Análises

O Pampa está ameaçado

No Dia Nacional do Pampa, pesquisadores da Rede Campos Sulinos alertam para quadro dramático de perda de vegetação nativa no bioma

Valério Pillar · Gerhard Overbeck ·
17 de dezembro de 2020
A imagem clássica do Pampa, aqui próximo a Quaraí (RS). Foto: Fabio Olmos.

Nos últimos 34 anos mais de dois milhões de hectares de campos nativos do bioma Pampa foram convertidos em lavouras, pastagens plantadas e silvicultura, segundo dados do projeto Mapbiomas. A perda anual tem sido 125 mil hectares por ano nos últimos seis anos, sem sinais de decréscimo. Isso corresponde a 175 mil campos de futebol por ano, o que deveria gerar comoção pública e ações rigorosas de fiscalização. Nesse ritmo, em 2050 restarão menos de 12,9% do bioma coberto por campos nativos, porém, em alguns municípios já restam agora menos de 6%. 

Por que precisamos manter a vegetação nativa? Os campos do Pampa apresentam flora e fauna únicas, uma biodiversidade riquíssima e não menos importante do que a de outros biomas brasileiros. Com perda da vegetação nativa, perdemos benefícios da natureza para a nossa qualidade de vida no campo e na cidade. A qualidade da água e dos alimentos depende diretamente da conservação dos ecossistemas naturais. Sem a vegetação nativa, a polinização de muitas culturas agrícolas fica comprometida. A conversão dos campos aumenta as emissões de gases efeito estufa, agravando mais ainda as mudanças climáticas que já causam impactos sérios para a humanidade, inclusive, para a agricultura. E, não menos importante:  o que seria a cultura gaúcha sem os campos do Pampa?

Não há o que comemorar no dia do bioma Pampa. Mas é um momento para refletir sobre o caminho a seguir para garantir um futuro com qualidade para as próximas gerações. A pesquisa científica evidencia as consequências dramáticas que as mudanças do clima e do uso da terra terão para a humanidade. A ciência também demonstra os benefícios de uma economia mais sustentável. Por exemplo, a produção de carne de qualidade sobre os campos nativos, prática tão simbólica para o bioma Pampa, é não apenas compatível com a conservação da biodiversidade, mas também pode contribuir para o sequestro de carbono no ecossistema. Este tipo de sinergia será a base para economias bem sucedidas no futuro.

 

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

Leia Também 

Conservando as Aves do Pampa: uma aliança entre conservacionistas e produtores rurais

Novo código ambiental do RS é aprovado sem passar pela Comissão de Meio Ambiente

Soja e silvicultura tornam o Pampa o 2º bioma mais ameaçado do país

 

 

 

 

  • Valério Pillar

    Valério Pillar (PhD) e Gerhard Overbeck (Doutor em Ciências Naturais) são professores do Instituto de Biociências da UFRGS e ...

  • Gerhard Overbeck

    Valério Pillar (PhD) e Gerhard Overbeck (Doutor em Ciências Naturais) são professores do Instituto de Biociências da UFRGS e ...

Leia também

Reportagens
17 de junho de 2018

Soja e silvicultura tornam o Pampa o 2º bioma mais ameaçado do país

Substituição da pecuária por outras atividades devastam o bioma. Área degradada no Pampa ao longo de 7 anos área equivale a 23 cidades de Porto Alegre

Reportagens
26 de janeiro de 2020

Novo código ambiental do RS é aprovado sem passar pela Comissão de Meio Ambiente

O projeto que altera cerca de 500 pontos do código anterior foi aprovado em 75 dias e após uma única audiência pública. Autolicenciamento é o ponto mais polêmico

Análises
7 de outubro de 2020

Conservando as Aves do Pampa: uma aliança entre conservacionistas e produtores rurais

Opinião | Mais de 500 espécies de aves ocorrem no Pampa, um bioma em sua maior parte distribuído em terras privadas e fazendas. E para garantir a conservação das aves é preciso se aliar aos produtores rurais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Bruno Jan Schramm Corrêa diz: