Análises

A Triste Beleza do Saara

 Fui enviado de volta ao continente africano onde deverei viver e trabalhar durante os próximos anos. Embarquei no avião, fixei os olhos na janela e acompanhei o trajeto do vôo.

Pedro da Cunha e Menezes ·
6 de março de 2010 · 12 anos atrás

“O Saara é infinito. Não há estradas, não se vê casas, não se vislumbra o verde de uma vegetação nem o azul de uma água. Nâo há nada, só as intermináveis planícies cor de areia” (imagem de satélite: NASA).

Recentemente terminei meu período profissional em Lisboa e fui enviado de volta ao continente africano onde deverei viver e trabalhar durante os próximos anos. Foi com certa tristeza que embarquei no avião em cujas asas deixei a terrinha. Para espantar as saudades precoces, fixei os olhos na janela e acompanhei o trajeto do vôo.

A decolagem foi soberba, com direito ao casario lisboeta refletindo seus telhados na aurora, o azul do Tejo fluindo incontinente em direção ao Atlântico e as belíssimas arribas da Caparica e da Serra da Arrábida que forneceram o chão que meus pés mais gostaram de trilhar nos últimos dois anos e meio.

Logo, contudo, o solo ressequido e monótono do Alentejo e da Andaluzia espanhola encheram a paisagem, incentivando-me a procurar distração em um livro. Só voltei a dar atenção à janela algumas horas mais tarde. Sobrevoàvamos o Saara. Não desgrudei mais os olhos. Fiquei fascinado. O computador de bordo na telinha à minha frente informava que cruzávamos os céus a 805 km por hora. Mesmo assim o deserto parecia ignorar a distância descomunal que venciámos a cada girada dos ponteiros. O Saara é infinito. Durante uma eternidade vi passar sob nossas asas um terreno amarelo escuro aparentemente desprovido de qualquer vida humana.  Não há estradas, não se vê casas, não se vislumbra o verde de uma vegetação nem o azul de uma água. Nâo há nada, só as intermináveis planícies cor de areia.
 
De repente quebra-se o marasmo, surgem montanhas imponentes, picos altaneiros, penhascos verticais, quilômetros de bem desenhadas e profundas gargantas que meandram entre escarpas erodidas. A 12.200 metros de altitude é possível  divisar o conjunto de grandes bacias hidrográficas, com vales largos servidos por outros mais estreitos, escavados por um sem número de afluentes e tributários, mas não há uma gota d´água sequer. Só o chão amarelo e suas variações em tons pastéis.
Depois de meia hora a cadeia de montanhas é domada, perde relevo e se aplaina. Eleva-se, então, do terreno uma sequência de dunas com a aparência de um formidável covil de serpentes orientadas na mesma direção, que muda conforme o vento. Corcova, vale, corcova, vale, corcova, vale, corcova, vale. O padrão é repetitivo. As dunas parecem ter todas a mesma altura e comprimento, os vales a mesma profundidade.
 
Mais quarenta minutos e vem outra cadeia de montanhas tão impressionante quanto a primeira- tão esturricada e estéril quanto tudo à volta. Consulto o relógio. Já se vão mais de duas horas sobre esse areal interminável. Fecho a janela. Não adianta, a beleza da paisagem não sai da minha cabeça. O problema é que vem acompanhada da consciência de sua desolação e, quando a gente sabe que o processo de desertificação é um dos maiores problemas do mundo moderno, é impossível não ficar triste.

Leia também

Reportagens
17 de agosto de 2022

Indústria madeireira concentra exploração em apenas 2% das espécies disponíveis na Amazônia

O Brasil comercializou 998 tipos diferentes de madeira provenientes da Amazônia entre 2007 a 2020, mas, apesar desta abundância, a indústria madeireira no país está concentrada na exploração ao esgotamento de apenas 15 a 20 espécies (2%). Isso é o que mostra a mais recente edição do Boletim Timberflow, estudo sobre a cadeia da madeira

Salada Verde
16 de agosto de 2022

Brasil volta às urnas sem a opção de “candidatura verde” em 2022

A lacuna de candidaturas ligadas às propostas ambientais ocorre mesmo com a pauta do meio ambiente sendo uma das mais debatidas pela sociedade

Notícias
16 de agosto de 2022

Alvo de imbróglio jurídico, Parque Cristalino II perde quase 900 hectares em queimada ilegal

Ainda não é possível dizer se incêndio foi intencional, mas organizações alertam para “coincidência” entre fato e decisão da justiça pela extinção da unidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta