Notícias

Toronto, Canadá: correndo atrás do caminhão de lixo

Aqui, o lixo é recolhido uma vez por semana, e é melhor correr para não perder a oportunidade de ver com é que se trata reciclagem a sério.

Eduardo Pegurier ·
24 de janeiro de 2013 · 9 anos atrás
O gari canadense tem alta produtividade: dirige o caminhão e recolhe o lixo. Fotos: Eduardo Pegurier
O gari canadense tem alta produtividade: dirige o caminhão e recolhe o lixo. Fotos: Eduardo Pegurier

Em Burlington, uma pequena cidade vizinha a Toronto, Canadá, estou hospedado na casa de um grande amigo. Era cerca de 13h30, acabávamos de almoçar e conversávamos animadamente, inclusive sobre os serviços de coleta seletiva local. Por coincidência, passava o caminhão de lixo, o que pensava ser um serviço diário. “Ele agora só volta semana que vem”, disse Gabriel, meu anfitrião. Percebi que aquela seria a única chance de ver o caminhão operando e corri em busca da câmera.

Aqui o lixo doméstico é dividido entre orgânico, reciclável e comum. No Brasil, Gabriel morava em Poços de Calda (MG), onde já tinha o hábito de separar os recicláveis em um container separado. Embora em Poços não houvesse coleta seletiva, os próprios lixeiros separavam e vendiam os recicláveis. Meu amigo fazia a sua parte para ajudar.

Aqui, algo semelhante acontece. Mas em vez do improviso interessado por parte dos garis locais, existe uma máquina que separa automaticamente os recicláveis. Dessa forma, não é mais preciso colocar papel, metal, plástico e vidro em containers distintos.

A outra diferença é que todo lixo orgânico é recolhido em sacolas biodegradáveis e vira adubo. Por fim, desde 2010, várias cidades, inclusive Toronto, têm programas em que os caminhões de lixo usam gás produzido pelos próprios resíduos que retiram. Bacana.

Encontrei a câmera. Aqui, estamos em pleno inverno com temperaturas quase sempre abaixo de zero. Mas a boa calefação me permitia, dentro da casa, estar vestido apenas com uma camisa de flanela, bermuda e… havaianas.

Com essa indumentária, abri a porta e, num frio de 4 graus abaixo de zero procurei o caminhão. Ele já estava duas casas à frente. Dada a distância e a temperatura, saí trotando atrás dele, câmera na mão, vendo ao longe a movimentação do gari. Pensei: — esse cara vai achar que sou louco.

Ao me aproximar, a primeira providência foi explicar que era brasileiro, que escrevia sobre temas ambientais e estava interessado na tecnologia de recolhimento do lixo em Toronto. Brad, o gari do dia, foi tão simpático quanto sincero. Olhou-me de cima a baixo, ou melhor, de cima até os pés de havaianas, e disse confirmando minha previsão: — Eu pensei que você era louco.

Contive o riso. Equívoco desfeito, ele me mostrou como operava. Na lateral do caminhão Brad despeja o conteúdo das caixas deixadas pelos moradores. Há um lugar para o lixo orgânico e outro para os recicláveis, os quais só serão separados pela máquina do depósito. Quando a lateral fixa cheia, ele aciona um motor que faz com que ela suba, basculhe e despeje todo o lixo na caçamba principal do caminhão. Para movê-lo até a próxima casa, ele não precisa sentar no lugar do motorista (Brad também dirige o caminhão). De pé em uma das portas, ele tem controles que permitem mover o veículo á frente. Prático para quem faz tudo sozinho.

Fiz um pequeno filme (acima) do caminhão basculhando. Perfeito o sistema não é. Caíram umas latinhas… Poderia ter filmado mais alguns segundos, porém comecei a congelar. Agradeci a aula e me despedi de Brad tão abruptamente quanto surgi. De novo, voltei trotando para casa.

Nem é preciso dizer que a história rendeu boas gargalhadas.

Cada morador recebe uma cartilha ensinando como separar o lixo e com o cronograma de retirada.
Cada morador recebe uma cartilha ensinando como separar o lixo e com o cronograma de retirada.
O lixo orgânico vai numa sacola própria e degradável.
O lixo orgânico vai numa sacola própria e degradável.
Fazia -4 C e o caminhão já estava algumas casas à frente.
Fazia -4 C e o caminhão já estava algumas casas à frente.
Os moradores separam o lixo em caixas de acordo com o tipo.
Os moradores separam o lixo em caixas de acordo com o tipo.
O conteúdo das caixas é colocado em compartimentos laterais no caminhão.
O conteúdo das caixas é colocado em compartimentos laterais no caminhão.
Cada tipo de resíduo tem seu compartimento próprio.
Cada tipo de resíduo tem seu compartimento próprio.
Um dos compartimentos é para o lixo orgânico.
Um dos compartimentos é para o lixo orgânico.
Esse é o compartimento para recicláveis.
Esse é o compartimento para recicláveis.
Ele pode mover o caminhão uma casa à frente a partir de um estribo/controle na porta da cabine.
Ele pode mover o caminhão uma casa à frente a partir de um estribo/controle na porta da cabine.
Agora só semana que vem. A periodicidade do caminhão é semanal.
Agora só semana que vem. A periodicidade do caminhão é semanal.

  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta