Análises

Guarda-parque: uma vocação exercida ao redor do mundo

Sob risco e condições duras, eles trabalham nos parques e áreas protegidas para desenvolvê-las, garantir sua integridade e lidar com o público

Miliany Campos ·
8 de janeiro de 2015 · 7 anos atrás
Guarda-parques de 19 países no Parque Lane Cove River, Sydney, onde se hospedaram, durante o Congresso Mundial de Parques. Foto: Steve Woodhall

O guarda-parque pode trabalhar em funções como manejo de visitantes, educação ambiental, prevenção e combate a incêndios florestais, fiscalização, relacionamento com as comunidades locais, atividades de pesquisa e monitoramento, administração e planejamento, manutenção de infraestrutura, atividades de busca, resgate e primeiros socorros. É um trabalho que requer, além de treinamento e capacitação adequada, comprometimento e paixão pela natureza.

Embora seja uma função nobre e gratificante, na maioria das vezes os guarda-parques enfrentam severas dificuldades, como carência de condições laborais mínimas, baixo reconhecimento social e institucional, carência de treinamentos e capacitação, e alto risco de acidentes e morte.

Meu interesse pela profissão começou quando eu trabalhava no corpo da guarda ambiental, após curso de formação de guarda-parque, no Parque Natural Municipal do Trabiju, um resquício de Mata Atlântica e sítio histórico do município de Pindamonhangaba, interior de São Paulo. No final de 2012, soube da existência da Federação Internacional de Guarda-parques – FIG (International Ranger Federation) e da sua filiada e então recém-fundada Associação Brasileira de Guarda-parques (ABG). Comecei a me envolver com a ABG por meio de trabalhos voluntários, com a participação na administração de seu blog, onde são compartilhados os trabalhos, sucessos e dificuldades enfrentados pelos guarda-parques, tentando estabelecer uma rede maior e mais conectada desses profissionais no país e com a comunidade internacional.

Há alguns meses, a FIG, por meio da Fundação The Thin Green Line, uma entidade sem fins lucrativos que ajuda guarda-parques ao redor do mundo e suas famílias, ofereceu 10 patrocínios para guarda-parques representarem seus países e participarem do Congresso Mundial de Parques da UICN, em Sydney, Austrália, que ocorreu em novembro deste ano. Eu fui selecionada para participar do congresso e representar a Associação Brasileira de Guarda-Parques, oportunidade aproveitada também para levar uma Declaração dos Guarda-parques do Brasil. O documento foi feito de forma colaborativa com os associados, resumindo a situação, opinião e necessidades dos guarda-parques e sua profissão no Brasil.

Em cada país, uma história

“Sothene Ndong Obiang, do Gabão, compartilhou a notícia do assassinato de três colegas na semana anterior”

O Congresso Mundial de Parques reuniu milhares de pessoas do mundo inteiro, com uma programação variada e que incluiu apresentações especiais sobre guarda-parques. Em uma das sessões paralelas, a FIG organizou o evento “Meet a park and protected area ranger“, com guarda-parques de diferentes países. Foi uma chance de entender as diferentes atribuições que um guarda-parque pode desempenhar, e os diferentes desafios enfrentados por cada um deles. Uma das histórias mais duras foi a de Sothene Ndong Obiang, do Gabão, que compartilhou a notícia do assassinato de 3 colegas na semana anterior. Durante todo o congresso, este intercâmbio de informações foi possível e fundamental. O corpo de guarda-parques ao redor do mundo é bastante unido e, por meio das ações que a FIG realiza, ganha visibilidade a importância dos guarda-parques no contexto da conservação mundial.

O congresso foi encerrado após uma cerimônia de premiação, onde foram homenageados os guarda-parques Maximillian Jenes, da Tanzânia, pela luta contra a caça de elefantes; Tiwonge Gawa, do Malauí, pelo trabalho em educação ambiental para conservação de aves no seu país; Luigi Eybrecht, de Bonaire, por superar um histórico de violência doméstica na infância e se tornar comandante do programa Guarda-parque Mírim de Bonaire; e Jobogo Mirindi, da República Democrática do Congo, pelo seu trabalho de conservação integrado com outros países.

Em cada país ou local distinto, os guarda-parques podem desempenhar diferentes funções, algumas vezes mais generalistas, outras mais especializadas. Na Austrália, por exemplo, no estado de Nova Gales do Sul, para se tornar guarda-parque é necessário ter curso superior em Ciências ou área correlata. No caso do Brasil, há muitas pessoas desempenhando funções típicas de guarda-parques em áreas públicas e privadas, em nível federal, estadual e municipal, mas não denominadas como guarda-parques. Apenas em poucos estados ou municípios a profissão é total ou parcialmente regulamentada. Mas seja qual for a denominação recebida e as qualificações requeridas, o importante são as funções que estas pessoas desempenham, pois são elas que definem a condição e figura do guarda-parque.

O Congresso Mundial de Parques mostrou que os guarda-parques têm uma comunidade mundial unida e bem estruturada, que os respalda, facilita intercâmbios, e luta pelo reconhecimento deste trabalho. Para quem se interessar em conhecê-la, em 2016 ocorrerá o Congresso Mundial de Guarda-parques no Colorado, EUA, e as inscrições já estão abertas.

 

Leia também
Os verdadeiros guardiões das florestas
Homem armado ameaça guarda-parques do INEA, em Cabo Frio
31 de julho, Dia Mundial do Guarda-parque

 

 

 

  • Miliany Campos

    Bióloga formada pela Universidade Federal de São Carlos e membro da Associação Brasileira de Guarda-parques

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta