Notícias

Urbanização até 2030 prejudicará 200 espécies ameaçadas

Projeção de novo estudo diz que áreas urbanizadas crescerão quase três vezes, multiplicaram produção de carbono e reduzirão biodiversidade.

Vandré Fonseca ·
20 de setembro de 2012 · 9 anos atrás
Chongqing, na China, é uma das cidades que mais cresce no mundo. Foto: Harvey Barrison
Chongqing, na China, é uma das cidades que mais cresce no mundo. Foto: Harvey Barrison

Manaus, AM –  Até 2030, investimentos em infraestrutura, como estradas e pontes, devem acelerar a urbanização em todo o mundo, causando grandes impactos sobre a biodiversidade e aumento da emissão de gases de efeito estufa. O alerta está sendo feito por pesquisadores de três universidades americanas: Yale, Texas A&M e Boston. Eles publicaram esta semana um artigo com a projeção e os impactos do crescimento das cidades para as próximas duas décadas, na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Segundo a projeção dos pesquisadores, existe uma grande possibilidade (mais de 75% de chances) de 1,2 milhões de quilômetros quadrados de área serem urbanizadas nos próximos 18 anos. Isso significa que as cidades podem crescer 185%, entre os anos 2000 e 2030.

Para a Mata Atlântica, um dos biomas do planeta mais afetados pelas cidades, a previsão é a urbanização crescer 160% nas primeiras três décadas do século.

Um dos resultados dessa expansão é um risco ainda maior para animais já ameaçados . A pesquisa levou em conta espécies encontradas nos sites da Aliança para a Extinção Zero, que indica áreas onde existem animais em perigo de serem extintos. Segundo o estudo, pelo menos 1 em 4 espécies encontrados nessas áreas podem ser afetadas pela urbanização, se medidas sustentáveis não forem adotadas.

No total, são 205 espécies sob risco: 139 anfíbios, 41 mamíferos e 25 pássaros, hoje, considerados Criticamente Ameaçados ou Ameaçados na Lista Vermelha da União Internacional de Conservação da Natureza (IUCN, em inglês). Só no continente americano, 134 espécies de animais ameaçados devem ser afetados pela urbanização.

Ainda segundo o estudo, a urbanização de novas áreas deve emitir o equivalente a 5% das emissões de carbono provocadas pelo desmatamento e mudanças no uso do solo. Atualmente, a derrubada e a degradação de florestas correspondem entre 6% e 17% das emissões de carbono antropogênicas.

A urbanização, de acordo com os pesquisadores, ainda é uma questão local, mas as análises que eles fizeram demonstram que ela causa impactos globais sobre a biodiversidade e emissão de carbono. “’Temos de reconsiderar a política de conservação e o que se considera uma cidade sustentável”, diz Burak Güneralp, um dos autores e professor assistente na Universidade Texas A&M. Ele acredita que prefeitos e administradores precisam considerar como a expansão urbana vai afetar outras espécies e o valor destas espécies para a atual e para as futuras gerações de seres humanos.

“O mundo experimentará uma expansão urbana pela construção de cidades sem precedentes nas próximas duas décadas”, afirma Karen Seto, da Universidade de Yale e autora principal do estudo. “As mudanças ambientais e sociais associadas a ela serão enormes, mas ainda temos oportunidades”, completa. Para os pesquisadores, é preciso adotar práticas sustentáveis, como redução de gastos de energia e capacidade de enfrentar situações imprevistas, no planejamento das cidades.


Saiba mais

Nome do estudo: Global forecasts of urban expansion to 2030 and direct impacts on biodiversity and carbon pools (algo como “Projeções globais de expansão urbana até 2030 e seus impactos diretos sobre a biodiversidade e carbono”). Autores: Karen C. Setoa,Burak Güneralpa e Lucy R. Hutyrac

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Notícias
1 de dezembro de 2021

Amazônia acumula 73 mil focos de incêndio em 2021, segundo dados do INPE

Há menos de uma semana, Bolsonaro voltou a afirmar que “floresta úmida não pega fogo”. Número de queimadas no Pampa segue em alta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta