Colunas

Gente com pata

Ser humano odeia quando cachorro se comporta como animal. Cria o bicho para ter um escravo afetivo. Esse relacionamento acabou gerando um grande negócio.

1 de setembro de 2004 · 17 anos atrás

Na recepção de um hotel da rede Best Western, numa pacata cidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, me deparei com uma plaquinha que dizia: “por favor, registre aqui, seu animal de estimação”. Ou seja, para que o cachorro possa circular pelos corredores do hotel, é preciso que o dono faça uma coleira de identificação, com o nome do bicho e o número do quarto.

Sim. Os cachorros são aceitos, aliás, muito bem aceitos. Se a grande maioria da população trata cachorro como gente, é natural que esta grande maioria procure hotéis, supermercados e restaurantes que tenham comprado essa idéia. Funciona como qualquer outro hábito de consumo. Enquanto os cachorros estiverem gerando despesas e movimentando o mercado, eles serão bem vindos Só nos Estados Unidos, 7 bilhões de dólares são gastos, por ano, na saúde dos animais domésticos. No Brasil, de acordo com dados do Sindicato Nacional das Indústrias de Alimentação Animal, de 1994 a 2004, o mercado de alimentos voltados para animais de estimação cresceu 690%.

Em matéria publicada na revista Super Interessante, especial Bichos 2, o químico e jornalista científico Stephen Budiansky, autor de The Truth About Dogs (“A verdade sobre os Cães”, ainda inédito no Brasil) dá algumas dicas sobre a “educação” de cachorros. Fazendo um comparativo entre um bebê e um filhote de cachorro, o americano diz que uma criança precisa de amor incondicional e não pode ser criada obedecendo a comandos. Mas, para um cão, isso só mostra qual é a hierarquia dele dentro da casa. “A sociedade deles é mais simples: uns mandam e outros obedecem. E, se deixarmos isso claro, eles vão fazer de tudo para nos agradar e ganhar um cafuné ou biscoito”.

Ou seja, se você tem um cão, você busca uma relação segura, consistente, sem surpresas desagradáveis. Na verdade, você anula o cachorro e faz dele uma extensão sua, um rabo que se abana. As relações humanas se tornaram competitivas, assustadoras e cheias de ciladas, o homem ficou amedrontado e resolveu estabelecer vínculos de afeto com animais não ambiciosos, que se satisfazem com aquilo que lhes é apresentado. Ficou mais fácil tratar bichos como pessoas e pessoas como bichos.

Para ter o cachorro abanando o rabo, seu dono faz o que for preciso. O bicho é como filho da casa e tem direito a tudo o que quiser, desde que não vire gente. Acredito que isso aconteça porque os bichinhos são mais facilmente adestrados, educados num regime de troca e condicionamento. A submissão do animal conforta seu dono. Todo e qualquer sentimento de liberdade está atrelado ao dono, que é o chefe da cadeia e enxerga a escravidão do cachorro como fidelidade absoluta.

Vontade própria é desacato a autoridade. Quando um ou outro mostra ou lembra que é cachorro e engole uma galinha, come um rato ou morde alguém, pelo motivo que for, é submetido a “torturinhas” chamadas de castigos ou adestramento, dependendo do grau de violência instintiva do animal e de seu dono.

Talvez eles tenham se acostumado com sua atual realidade e esquecido que são bichos. É natural que isso aconteça. Como não são mais estimulados a agir como cachorro, com o tempo, deixam de lado suas habilidades caninas. Depois de adotá-los, o homem afirma, se justificando, que o bicho morreria de fome se fosse passar uma temporada com um grupo de animais selvagens. É óbvio.

Mas, o importante é que eles não estão em extinção. Aliás, a superpopulação canina vem incomodando a sociedade, a mesma que nos últimos tempos, lutou para transformar cachorros em ursinhos de pelúcia e estimulou a produção de animais “transgênicos”.

Médicos veterinários afirmam que tanto no Brasil como em outros países mais desenvolvidos, existem pessoas que não assimilam o conceito da posse responsável de um animal.

Traduzindo: Posse responsável, além de bons tratos, significa controlar a reprodução dos bichos para evitar que cães mendigos circulem pelas ruas. O sistema é parecido com o que poderia ser imposto aos homens, já que assim como os cães, também tem muita gente dando cria sem controle.

Recentemente, o país das soluções apresentou uma novidade. A FDA, órgão do governo dos EUA que supervisiona alimentos e remédios, aprovou o Neutersol, uma alternativa à cirurgia de castração para filhotes de cachorro. O produto, injetado nos testículos do filhote na idade correta, produz atrofia dos testículos e da próstata.

A alternativa cirúrgica, remoção dos testículos, garante a esterilidade em 100% dos casos. Já o Neutersol, é menos eficiente: análises de sêmen mostraram uma esterilização química malsucedida em 224 cães testados. o novo método pode não eliminar os comportamentos do cão associados ao hormônio, como demarcação de território e agressividade. É importante ressaltar que o cão não precisa assinar nenhum documento para se submeter ao tratamento. Quem faz isso é a mamãe ou o papai, como se intitulam os donos do cachorro.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta