Notícias

Um gato do mato com pedigree real

O gato-maracajá, homenageado desta semana em ((o))eco, é o parente da jaguatirica com nome de realeza europeia. Foto: Brian Gratwicke

Redação ((o))eco ·
7 de junho de 2013 · 8 anos atrás

[i]Leopardus wiedii[/i]. Foto: Brian Gratwick
[i]Leopardus wiedii[/i]. Foto: Brian Gratwick

No início do século XIX, o príncipe Maximilian Alexander Philipp zu Wied-Neuwied, notório explorador, etnólogo e naturalista alemão, esteve no Brasil entre 1815 e 1817, para estudar a flora, a fauna e as populações indígenas locais. O resultado de sua pesquisa foi a obra Viagem ao Brasil com detalhadas descrições sobre suas observações. Em sua homenagem, o naturalista e compatriota Heinrich Rudolf Schinz nomeou um felino pintado de pequeno porte que vive nas florestas tropicais com seu nome: Leopardus wiedii, conhecido por nós como o gato-maracajá (também Gato-peludo ou Maracajá-peludo).

O gato-maracajá é encontrado do sul do México, na América Central e norte da América do Sul a leste dos Andes. No Brasil, são encontrados em florestas densas, como a floresta tropical e a floresta de altitude, nas regiões da Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal.

Do mesmo gênero Leopardus que a jaguatirica, o gato-maracajá tem aparência muito semelhante àquele animal, no entanto, sua cabeça é um pouco menor, os olhos maiores, e a cauda e as pernas mais longas. É um felino de pequeno porte, com peso médio de 3,4 kg, comprimento do corpo de 53,6 cm e uma cauda longa, com média de 37,6 cm.

Exímio escalador de árvores, o Leopardus wiedii também tem uma habilidade pouco comum aos felinos: suas patas traseiras têm articulações flexíveis que permitem uma rotação de até 180º, o que lhe dá habilidade de descer de uma árvore de cabeça para baixo, como os esquilos. A destreza com as patas e a cauda longa lhe conferem uma excepcional adaptação à vida arbórea, onde passam a maior parte do tempo.

O período de gestação de 81 a 84 dias produz apenas um filhote. Capaz de viver por 13 anos (20, se mantidos em cativeiro), a espécie tem hábitos essencialmente noturnos e predominantemente solitários. Carnívoros, comem uma grande variedade de presas de vertebrados (mamíferos, aves, répteis e anfíbios), com preferência para pequenos roedores arborícolas e pequenas aves.

A destruição das florestas é a principal ameaça para essa espécie, seguido do tráfico ilegal. Somado a isto, está o pouco conhecimento sobre a biologia da espécie, que limita a possibilidade de estratégias de conservação eficazes. É classificado pela IUCN (União Internacional para Conservação da Natureza) como espécie “Quase ameaçada” e pelo ICMBio, como Vulnerável.

 

 

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta