Notícias

Cadê o peixe que estava aqui? A China levou.

Estimativa de universidade indica que quantidade de pescado capturada por barcos chineses é 12 vezes maior do que o declarado para a FAO.

Vandré Fonseca ·
5 de abril de 2013 · 9 anos atrás
Peixes expostos num mercado em Hong Kong, China. Foto: Richard Allaway / Flickr
Peixes expostos num mercado em Hong Kong, China. Foto: Richard Allaway / Flickr

Manaus, AM − O apetite da China por peixes é bem maior do que o declarado às autoridades internacionais, revela uma estimativa publicada pela Universidade da Columbia Britânica, no Canadá. Barcos chineses estariam capturando 4,6 milhões de toneladas de pescado em águas de pelo menos 90 países. A quantidade é 12 vezes maior do que o declarado pelo país oriental à Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), 368 mil toneladas

A quantidade capturada equivale a US$ 11,5 bilhões (ou R$ 23 bilhões). O estudo foi publicado na revista científica Fish and Fisheries. A maior parte deste pescado, 3,1 milhões de toneladas, sai de águas da África, continente que sofre com a miséria e a fome. Das Américas Central e do Sul, os chineses levam 182 mil toneladas de peixes todos os anos.

A China é o maior exportador de pescado do mundo, segundo dados da FAO. O país é também um dos maiores consumidores per capita de peixes, que representam uma parcela significativa das proteínas de origem animal consumidas pela população. De acordo com dados oficiais, mais da metade do consumo e exportações de pescado da China são provenientes de criatórios. Mas estes números podem estar incorretos, de acordo com os dados apresentados pelos pesquisadores do Canadá.

Para chegar a um valor mais próximo da realidade do que o divulgado por Pequim, a equipe formada por 20 pesquisadores utilizaram um novo método. Por meio da análise de artigos acadêmicos e notícias e consultas a especialistas, foi possível estimar o número e os tipos de embarcações de pesca chinesas que viajam a outros países. As informações foram comparadas, então, com dados publicados sobre a capacidade de cada tipo de embarcação.

Apesar de não ser preciso, o método oferece informações cruciais que não aparecem nos relatórios oficiais. Em breve, ele será usado para calcular a quantidade de peixes capturada por outros países, como a Espanha. Informações sobre a captura em águas estrangeiras são importantes para o gerenciamento e manejo da pesca, principalmente em países em desenvolvimento, conforme afirmam os responsáveis pelo estudo.

Para o pesquisador Dirk Zeller, um dos autores, apesar de não relatada, a pesca realizada pelos chineses não é necessariamente ilegal. “Podem existir acordos entre esses países e a China que permitem a pesca”, afirma. “Mas nós simplesmente não sabemos porque esta informação não está disponível”.

Daniel Pauly, lider das pesquisas do projeto Sea Around Us, da universidade canadense, destaca a necessidade de se conhecer a quantidade de peixes capturados nos oceanos para saber se será possível manter a pesca no futuro. “Os países precisam perceber a importância da precisão nos registros e na comunicação de suas capturas e assumir a responsabilidade por elas ou não haverá peixes para nossos filhos”, afirma Pauly.

Leia também

Notícias
1 de dezembro de 2021

Amazônia acumula 73 mil focos de incêndio em 2021, segundo dados do INPE

Há menos de uma semana, Bolsonaro voltou a afirmar que “floresta úmida não pega fogo”. Número de queimadas no Pampa segue em alta

Notícias
1 de dezembro de 2021

Audiência Pública discute projeto de lei que quer municipalizar áreas de preservação em Angra dos Reis

Projeto que altera gestão da APA Tamoios é da deputada Célia Jordão, esposa do prefeito de Angra. Cerca de 40 organizações se manifestaram contrárias ao PL

Reportagens
30 de novembro de 2021

Há 8 anos na Câmara, projeto que cria uma lei para o mar ainda não tem votação à vista

Série de reportagens investiga motivos da longa tramitação do projeto de lei que institui a Política Nacional para Conservação e o Uso Sustentável do Bioma Marinho Brasileiro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta