Análises

A sinuca de bico da nova lei florestal

Pressões ruralistas põem em xeque implantação do Cadastro Ambiental Rural, essencial ao Novo Código Florestal. E pode ser apenas o começo.

Aldem Bourscheit ·
16 de março de 2016 · 6 anos atrás
Ruralistas comemoram mudança no Código Florestal. Vitória esmagadora. 25/04/2012. Foto: J.Batista/Câmara dos Deputados.
Ruralistas comemoram mudança no Código Florestal. Vitória esmagadora. 25/04/2012. Foto: J.Batista/Câmara dos Deputados.

Uma área do tamanho da Argentina já está registrada no sistema federal para cadastro da situação ambiental de imóveis rurais, um estratégico dispositivo do chamado Novo Código Florestal já regulamentado. Isso mostra que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) ultrapassou o “ponto de não retorno”, já é um instrumento de gestão pública com potencial para conter o desmatamento ilegal e para injetar mais sustentabilidade em planos e estratégias de desenvolvimento.  Claro, há aspectos normativos e técnicos a serem vencidos, por exemplo, no tangente à validação dos dados inseridos na base eletrônica de informações.

Driblando essa realidade, ainda pairam ameaças ao necessário estabelecimento de uma lei com impacto direto na conservação da natureza, no equilíbrio climático, na manutenção das fontes de água e, também, na qualidade da produção no campo. Quase 30 propostas tramitam no Congresso Nacional sugerindo alterações ao Novo Código Florestal, muitas demandando a consolidação da ocupação de margens de rios, encostas e outras áreas que não deveriam estar ocupadas em zonas urbanas, outras pretendendo adiar sem critérios o prazo para que todos os imóveis rurais atendam ao CAR.

Nesse sentido, posições públicas se dividem. Enquanto certas entidades ligadas ao agronegócio pregam o 5 de maio deste ano como limite imutável para o cadastro de imóveis, pois sua base de apoio não encontra dificuldades para atender à legislação, outras afirmam serem necessários pelo menos mais 2 anos para o cadastramento. Nesse imbróglio, uma imensa massa de pequenas propriedades ainda não obteve o apoio definido em lei para se cadastrar.

Tal impacto tem que ser pesado, especialmente sobre a Agricultura Familiar, pois quem não se cadastrar até a data limite pode perder “vantagens” trazidas pela nova legislação florestal, como a da redução das áreas de vegetação a serem recuperadas nos imóveis rurais, e, a partir de maio de 2017, não ter mais acesso a créditos e financiamentos bancários.

A sanha por adiamentos sem critérios técnicos é tamanha que, passados poucos dias, conhecido representante da Bancada Ruralista tentou enxertar artigo com esse fim na votação de uma medida provisória sobre a rolagem de dívidas ligadas à compra de caminhões e carretas. Um projeto que joga o prazo do CAR para 2018 aguarda votação na Comissão de Meio Ambiente do Senado e, quando chegar à Câmara dos Deputados, uma esmagadora maioria ruralista poderá dar “novos rumos” ao dispositivo. E isso será apenas um aperitivo: mais mudanças pró-ruralistas podem vir a serem inseridas no Novo Código Florestal.

Entorpecido pela crise política, o Governo precisa encontrar tempo e meios para coordenar um caminho legislativo menos arriscado para o futuro do Novo Código Florestal, mais ainda para sintonizar os discursos entre as pastas da Agricultura e do Meio Ambiente. Declarações contraditórias das duas ministras, uma delas oriunda do seio do agronegócio, quanto ao prazo final para o CAR, têm semeado dúvidas entre os produtores rurais, mais uma vez especialmente entre os pequenos.

A implantação efetiva do Novo Código Florestal é inadiável, mas ela depende mais do que nunca de um esforço coordenado em nível nacional, seja para a consolidação do CAR e das ações de restauração florestal, para a definição de incentivos econômicos à aplicação da lei e especialmente à manutenção de excedentes legais de vegetação nativa. Daí virão melhores rumos para o uso da terra e de outros recursos naturais.

*Editado, às 16h, 17/03/2016.

 

Leia Também

CAR: prazo vence em maio e ruralistas já falam em prorrogação

Samba de um bioma só

 

 

 

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Análises
3 de novembro de 2015

Samba de um bioma só

Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga, Pantanal e Pampa se tornaram “biomas de segunda categoria” em termos políticos e de investimentos para sua conservação.

Salada Verde
22 de fevereiro de 2016

CAR: prazo vence em maio e ruralistas já falam em prorrogação

Donos de terra tem até 05 de maio para aderirem ao Cadastro Ambiental Rural, que já foi prorrogado. Ruralistas tentam ganhar tempo.

Dicionário Ambiental
18 de agosto de 2014

O que é o Código Florestal

Conheça um pouco sobre a lei que rege a proteção do meio ambiente em propriedades privadas e cuja recente reforma suscitou polêmicas.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Marcio Koch diz:

    Impressiona o nível de desarticulação sobre tema tão importante diante de cenário político desastroso.


  2. paulo diz:

    Cacalhada de políticos.