Notícias

Projeto polêmico de mina de ouro chilena-argentina é suspenso

Empresa afirma que decisão obedece a fatores econômicos, enquanto ambientalistas chilenos creditam a guinada a exigências socioambientais.

Giovanny Vera ·
7 de novembro de 2013 · 9 anos atrás

A Pascua-Lama é a primeira mina binacional do mundo, e tem uma reserva de cerca de 560 mil toneladas de ouro. Crédito: Google Earth
A Pascua-Lama é a primeira mina binacional do mundo, e tem uma reserva de cerca de 560 mil toneladas de ouro. Crédito: Google Earth

Na sexta feira passada (31 de outubro), a empresa mineradora canadense Barrick, anunciou a suspensão indefinida, por fatores econômicos, da construção do projeto de exploração de ouro Pascua-Lama, na fronteira entre o Chile e a Argentina. A área é uma das maiores jazidas de ouro e prata do mundo, com cerca de 18 milhões de onças de ouro (cerca de 529,3 toneladas), com uma vida útil de 25 anos.

Pascua-Lama está rodeada de glaciares, como o Estrecho, Guanaco, Amarillo, Los Amarillos e Canito, além de massas de gelo de menor tamanho, como o Toro 1, Toro 2 e Esperança. A Barrick é acusada por comunidades locais de afetar e prejudicar os glaciares e contaminar os recursos hídricos da região, e um tribunal da província de Copiapó, no mês de abril, determinou a paralisação da construção do projeto até que sejam adotadas as medidas contempladas na Resolução de Qualificação Ambiental, uma licença ambiental no Chile.

“Determinamos que o rumo prudente -nesta fase- é o de suspender o projeto, mas naturalmente nós vamos manter a nossa opção de retomar a construção e terminar o projeto quando as melhorias para os seus desafios atuais sejam atingidas” disse Jamie Sokalsky, CEO da mineradora Barrick. Pascua-Lama, de acordo com a mineradora, é o primeiro projeto de mineração binacional do mundo, com uma mina a céu aberto compartilhada entre a Argentina e o Chile, a mais de 4 mil metros de altitude.

Para ambientalistas chilenos, a paralisação do projeto não ocorreu apenas por fatores econômicos, mas também pela questão ambiental, como a exigência do cumprimento de normas ambientais do país e o respeito às comunidades locais.

No entanto, Eduardo Flores, vice-presidente da Pascua-Lama, afirmou que “é uma decisão econômica. O preço dos metais caiu bastante comparado com anos anteriores, mais de 30%, e isso afeta muito os resultados de um projeto deste tipo”. E acrescentou que as atividades estarão suspensas até que “sejam resolvidas as situações legais e as situações de licenças”.

Até agora, a Barrick teria investido quase US$ 5 bilhões no projeto Pascua-Lama. O valor do projeto aumentou 9 vezes ao longo de 13 anos. Em 2000, custava 950 milhões de dólares e hoje estima-se que vá custa 8,5 bilhões de dólares.

 

 

Saiba mais
Relatório do 3o trimestre 2013 – Barrick

Leia também
As cicatrizes do planeta vistas do espaço
Porque o mercúrio é usado na mineração de ouro
Balança do ouro pesa contra a floresta em Madre de Dios
Guiana Francesa sofre com mineração ilegal de ouro

 

 

 

  • Giovanny Vera

    Giovanny Vera é apaixonado pela área socioambiental. Especializado em geojornalismo e jornalismo de dados, relata sobre a Pan-Amazônia.

Leia também

Reportagens
27 de maio de 2022

Um caminho (e um sonho) para unir a América

A construção de uma trilha pan-americana que conecte caminhos do Alasca à Patagônia parece um sonho distante, mas já há sonhadores dispostos a montar esse quebra-cabeça

Notícias
27 de maio de 2022

São Paulo registra duas décadas de poluição do ar acima do recomendado pela OMS

Em alguns pontos da cidade, concentração de poluentes foi quatro vezes maior do que o indicado, mostra estudo. Poluição mata 7 milhões de pessoas por ano no mundo

Notícias
26 de maio de 2022

Conexão de trilhas e pessoas embala 1º Congresso Brasileiro de Trilhas

Evento que começou nesta quarta (25) e se estende até domingo, em Goiânia, conta com mais de 1.500 inscritos para discutir e fomentar a implementação de trilhas no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta