Colunas

Os esquentados

O Brasil propôs em Kyoto que metas de emissões sigam a contribuição histórica de cada país. Levaram a sério. Foram estudar e adivinha quem sai pior que entrou?

28 de julho de 2006 · 15 anos atrás
  • Sérgio Abranches

    Mestre em Sociologia pela UnB e PhD em Ciência Política pela Universidade de Cornell

Esperteza tem perna curta. Principalmente no mundo globalizado. Mais ainda na sociedade da informação. O Brasil acha que não. Pensa que pode usar truques da era do telégrafo, no tempo da mudança climática. Vem tentando, desde o início das negociações da Convenção do Clima, aparecer como o mocinho do pedaço e, de quebra, ter tratamento de pobre coitado. Ofereceu duas sugestões na discussão da política do clima. Uma era brilhante e, numa negociação com o EUA, virou o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). A outra, nas negociações para o Protocolo de Kyoto, era uma versão climatizada do truque gasto de posar de subdesenvolvido para escapar de suas obrigações coletivas.

A delegação brasileira propôs que as metas de emissão de gases estufa dos países industrializados fossem baseadas em sua contribuição histórica para o aquecimento global. Os que tivessem dado maior contribuição teriam metas mais exigentes do que aqueles que tivessem menor contribuição. A convicção dos diplomatas brasileiros, certificados por cientistas de esquerda ou nacionalistas – hoje em dia no Brasil dá quase no mesmo, uma grande parte da esquerda brasileira é menos esquerda e mais nacional-desenvolvimentista – era de que o Brasil receberia uma meta mínima e não compulsória. As metas exigentes ficariam com países como Inglaterra, Alemanha e Estados Unidos, berços das revoluções industriais. Achavam que os gases estufa só saíam das chaminés das fábricas. As chaminés e os carros de um país de industrialização recente, pobretão como o Brasil, teriam uma contribuição histórica mínima.

Falando sério

Como estavam falando com gente séria, foram levados a sério. Criou-se um desafio metodológico com a necessidade de quantificar a cota-parte da sujeira de cada um. Um problema elementar é como avaliar a responsabilidade de cada um na produção de um problema, o aquecimento global, que no passado não era reconhecido como tal. A proposta brasileira não foi aceita. Mas as partes signatárias do Protocolo admitiram que o assunto deveria ser melhor estudado, sob o guarda-chuva do “Subsidiary Body for Scientific and Technological Advise” da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança Climática.

Em 2002, a Convenção do Clima encomendou a vários grupos de pesquisa um teste da proposta brasileira, usando seus respectivos modelos climáticos. Os resultados, apresentados em um seminário com especialistas, do qual participou, como representante do Brasil, o físico Luiz Pinguelli Rosa, não foram considerados conclusivos. Criou-se uma rede de grupos de pesquisa, “MATCH – Modelling and Assessment of Contributions to Climate Change”, para aprofundar a investigação. O trabalho continua. Essa rede já produziu um artigo científico cooperativo, cuja principal contribuição era mais ou menos de se esperar: a chave dessa investigação está nas escolhas que se fizer para definir o modelo de medida. Essas escolhas obviamente sofrem influência de fatores que não se circunscrevem à razão científica e terminam por ser escolhas de alguma forma políticas. Certamente não existe um critério consensual para escolher: indicadores, o espaço de tempo da análise (quantas décadas para trás), qual o método a ser utilizado para escolher os gases que serão considerados para atribuir responsabilidade na determinação do efeito estufa, que base de dados usar.

Ciência política

A escolha de indicadores tem que ser orientada pelo objetivo da Convenção do Clima, que é estabilizar a concentração de gases estufa “em um nível que evite interferência antropogênica perigosa no sistema climático”. Já dá para perceber o tamanho do problema. Junte-se dez cientistas em uma mesa para discutir o que é perigo e eles se aposentarão antes de chegar a um consenso. Eu dou um curso sobre risco político no Instituto Coppead de Administração, da UFRJ, que começa com a discussão das noções de perigo, ameaça, risco. Dá para ficar um ano só nisso. Perigo tem uma dimensão filosófica, tem uma dimensão psicológica – pessoas diferentes percebem diferentemente o mesmo grau de perigo real (mais quem define perigo real?) – tem uma dimensão científica e tem, obviamente, uma dimensão política.

No plano filosófico, dá para discutir infinitamente a ética do perigo, para determinar qual o limite máximo de risco moralmente admissível para a coletividade correr, em nome das gerações futuras, na busca de seu próprio bem-estar.

