Análises

Boulders: A Vitória dos Pinguins

Uma das coisas mais interessantes do Parque Nacional da Montanha da Mesa é que ele inclui áreas de montanha, de encosta, de banhados, de litoral e, até mesmo áreas marinhas, tornando-o uma unidade de conservação bem completa.

Pedro da Cunha e Menezes ·
25 de maio de 2010 · 12 anos atrás

Uma das coisas mais interessantes do Parque Nacional da Montanha da Mesa é que ele inclui áreas de montanha, de encosta, de banhados, de litoral e, até mesmo áreas marinhas, tornando-o uma unidade de conservação bem completa.

Assim é que, em contraste com as trilhas montanhosas de Chapman´s Peak ou até mesmo destoando dos antílopes do Cabo da Boa Esperança, o Parque abriga a praia de Boulders.

Boulders, em meio à área metropolitana de Cape Town é uma das únicas três praias em toda a África Continental onde o pinguim africano (Sphesincus demersus) se reproduz. No total há apenas 27 locais catalogados onde esse pinguim, considerado vulnerável à extinção e exclusivo da África Meridonal, se reproduz, 24 deles são ilhas. Duas das praias continentais, uma na Namíbia e a outra próxima a Betty´s Bay na África do Sul, ficam em lugares isolados e protegidos. Não é o caso de Boulders.

Quando o primeiro casal de pinguins foi avistado em suas areias em 1984, Boulders já era parte integrante do circuito praiano do Cabo, cheia de banhistas no verão e flanqueada por casas de gente abonada. No começo todos acharam bonitinho e –até inusitado- e a passarada foi bem recebida. O problema é que os pinguins gostaram, avisaram os amigos e no ano seguinte voltaram com muitas companhias e dispostos a ficar. Em poucos anos mais de 400 pares já vinham a Boulders se reproduzir e o número, que hoje ronda os 3 mil indivíduos, continua a aumentar todos os meses.

E assim os pinguins aproveitaram a compaixão de bacanas e banhistas e invadiram a praia de todos, obrigando o Serviço de Parques da África do Sul a fazer alguma coisa. Assim a praia foi incorporada ao Parque Nacional da Montanha da Mesa, quando da sua criação em 1998 e hoje, depois do bondinho da Montanha da Mesa e do Cabo da Boa Esperança, Boulders é o terceiro ponto mais visitado do Parque. Seu ingresso não apenas financia a infra-estrutura eco-turística, que inclui passarelas e centro de visitantes, como também custeia pesquisas que ajudam a conservar a espécie.

No frigir dos ovos (que afinal hoje estão bem protegidos de qualquer frigideira)  todos saem contentes: os turistas ganham uma nova atração, os pinguins têm seu santuário assegurado e ainda sobram recursos para serem aplicados em outras áreas do Parque. Talvez o exemplo de Boulders pudesse servir de inspiração aos legisladores brasileiros. Pelo menos no caso do Rio de Janeiro faria muito mais sentido incorporar o Arquipélago das Cagarras ao Parque Nacional da Floresta da Tijuca, dando mais musculatura e relevância a esta que é uma das unidades de conservação urbanas mais notáveis de todo o mundo, do que criar uma reserva marinha isolada e desconectada do ambiente terrestre.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta