada Verde

SOS Mata Atlântica repudia diminuição no Parque Nacional de São Joaquim

A área da unidade de conservação está ameaçada de diminuição por uma das medidas provisórias que visam excluir 10 mil hectares do seu território

Sabrina Rodrigues ·
25 de abril de 2017 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Parque Nacional de São Joaquim, Santa Catarina. Foto: Dario Lins/Wikiparques.
Parque Nacional de São Joaquim, Santa Catarina. Foto: Dario Lins/Wikiparques.

A SOS Mata Atlântica, ONG que luta pela preservação do bioma mais ameaçado do país, saiu em defesa da manutenção do tamanho atual do Parque Nacional São Joaquim, em Santa Catarina, criado em 1961 para proteger os remanescentes de Matas de Araucárias que se encontram dentro de seus limites.

O recorte de São Joaquim entrou na pauta quando o Congresso modificou a Medida Provisória 756, que altera os limites da Floresta Nacional de Jamanxim, no Pará, e cria a Área de Proteção Ambiental de Jamanxim. O Parque de Santa Catarina entrou de carona na história ao ser incorporado, via emenda parlamentar feita pelo senador Dalírio Beber (PSDB/SC), a proposta de reduzir 20% da área da unidade, excluindo cerca de 10 mil hectares do seu território. Com a mudança, a área protegida deixa de se chamar São Joaquim e passa a ser conhecida como Parque Nacional da Serra Catarinense.

“Considerando que a Medida Provisória 756 versa, originalmente, sobre UCs localizadas no oeste do Pará, na área de influência da BR 163, não há nenhuma razão plausível para que as alterações de limites do Parque Nacional de São Joaquim sejam tratadas nessa mesma MP”, explica, em nota, a ONG ambiental.

Para a SOS Mata Atlântica, a atual onda de redução de áreas protegidas via Medidas Provisórias “impactam negativamente o SNUC ao fragilizar a proteção de áreas sensíveis, sem consulta pública e sem debate com a sociedade brasileira a respeito das implicações dessas medidas”.

“O PNSJ protege formações importantes como matas de Araucárias – espécie ameaçada de extinção – campos de altitude e Mata Atlântica, além de abrigar nascentes de rios importantes para o estado, como o Pelotas e o Tubarão, uma área extremamente relevante para a recarga de aquíferos. A redução dos limites do Parque compromete a oferta de serviços ambientais imprescindíveis para a qualidade de vida e para a manutenção de atividades econômicas que são desenvolvidas no entorno. Cabe destacar que em 2016 o Parque Nacional de São Joaquim foi o 10° parque nacional mais visitados do país, o que demonstra a sua importância para a indústria do turismo na região” diz.

 

Leia Também

Comissão aprova relatório que recorta ainda mais Jamanxim

ICMBio fecha visitação do Parque Nacional de São Joaquim

Redução de Jamanxim beneficia grileiros recentes, diz estudo

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Reportagens
20 de fevereiro de 2017

Redução de Jamanxim beneficia grileiros recentes, diz estudo

Nova análise feita pela ONG Imazon reforça acusações de que a redução da Floresta Nacional do Jamanxim premia e incentiva seus invasores

Reportagens
28 de janeiro de 2015

ICMBio fecha visitação do Parque Nacional de São Joaquim

Criado em 1961,  há 53 anos, parque ainda não tem plano de manejo e usuários obtiveram acesso com base em interpretação da lei do SNUC.

Reportagens
11 de abril de 2017

Comissão aprova relatório que recorta ainda mais Jamanxim

Relator acatou 12 das 15 emendas feitas à MP; Parlamentares sustaram o aumento do Parque Nacional do Rio Novo e acrescentaram duas UCs que não estavam no texto original

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. paulo diz:

    Novamente os Biopiratas atacando. Desta vez o sr. Beber. Político que consta na delação da lava jato. Sempre estes interesses sombrios, os tais jeitinhos brasileiros. Inimigos da Pátria.