Notícias

Novo relatório do Código mantém anistia

Texto não agrada a ambientalistas. Senador Luiz Henrique da Silveira mantém a anistia aos desmatadores, mas propõe mecanismo de pagamento por serviços ambientais.

Daniele Bragança ·
31 de outubro de 2011 · 10 anos atrás
Senador Luiz Henrique lê seu parecer nas Comissões de Agricultura e Ciência e Tecnologia
Senador Luiz Henrique lê seu parecer nas Comissões de Agricultura e Ciência e Tecnologia
O relatório do senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC) sobre o Código Florestal que foi apresentado na terça passada (dia 25), nas Comissões de Agricultura (CRA) e Ciência e Tecnologia (CCT) pouco difere do texto aprovado na Câmara dos Deputados, afirmam ambientalistas entrevistados por ((o))eco.

Foi mantida a regularização de atividades agropecuárias consolidadas em Áreas de Preservação Permanente (APPs) e em áreas de reserva legal, o que na prática anistia produtores que cometeram irregularidades até 22 de julho de 2008. Ao todo, o texto tem 72 artigos.

As principais mudanças feitas no texto que veio da Câmara foram: a introdução de um capítulo específico sobre pagamentos por serviços ambientais como medida para conter o desmatamento; e a determinação de que, em caso de áreas flagradas com desmatamento ilegal, o órgão ambiental competente deverá embargar a área. No primeiro parecer do relatório o embargo era apenas uma opção.

Outra novidade foi a incorporação dos manguezais como área de proteção permanente (APP), que havia sido subtraído do relatório vindo da Câmara.

O projeto ficará a disposição dos senadores para apresentação de emendas até amanhã, dia 1º de novembro. O texto será votado no dia 8 nas duas comissões (Agricultura e Ciência e Tecnologia). Na sequência, segue para apreciação na Comissão de Meio Ambiente (CMA) e depois, vai a Plenário.

CCJ aprova relatório de Luiz Henrique sobre Código

Primeiro relatório do Código aprofunda erros de Aldo

Nesta segunda-feira a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) realiza audiência pública para discutir o novo Código Florestal.

Participarão do debate o Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, de povos indígenas e de quilombolas, além de especialistas no assunto. A audiência intitulada “A reforma do Código Florestal na visão dos Direitos Humanos” foi proposta pelo senador Paulo Paim, e serão feitas propostas de alterações no relatório do senador Luiz Henrique (PMDB-SC), apresentado esta semana.

Para o Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável, o relatório de Luiz Henrique ainda contém 19 graves erros que precisam ser corrigidos.

Saiba mais
Clique aqui para ler na integra o relatório apresentado conjuntamente nas comissões de Agricultura (CRA) e de Ciência e Tecnologia (CCT). 

Quem tem medo do Código Florestal?

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta