Colunas

Papagaio da cara roxa, uma espécie resgatada

Esforço de instituições e reservas privadas com a gestão de unidades de conservação públicas salvou esta ave endêmica da Mata Atântica.

22 de dezembro de 2014 · 7 anos atrás
  • Maria Tereza Jorge Pádua

    Engenheira agrônoma, membro do Conselho da Associação O Eco, membro do Conselho da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Nat...

O papagaio-de-cara-roxa ([i]Amazonia brasiliensis[/i]): a prova de que esforços para a conservação compensam. Foto:
O papagaio-de-cara-roxa ([i]Amazonia brasiliensis[/i]): a prova de que esforços para a conservação compensam. Foto:

Que notícia excelente, o papagaio de cara roxa, Amazona brasiliensis, saiu da lista de espécies ameaçadas de extinção! Como tantos outros animais, ele estava nesta lista principalmente pela destruição de seus habitats em sua área de ocorrência e a retirada de filhotes para o tráfico de animais silvestres. Esta boa notícia contrasta com aquela outra, triste, que mostra que o número de animais ameaçados de extinção no Brasil aumentou 75% entre 2003 e 2014.

A destruição de habitats ou o desmatamento onde ocorre o guanandi, Calophyllum brasiliense — árvore por eles utilizada como dormitório e para fazer seus ninhos — foram os grandes responsáveis pelo seu quase desaparecimento no passado. Como acaba de ser demonstrado, o desmatamento da Mata Atlântica continua com muita intensidade, e alcançou 9% entre 2012-2013. De outra parte, até os dias de hoje, principalmente no estado de São Paulo, muita gente quer um papagaio desses para manter em casa, como animal de estimação. Por mais belos que sejam, esta prática condena espécies.

O papagaio de cara roxa é endêmico da mata atlântica, mas ocorre somente nos estados de São Paulo e Paraná. Ele mereceu o olhar cientifico e sério da ONG Sociedade de Pesquisa da Vida Selvagem (SPVS). Em 1998 começaram as pesquisas e o monitoramento. E em 2003 eles iniciaram a colocação de ninhos artificiais para facilitar a reprodução segura de filhotes. Ninhos feitos com madeira e PVC. De 872 ninhos, 520 tiveram sucesso.

Este trabalho por tantos anos está restrito principalmente ao estado do Paraná, mas, também, em menor escala, ao estado de São Paulo. A população atingiu 6.500 indivíduos e ocorre em uma área de quase 50 unidades de conservação decretadas ou reconhecidas, no caso de RPPNs. Por isso, os fazedores da lista vermelha de espécies ameaçadas já não os veem como ameaçados. Alguns cientistas duvidam de que o resultado seja duradouro. Entretanto, o logro é alentador, embora seja fato que a espécie não voltará a ter o status anterior.

O sucesso se deve ao esforço duro de instituições e pessoas. Cabe ressaltar que nunca teria ocorrido sem o prévio estabelecimento de numerosas unidades de conservação na região, ou seja, nas costas do Paraná e São Paulo, principalmente as insulares, como o Parque Nacional do Superagui, a Ilha do Mel e do Pinheiro, a Estação Ecológica de Guaraqueçaba, o Parque Estadual da Ilha do Cardoso e a APA de Guaraqueçaba. Isso é mérito do governo federal e em especial do estadual. Assim mesmo, é preciso destacar o esforço dos particulares em criar RPPNs, que estão fazendo um papel importante como corredores entre as áreas protegidas públicas.

Os governos estaduais e o federal também colaboraram facilitando o esforço de entidades privadas, como a mencionada SPVS e das que financiaram essas pesquisas e operações de resgate da população, principalmente a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, a Loro Parque e o FUNBIO. Para os financiadores, o que se quer é isto: salvar as espécies que pretendem ajudar. Se não, porque financiar? E, às vezes, fazem isso por décadas.

O sucesso se deve assim mesmo ao esforço e sacrifício de muitas pessoas, dentre elas, a seriedade e o comprometimento de Guadalupe Vivekananda, diretora do Parque Nacional de Superaguì, para quem a defesa do papagaio é uma parte da sua luta incansável para conservar o Parque. E, como sempre, o êxito também se deve aos guarda-parques, aos trabalhadores e à crescente participação e consciência ambiental de muitos – embora ainda não de todos os vizinhos das áreas protegidas onde o papagaio vive.

Viva! Salvou-se uma das 700 espécies de aves da região. Com tantas notícias tristes na área ambiental, este sucesso nos anima, nos faz sonhar com um futuro mais bonito.

 

 

Leia também
De olho no ameaçado papagaio-de-cara-roxa
Mesmo ameaçado, população do papagaio-de-cara-roxa resiste
Contando a população do ameaçado papagaio-de-cara-roxa

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta