Análises

Livros, mapas e imaginação: apresentando a flora e a fauna brasileiras a um gringuinho

Falar da natureza brasileira para crianças pequenas nem sempre é simples. Quando se está longe do país a tarefa é um pouco mais complicada – mas não impossível

Nanda Melonio ·
7 de outubro de 2021

Quando meu filho ainda estava na barriga, eu já havia decidido que o português faria parte da vida dele. Desde lá falo cotidianamente minha língua materna com ele, e faço videochamadas diárias com meus pais, para que ele possa se familiarizar com o idioma. 

Mas não sentia que era o bastante. Quem conhece minha história de vida e o trabalho com meio ambiente que desenvolvi durante todo o meu percurso profissional, sabe o quanto sou apaixonada pela biodiversidade brasileira. Ele também já se mostra um amante da natureza e, sendo assim, resolvi unir três dos nossos amores – ambiente, música e literatura – para fazê-lo conhecer um pouco mais das nossas origens.

“A dança do peixe boi, quero ver quem sabe dançar… Rebola pra lá, rebola pra cá e abre a boquinha assim: me dá um beijinho e nada um pouquinho, depois dá a mão para mim”. (Palavra Cantada) 

Através de livros e canções, ele começa a descobrir a existência de animais que nos são familiares, como o jacaré, o tuiuiu, a capivara, a onça, o peixe-boi… Além disso, sabe como é uma mangueira, um açaizeiro, ou mesmo uma bananeira, árvores que a maioria dos seus conterrâneos italianos nunca nem tiveram a oportunidade de ver. Outro dia mesmo um adulto italiano me perguntou se a manga dava em uma palmeira! Parece um questionamento surreal para uma carioca que andou metade da vida pelos túneis de mangueira de Belém do Pará e passou alguns anos pelos seringais do Acre, mas se teve algo que as andanças pelo Brasil e pelo mundo me ensinaram é que toda chance de falar da nossa cultura e biodiversidade é válida e deve ser aproveitada.

O mapa no quarto: ajuda a despertar a noção de que lugares são diferentes e possuem espécies diferentes. Foto: Arquivo pessoal.

Despertando curiosidades

Uma coisa interessante no meu filho é como ele adora mapas, especialmente quando relacionamos os animais que tem em cada parte do mundo. Aproveitei essa paixão e coloquei um adesivo de mapa-múndi na parede do quarto dele, e virou uma ferramenta pra mostrar um pouco da fauna brasileira. Lá tem tamanduá, ema, macaco-prego, peixes, borboletas, e de quebra ele já reconhece onde é o país em que vivem a vovó e o vovô (o “Basil”).

Meu filho adora fazer trilhas em bosques e florestas, brincar com terra, areia, insetos, rolar na grama, regar as plantas, interagir com os bichos, colher frutos e bolotas pelo chão… Felizmente temos o privilégio de ter jardim em casa, e de vivermos perto da praia, de um bosque (onde passamos todo dia no caminho pra escola) e de uma reserva natural do WWF Itália, então não falta lugar pra satisfazer essa necessidade dele de natureza, de vida! 

Explorando a paisagem italiana. Foto: Arquivo pessoal.

Aqui perto de casa a gente tem a macchia mediterrânea (que é justamente o bioma em que o Oasi WWF trabalha na conservação). As árvores são sempre verdes, tem muito arbusto, o verão é quente e seco e o inverno é leve e chuvoso. É o bioma do litoral da Itália, e justamente por ser no litoral sofre muita depredação, especialmente no verão, claro.

Eu olho pra ele fazendo isso tudo e minha imaginação nos porta aos varadouros, seringais, igarapés amazônicos, às trilhas da Mata Atlântica, à Zona da Mata, às árvores tortas do Cerrado… Ele acabou de fazer dois anos e ainda não pôde ir ao Brasil (maldita pandemia!). No entanto, continuo tentando acreditar que logo poderemos ver juntos todos esses biomas que moram no meu coração e procuro mostrar pra ele as nossas raízes, o que está acontecendo com nosso país e com a nossa natureza. Tenho esperança de que mais pra frente esse conhecimento pode ser útil e, quem sabe, ele até faça a diferença na nossa luta pelo meio ambiente pois, como disse Andrés Gianni: “As crianças são excelentes multiplicadores dos conceitos socioambientais porque carregam ainda consigo o ímpeto por justiça e a ideia de um mundo simples, natural e fraterno que muitos adultos já esqueceram”.

As opiniões e informações publicadas nas sessões de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

Leia também

Colunas
28 de março de 2021

Sobre árvores, um neto e o tal de “Educação Ambiental”: por mais crianças na Natureza

Negligenciar a vivência ambiental das crianças desde pequenas é condenar o mundo a mais uma geração inteira de devastação e descaso

Notícias
28 de agosto de 2018

Vídeo: Qual o desafio de aproximar as crianças da natureza? Por Maria Isabel Amando de Barros

As crianças do século XXI estão cada vez mais distantes e com menos possibilidades de contato com a natureza, brincar ao ar livre e se sensibilizar com as belezas que esse contato proporciona

Salada Verde
31 de março de 2021

Minidocumentários destacam importância do contato das crianças com a natureza

Os curtas, disponíveis online, trazem reflexões sobre os benefícios do convívio com a natureza desde o começo da vida para o desenvolvimento das crianças

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Wendell mak diz:

    Boa tarde, esses livros infantis podem ser encontrados onde????
    Existe alguma distribuição gratuita????
    Poderia ajudar deixando nas bibliotecas infantis das escolas da minha cidade!
    14 99718 9990