Análises

Do Cabo ao Cabo em uma semana

Expedição ((o))eco/Terra Limpa percorre trilha de sete dias no Parque Nacional Montanha da Mesa, na África do Sul. Acompanhe a série de artigos.

Pedro da Cunha e Menezes ·
6 de abril de 2011 · 12 anos atrás

Nota do editor: Pedro Cunha e Menezes é articulista de ((o))eco desde o lançamento do site em 2004. É o nosso especialista em trilhas, aventuras e ecoturismo. A partir desta edição todos os seus textos e colunas serão publicados aqui no blog Palmilhando, um espaço em que o montanhismo e a gestão de áreas protegidas são os temas centrais. O arquivo de artigos de Pedro podem ser encontrados neste link

A trilha Hoerikwaggo é uma autoestrada natural que corta uma metrópole. (foto: Pedro Cunha e Menezes)
A trilha Hoerikwaggo é uma autoestrada natural que corta uma metrópole. (foto: Pedro Cunha e Menezes)

Cidade do Cabo – Poucas metrópoles no mundo oferecem a seus moradores e visitantes a possibilidade de fazer uma trilha de sete dias, em ambiente totalmente natural e, ainda assim completamente inserido em uma área urbana. Pessoalmente conheço apenas três cidades assim: Rio de Janeiro, Sydney e a Cidade do Cabo. Ouvi dizer que em Hong Kong e Chicago a hipótese existe, mas nunca lá fui. Em Lisboa , Paris e Perth também há trilhas longas, mas essas já começam nos arredores de seus subúrbios.

As trilhas dos três portos do hemisfério sul que mencionei rivalizam em beleza. A do Rio de Janeiro, entretanto, à excessão do trecho dentro da Floresta da Tijuca, não tem infraestrutura ou sinalização alguma. A de Sydney, é bem provida com placas direcionais, mas não conta com abrigos ou locais onde seja possível dormir. Além disso, não é totalmente urbana, pois após o trecho que corta a parte norte da cidade (que tem cerca de 80 km), segue por mais 170 quilômetros até Newcastle, o segundo maior aglomerado humano de Estado de Nova Gales do Sul. Resta a trilha Hoerikwaggo que rasga o Parque Nacional da Montanha da Mesa de norte a sul e liga o centro histórico da Cidade do Cabo ao Cabo da Boa Esperança. Diferentemente das suas congêneres, a Hoerikwaggo não se restringe a vistas deslumbrantes, banhos em águas límpidas e contato frequente com uma fauna e flora únicas da região. Também tem um manejo impecável, em que sobressaem a drenagem, o cuidado com a segurança e o próprio traçado do caminho.

As “travessias urbanas” cruzam o asfalto em pontos estratégicos. Permitem, assim, ao caminhante percorrê-las em regime de um dia de cada vez, indo dormir em casa ou em algum hotel ao fim da jornada, para reinicar o périplo na manhã seguinte ou, até mesmo, algumas semanas mais tarde, exatamente no ponto em que terminou o último trecho. A trilha, Hoerikwaggo vai além. Oferece ao excursionista a possibilidade de palmilhar seus sete dias de uma só enfiada, pernoitando em abrigos (e uma pensão) ao longo do caminho. Abrigos é modo de dizer, pois os locais de dormida na Hoerikwaggo não a deixam envergonhada perante nenhum hotel cinco estrelas. São topo de linha. Em nenhum lugar do mundo encontrei nada igual (nem sequer remotamente parecido).

