Colunas

Identidade secreta

Quem me conhece “executiva” se surpreende ao descobrir minha identidade secreta de “escaladora”, e vice-versa. Mas esporte radical não é sinônimo de loucura.

13 de maio de 2005 · 17 anos atrás

O ser humano é um animal engraçado. Vive em função de uma ilusão de normalidade, atendo-se ao processo definido pela maioria como o padrão mais adequado para ser seguido se você quiser, ao longo de sua vida, desfrutar de uma outra ilusão – a da felicidade garantida, segura e absoluta. Vivendo sob essa aura padronizada, ele não consegue se acostumar com a visão de outros seres da mesma espécie realizando atividades não-convencionais, arriscadas, imprevisíveis e, o pior, que trazem muita alegria aos seus executores, como os esportes de aventura. Filosófico isso, não? Mas esse não é o ponto em que quero chegar, afinal eu gosto mais de criticar do que de filosofar. A questão é que está na moda observar os loucos, diferentes e/ou desocupados, adjetivos que já ouvi e li inúmeras vezes, seja pela boca do povo, pela televisão ou pelos periódicos impressos (essa semana saiu uma revista analisando como os “loucos” são mais felizes). Divertida mesma é a inconformidade que surge quando é descoberta a identidade secreta desses seres alienados. São administradores, engenheiros, jornalistas, médicos, dentre outros profissionais, na maioria dos casos bem sucedidos, apaixonados pelo que fazem e realizados nessa dualidade de perfis tão absurda para o senso comum.

“Você só pode estar brincando!” – é a mesma afirmação que escuto em duas situações semelhantes. Em uma posso estar vestindo um terninho, óculos no rosto, tomando um café e discutindo algumas premissas abordadas na reunião que acabou há 10 minutos, com parceiros de negócios. Sempre aparece alguém para dizer “vocês sabiam que ela escala?” (aliás, é impressionante como esse tema aparece nos momentos mais non-sense neste tipo de encontro. Seria mais fácil assumir que não está mais afim de falar de trabalho e que quer mudar de assunto). Dou aquele sorriso amarelo e sem jeito de quem já sabe como será a conversa daí em diante e, depois de ter que mostrar a minha mão para provar a veracidade do fato, passo algum tempo explicando que é apenas uma atividade e que não há nada demais nisso. Já na outra situação ocorre o mesmo, porém de maneira menos intensa. Estou no final daquela via, com uma bermuda velha e uma camiseta desbotada, com o rosto vermelho porque esqueci de passar o protetor solar, sem óculos, pois ali eu utilizo muito mais do que apenas o sentido da visão para enxergar as coisas, com as mãos imundas, mas mesmo assim comendo aquele biscoito que no momento é o banquete tão desejado. Olho para o meu parceiro de escalada e comento como seria bom se eu pudesse ter mais um dia por semana para viver naquela outra realidade, um dia a mais em que eu não precisasse usar o meu modelito executiva e… – “Peraí! Você usa terno?” E lá vamos nós novamente…

Entretanto, é no meio dos seres humanos “normais” que as reações são mais latentes, afinal, entre os montanhistas, mal ou bem, é natural que todos imaginem que eu desenvolva alguma atividade profissional. Já no meio convencional eu tenho a personalidade assaltada no instante em que sou descoberta. Não sou mais a Ana Araujo, sou a Ana-que-escala. Lembro de um antigo diretor que, dependendo do público presente nas reuniões, me apresentava como Ana, a “escalatriz” (porque ele achava a palavra escaladora muito feia). Dá para imaginar o quão contente eu ficava, pois além de ser jovem e ser mulher, ainda tinha o estigma de “não-convencional” para superar durante o meu posicionamento profissional.

