Notícias

Portland, cidade do muro verde

Os EUA é um país admirável em muitos aspectos, com uma exceção gritante: os subúrbios. Esses bairros são exemplo de como a busca por conforto pode tornar a vida árida. 

Redação ((o))eco ·
18 de outubro de 2009 · 12 anos atrás

Eduardo Pegurier

Vivi quatro anos nos EUA, país que admiro em muitos aspectos, com uma exceção gritante: a vida nos subúrbios, destino da maioria da classe média americana através do país. Esses bairros são exemplo de como a busca por conforto pode tornar a vida árida. Quem duvidar, dê um pulo na locadora e veja o filme Beleza Americana. Ele explicará o meu ponto de vista.

Os EUA, como nenhum outro lugar, sofre do chamado urban sprawl: o avanço da área urbana sobre as áreas rurais ou intocadas em torno da cidade. Por que o fenômeno é tão radical por lá? Não tenho uma resposta completa, mas algumas dicas. O carro e a gasolina baratos são os principais suspeitos. Outra causa são os impostos. Em geral ao se mudar da área central muda-se também de município. E os municípios menores costumam ter impostos mais baixos. No caso de Washington D.C., o distrito federal, a mudança não é só de município, é de estado. Até comida tem impostos mais baixos na Virginia em comparação à capital.

Morar no subúrbio é uma forma de pegar carona nos benefícios da cidade sem ter que pagar o preço. A densidade urbana de uma cidade média ou grande é o que sustenta uma economia geradora de muitos empregos e de serviços variados, incluindo aí restaurantes, bares, cinemas, teatros, shows, etc. O problema é que do ponto de vista do indivíduo é muito melhor usufruir dessas vantagens junto com aquelas de morar no subúrbio. Não há razão para habitar uma residência urbana apertada se você pode morar numa espaçosa casa e dirigir para o emprego ou as atrações urbanas. Mas o resultado final é triste. Se boa parte das pessoas deixa o centro urbano, a sua base de impostos diminui e, em seguida, ele decai. Do outro lado, o campo é invadido por casas e prédios baixos homogêneos num avanço inclemente do conforto medíocre.

Portland, maior cidade do Oregon, está tentando escapar dessa maldição. Desde 1973, o estado e a cidade vêm implementando políticas de green belt. Ou seja, criar uma linha que restringe o avanço da cidade sobre o campo. Os resultados até agora são mistos. A área central de Portland é mais densa do que a maioria das outras cidades americanas. Também foi considerada pela revista Grist como a cidade mais verde dos Eua e a segunda do mundo, perdendo apenas para a capital da Islândia Reykjavik. Aliás, nessa lista, o terceiro lugar ficou com a nossa Curitiba.

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta