Colunas

Agir é urgente e o tempo não está a nosso favor

Já se foi metade da COP26 e o ritmo lento é inimigo do avanço da agenda climática – uma análise da primeira semana da Conferência do Clima

8 de novembro de 2021
  • Engajamundo

    Acreditamos que se mudarmos a nós mesmos, o nosso entorno e nos engajarmos politicamente, podemos transformar as nossas realidades

  • Giselli Cavalcanti

    Ativista climática, psicóloga ambiental e mobilizadora de campanhas na defesa de causas socioambientais.

A COP26 – vigésima sexta Conferência de Clima da ONU – acontece há mais de uma semana. Já se passaram mais de oito dias desde que chefes de estado, negociadores e representantes da sociedade civil de mais de 190 países chegaram a Glasgow, na Escócia, para o que deveria ser um momento decisivo para o avanço da agenda climática internacional.

Depois de mais de um ano de adiamento e de inércia na agenda climática, pelo cenário da pandemia da COVID-19, a COP26 estava rodeada de sentimentos mistos: por um lado os chamados urgentes para a ação reforçados pelo último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) trazia o receio de que esta poderia ser mais uma COP fadada ao fracasso de não dar conta dos encaminhamentos necessários para enfrentar a crise climática; por outro, para muitos esta tinha tudo para ser a COP das juventudes e dos povos indígenas. Pelo menos em relação a esta última parte, a expectativa parece estar, parcialmente, se cumprindo, visto que muitos indígenas e jovens brasileiros estão ganhando destaque na Conferência.

A participação da jovem ativista indígena Txai Suruí foi um ponto de partida simbólico de que este caminho estava sendo bem construído para os dias seguintes. Na linha do que já vinha sendo construído nos meses que antecederam a Conferência, fortaleceu-se a onda crescente de demandas das juventudes globais por justiça climática e para que as negociações levassem em consideração, de forma central, as pessoas e as desigualdades sociais criadas e/ou impulsionadas pela Crise Climática. Do Brasil, a COP26 recebe mais de 80 jovens vindos de diferentes organizações, regiões e trazendo diversas pautas para serem incluídas na agenda climática – dentre eles, chama a atenção, de forma positiva e gratificante, a forte representação de juventudes indígenas, periféricas e jovens negros, uma representação necessária e que, há muito tempo, já devia ser parte presente e corriqueira de espaços como este.

E não para por aí: a presença das juventudes fica também evidente fora dos setores da COP26. Nos dias 05 e 06 de novembro, as ruas de Glasgow foram tomadas por mais de 100 mil pessoas, especialmente jovens de vários países, clamando por justiça climática e cobrando o que já deveria ser clichê: não temos mais tempo para inércia, para pouca ambição e para acordos vazios, agir é urgente e o tempo não está a nosso favor. Do lado de dentro do espaço oficial da COP, entretanto, os lugares destinados às juventudes (e a sociedade civil no geral), na prática são separados por barreiras físicas e simbólicas que impedem uma relação mais próxima com os negociadores e, por consequência, uma incidência direta no curso das negociações.

Com metade da COP26 ainda à frente, muitas são as inquietações do que poderia (e deveria) ser feito para que consigamos os avanços concretos e necessários para barrar a crise climática. Por isso, as juventudes, a sociedade civil e os povos indígenas seguem, nos dias que virão, engajados para criar soluções acessíveis, democráticas e que coloquem as pessoas no centro do debate. Resta esperar para ver o quanto os negociadores e chefes de estado vão a favor ou contra este caminho.

As opiniões e informações publicadas nas sessões de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

Leia também

Colunas
1 de novembro de 2021

“Não temos mais tempo” é o recado de Txai Paiter Suruí na abertura da COP-26

Jovem indígena foi a única brasileira a discursar no palco principal da Conferência do Clima nesta segunda-feira (01). “A Terra está falando. Ela nos diz que não temos mais tempo”, disse

Notícias
6 de novembro de 2021

Boletim: em meio à hostilização de Txai Suruí por discurso, Brasil recebe antiprêmio na COP 26

A jovem indígena, que discursou na Cúpula dos Líderes, foi criticada por Bolsonaro e virou alvo de discurso de ódio nas redes. Em entrevista, Txai Suruí fala sobre ameaças e "projeto de morte" do Brasil

Notícias
5 de novembro de 2021

Boletim: “Não é segredo que a COP 26 é um fracasso”, diz Greta Thunberg

Protesto da juventude levou milhares às ruas, em Glasgow, na Escócia. Brasileiros denunciaram o racismo nas discussões climáticas e pediram por demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Augusto diz:

    Excelente matéria . O Brasil,carente de um governo sério e competente,poderia copiar o modelo da ilha Reunião !