O início da trilha Hoerkwaggo, no Cabo da Boa Esperança
O início da trilha Hoerkwaggo, no Cabo da Boa Esperança

Não acaba por aí. A trilha, inicialmente pensada para gerar emprego e renda, não é sinalizada, pois, inicialmente, foi projetada para exigir o acompanhamento de um guia credenciado pelo Parque. Não funcionou. O “trekking” surgiu na África do Sul. Por isso mesmo os sul-africanos não deixam por menos. A atividade é quase sagrada no país, atraindo praticantes dos 7 aos 70 anos de idade. Houve uma quase rebelião contra a imposição de guias, o que fez o Parque repensar sua estratégia. Nesse momento, está sendo preparado o processo de sinalização da Hoerikwaggo, que nem por isso deixou de gerar emprego e renda. Os guias continuam devidamente credenciados e oferecendo seus serviços a qualquer visitante que deseje desfrutar de tal serviço. Não é algo imposto ou obrigatório, mas constitui-se em livre opção para o visitante que não disponha de muito tempo e deseje desfrutar do maior número possível de atrações. No entanto, os ex-guias, agora possuem a oportunidade de serem empregados na manutenção dos caminhos e abrigos e no serviço de transporte de bagagens. As taxas cobradas pela utilização destes abrigos e serviços são diretamente revertidas para as despesas da mão de obra que é devidamente qualificada e inspecionada pelo Serviço sul-africano de Parques Nacionais.

O serviço de transporte de bagagens é simples e constitui-se em um luxo para quem já está mais idoso ou não comunga da idéia de que é preciso carregar 20 quilos às costas para merecer o título de montanhista. Antes de iniciar um dia de caminhada, os excursionistas deixam sua bagagem arrumadinha no abrigo. Por volta das 10 da manhã, o Serviço de Carregadores embarca as mochilas (e, para quem gosta, o caixote com alimentos de primeira qualidade, garrafas de vinho, cervejas, e até um tabuleiro de gamão) em uma caminhonete e a dirige até o abrigo seguinte. Quem caminha, leva no lombo somente a mochilinha com o indispensável para um dia de pé no chão, Ao chegar no destino, já encontra seus pertences e guloseimas no abrigo. Nem sequer vê quem os transportou. A privacidade é garantida.

Por essas razões, quando Ivan e Sandra Amaral, coordenadores da ONG Terralimpa, manifestaram interesse em ampliar seus conhecimentos sobre manejo e gestão de trilhas, não exitei em sugerir que percorressem a Hoerikwaggo. Claro que não os deixei sós. Jamais me perdoaria se perdesse a chance de discutir manejo de trilhas com uma das pessoas que melhor o faz no Brasil de hoje (por meio do Terralimpa, Ivan mantém a trilha da Pedra da Gávea no Parque Nacional da Floresta da Tijuca e participa de trabalhos de manejo em diversas outras unidades de conservação do Rio de Janeiro).

Assim nasceu a Expedição “Hoerikwaggo ((o))eco/Terralimpa” que contou com o apoio do Parque Nacional da Montanha da Mesa e será objeto de sete colunas e seis vídeos publicados aqui em Palmilhando. Convido o leitor a trilhar essa aventura conosco.

Ivan e Sandra Terralimpa no segundo dia da Trilha Hoerikwagg
Ivan e Sandra Terralimpa no segundo dia da Trilha Hoerikwagg

Leia também

Salada Verde
2 de dezembro de 2022

Lula afirma que deve criar “Secretaria dos Povos Originários” com status de um Ministério

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (02), o presidente eleito esclareceu que fará os anúncios dos nomes do primeiro escalão depois de ser diplomado, em 12/12

Reportagens
2 de dezembro de 2022

Encurralados pela degradação, morcegos ainda resistem em áreas de pasto no Pantanal

Estudo revela que mesmo em menor abundância, morcegos ainda buscam comida e abrigo em áreas de pasto. Resultado mostra importância da manutenção de sobras de floresta em áreas degradadas

Notícias
2 de dezembro de 2022

Sociedade e Inea pressionam e PL que flexibiliza proteção do rio Paraíba do Sul encolhe

Proposta que extingue o Refúgio de Vida Silvestre do Médio Paraíba para criar, em seu lugar, uma APA, mais flexível aos usos, foi rechaçada pela sociedade civil em sessão da Comissão de Meio Ambiente nesta quinta (1º)

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta