Fotografia

Serra Dourada

Parque criado para proteger o Cerrado que ainda existe na região da Cidade de Goiás é uma jóia que revela diferentes fisionomias do bioma.

Flávio Isaac ·
18 de junho de 2010 · 12 anos atrás
height=”500

Flávio Isaac é fotógrafo profissional em Goiás. Já trabalhou com publicidade, eventos e projetos culturais, mas também gosta de clicar a natureza. As fotos que compõem esta matéria farão parte de um material para divulgação internacional do turismo no estado. Natural de Goiânia, Isaac dedica-se à fotografia há cerca de 10 anos.

No dia 5 de junho de 2003 o governo de Goiás publicou o decreto de criação do Parque Estadual Serra Dourada.  Situado no platô de mesmo nome, entre os municípios de Mossâmedes, Goiás Velho e Buriti de Goiás, a unidade tem 30 mil hectares e foi criada para preservar o pouco de Cerrado que ainda existe na região.

Um passeio pelo parque, que abriga vários tipos de formações vegetais, pode levar várias horas. No pé da serra, a vegetação que se sobressai é a floresta de galerias, que margeiam um curso d´água, local de solo rico em matéria orgânica e de ocorrência de várias espécies de animais.

À medida que subimos a Serra, a vegetação se modifica. O segundo cenário avistado é o Cerradão, caracterizado por árvores de até sete metros de altura, com troncos menos tortuosos, como o pequizeiro, fruto típico da região, muito apreciado na culinária local. Ao longo do percurso, o Cerradão vai se rareando, dando espaço para as espécies do chamado Cerrado estricto sensu.

Solo arenoso, vegetação rasteira, muitos arbustos e afloramentos de rochas formam o campo sujo e preparam a próxima formação, o Cerrado rupestre, tipo de vegetação que se desenvolve acima de 900 metros de altura. Ali, a ação da chuva e do vento deu o formato às rochas, que parecem colocadas umas sobre as outras.

A mais de mil metros de altura, já no final do passeio, têm-se um belíssimo vale de areia, com rochas de variadas tonalidades. Além da beleza natural, o vale é conhecido por fornecer matéria-prima para artista locais, que usam essas rochas coloridas trituradas para o artesanato.

Leia também

Notícias
20 de janeiro de 2022

Espécie de jararaca descoberta na Caatinga revela história evolutiva até então desconhecida

A descoberta da espécie B. jabrensis trouxe também uma revelação surpreendente: uma nova linhagem evolutiva, até então desconhecida pela ciência, dentro do gênero jararacas

Notícias
20 de janeiro de 2022

“Essa tese de que vamos abrir a cerca para o gado passar não será predominante no meu governo”, diz Lula

Em entrevista coletiva, pré-candidato do PT à presidência falou em meio ambiente urbano, pesticidas e defendeu o legado de construção de grandes hidrelétricas na Amazônia

Análises
20 de janeiro de 2022

Além do plantio: incluindo pessoas na restauração florestal

Mais importante do que “apenas” plantar árvores, é necessário conciliar a conservação ambiental com produção sustentável através da integração de paisagens e pessoas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Flávia diz:

    Excelente artigo.. bem mais aprofundado do que tenho visto em outros canais que tocam no assunto de restauração. Obrigada, Veronica.