Psicologicamente falando, o perigo não existe. Existe a percepção individual e/ou coletiva do perigo. O que é perigo para uns, não é para outros. O jornalista Mark Bowen conta duas historinhas ilustrativas sobre risco em seu livro Thin Ice – Unlocking the Secrets of Climate in the World’s Highest Mountains (New York, Henry Holt, 2005). Ele acabou nesse esporte radical de cobrir pesquisa climática, por acaso. A editora de uma revista ligou para ele dizendo que já haviam investido muito na cobertura de uma história que misturava aventura e pesquisa, para a qual haviam contratado uma repórter. A missão era acompanhar o climatologista Lonnie Thompson, da Universidade Estadual de Ohio, que ia obter amostras de gelo profundo no topo do monte Nevado Sajama, a mais alta montanha da Bolívia. Mas a repórter recuou um dia antes da viagem, porque não tinha experiência em altas montanhas e ficou preocupada com uma expedição a altitude tão elevada. Bowen é montanhista e fora selecionado a partir de uma matéria numa revista de montanhismo. Topou e acabou completamente seduzido pela história da pesquisa climática em gelo de altas altitudes, que levou a seu livro de leitura fascinante. Taí, uma recuou, sensatamente, diante do risco a que se exporia. O outro, com mais informação sobre o montanhismo e propensão à aventura, não via tanto risco, com razão, nem achava que montanha alta e picos nevados fossem um perigo do qual tivesse que se afastar.

Mas Bowen encontraria, em seguida, sua própria medida de risco. Foi informado pela mulher de Lonnie Thompson, Ellen Mosley-Thompson, que ele havia partido para a Bolívia levando um balão especial, de ar quente, desenhado por um experiente balonista. A idéia era inflar o balão no topo da montanha, o mais alto lançamento de balão da história, e usá-lo para levar o gelo coletado mais rapidamente até as câmeras frigoríficas e aos caminhões que o transportariam até o aeroporto. “Eu decidi rapidamente que eu queria estar em pé no topo, quando o balão decolasse, mas de jeito algum eu embarcaria naquela coisa”, conta ele em seu livro. É isso aí.

Agora, vai esperar que os cientistas se entendam a respeito do “perigo antrópico” para o sistema climático. Até porque, independentemente da noção de risco envolvida, não há critério científico que permita dizer que existe um indicador melhor que os outros. “Nenhum dos indicadores seria a escolha obviamente preferível”, dizem os autores do artigo coletivo. A escolha do indicador envolve duas dimensões, que elevam sua complexidade, dizem eles. Uma dimensão diz respeito à data das emissões, se a fonte é velha ou nova emissora. A outra, tem a ver com a emissão de gases de longa-vida ou de curta-vida. Indicadores que descontam rápido para trás, dão peso baixo às emissões mais antigas. Indicadores que não “olham” para frente superestimam os gases de vida-curta. Esses efeitos metodológicos têm peso geopolítico brutal.

Os carrascos do tempo

A escolha do horizonte temporal da análise tem um impacto enorme nas contribuições, dizem os autores. Escolher, uma data anterior a 1890 – 1760, por exemplo – aumenta a cota-parte de responsabilidade pela concentração de gases dos países que começaram a emitir mais cedo. EUA diminui sua responsabilidade, Inglaterra aumenta, com a escolha. Escolher uma data posterior tem o efeito contrário. Outro fator com carga geopolítica mais destrutiva que uma penca de Katrinas.

A escolha das fontes de gases é outra complicação. A esperteza da proposta brasileira só resiste ao teste dos gases do uso de combustíveis fósseis. A inclusão de dióxido de enxofre (SO2) aumenta a contribuição da Ásia. A inclusão do uso da terra aumenta a participação da Ásia, da América Latina e da África e sufoca a esperteza brasileira em gases emitidos pelo desmatamento, pelas queimadas, e pela agropecuária.

Os autores do relatório reconhecem que as escolhas científicas para responder a essa questão, são difíceis e, mais que científicas, políticas. Mas haverá respostas e elas sufocarão de vez a esperteza brasileira, porque o efeito estufa não distingue entre as fontes de contribuição humana, como querem o nosso Itamaraty e parte de nossos cientistas. País responsável aceita suas responsabilidades sem tergiversar.

Leia também

Notícias
20 de janeiro de 2022

Espécie de jararaca descoberta na Caatinga revela história evolutiva até então desconhecida

A descoberta da espécie B. jabrensis trouxe também uma revelação surpreendente: uma nova linhagem evolutiva, até então desconhecida pela ciência, dentro do gênero jararacas

Notícias
20 de janeiro de 2022

“Essa tese de que vamos abrir a cerca para o gado passar não será predominante no meu governo”, diz Lula

Em entrevista coletiva, pré-candidato do PT à presidência falou em meio ambiente urbano, pesticidas e defendeu o legado de construção de grandes hidrelétricas na Amazônia

Análises
20 de janeiro de 2022

Além do plantio: incluindo pessoas na restauração florestal

Mais importante do que “apenas” plantar árvores, é necessário conciliar a conservação ambiental com produção sustentável através da integração de paisagens e pessoas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Flávia diz:

    Excelente artigo.. bem mais aprofundado do que tenho visto em outros canais que tocam no assunto de restauração. Obrigada, Veronica.