Antes de ser acusada de azeda, quero deixar claro que eu entendo perfeitamente a curiosidade inerente ao fato de conhecer uma pessoa que exerça uma atividade diferente. Eu mesma possuo uma curiosidade felina e sempre que tenho a oportunidade de conhecer alguém que pratique esportes como mergulho, pára-quedismo, kite surf ou o próprio surf, metralho a pessoa com os meus questionamentos, peço para contar histórias de grandes experiências e dos maiores “perrengues”, além de levantar todas as informações sobre os equipamentos necessários. Com um pouco de esforço, também entendo que, devido a uma questão cultural, os praticantes de atividades outdoor sempre foram vistos como um segmento de pessoas com perfil oposto ao dos profissionais do mercado. Difícil é compreender o por quê da distância que é imposta entre esses “mundos”. Creio que grande parte desse problema vem do termo “radical” – fulano é radical, beltrano pratica um esporte radical. Segundo o dicionário, radical pode significar um indivíduo defensor de reformas profundas e revoluções; arrojado, inovador, destemido; ou não convencional.

Analisando sob esse aspecto, admito que esses esportes podem ser caracterizados desta maneira. Mas convenhamos, também é radical trabalhar oito (rs…doze) horas por dia, correr atrás de auto-realização profissional, social e emocional (cada vez mais satisfeitas por falácias expositivas do que resultados efetivos), ser um bom pai/mãe/filho/esposa, pagar as contas, blindar o carro e consumir todas as inutilidades que encontrar pela frente para satisfazer a frustração dessa eterna busca do ideal. Destemido também é o indivíduo que faz tudo isso e não usufrui de uma realidade paralela, não pratica uma atividade que traga tranqüilidade, paz, ao mesmo tempo em que libera do stress e traz uma felicidade plena e simples, porém real e tangível. Mais arrojado ainda é acreditar que bicho-grilo consegue bancar uma atividade outdoor. A iniciação, a prática e a manutenção exigem investimentos financeiros relevantes. Além dos respectivos equipamentos serem caros, alguns esportes dependem do desembolso de mais dinheiro para praticá-los, como o pára-quedismo, onde o praticante precisa pagar o “frete” do avião para chegar no alto. Isso sem mencionar os casos de patrocínio, obviamente. Mas o percentual de patrocinados frente ao total de praticantes é pífio. O que quero dizer é, o abismo entre os mundos não é tão profundo quanto se imagina. É só uma questão de ponto de vista.

O número de praticantes de atividades outdoor aumenta exponencialmente. As pessoas estão ficando mais estressadas e vêm buscando e descobrindo os benefícios de extravasar a tensão usando a adrenalina e a endorfina como aliadas. De bônus, ainda tomam o gosto pelo auto-conhecimento, experimentam momentos de verdadeira paz, degustam os prazeres de voltar a ter contato com a natureza e curtem visuais indescritíveis. A tendência é cada vez mais encontrarmos profissionais bem sucedidos neste meio que, segundo os menos esclarecidos, é destinado para os loucos e irreverentes, e que não combina com pessoas mais centradas e objetivas. Podemos todos ser felizes, mas cada um na sua. Será?

Definitivamente, o ser humano está se tornando cada vez mais um animal muito engraçado.

Leia também

Notícias
17 de janeiro de 2022

Após por pessoas em risco, justiça proíbe “coach” de fazer atividades na natureza

A decisão judicial determina que Pablo Marçal, que protagonizou episódio de resgate no pico do Marins, não poderá fazer qualquer atividade na natureza sem autorização prévia

Notícias
17 de janeiro de 2022

Livro celebra cem anos da descrição da jararaca-ilhoa com alerta sobre conservação da serpente endêmica

Escrita em linguagem acessível para o público em geral, a publicação celebra os cem anos da descrição da jararaca-ilhoa, feita por por Afrânio do Amaral (1894-1982), à época diretor do Instituto Butantan

Notícias
17 de janeiro de 2022

Rondônia proíbe destruição de equipamentos durante fiscalização ambiental

Governador sanciona, com veto parcial, lei que proíbe que fiscais do estado inutilizem maquinário apreendido em ações de fiscalização ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta