Notícias

Justiça suspende linha de transmissão entre Amazonas e Roraima

Ministério Público Federal argumenta que índios afetados pela construção de linha de transmissão não foram consultados.

Vandré Fonseca ·
5 de dezembro de 2013 · 8 anos atrás
Linhão do Tucuruí. Fotos: Ana Blanc/Ascom/Ibama
Linhão do Tucuruí. Fotos: Ana Blanc/Ascom/Ibama

Manaus, AM — A implantação da linha de transmissão de energia entre Manaus e Boa Vista, com 315 quilômetros de extensão, está suspensa, por decisão da Justiça Federal. A decisão liminar atendeu a um pedido do Ministério Público Federal no Amazonas, que questiona a ausência de consulta prévia aos índios Waimiri-Atroari e de estudos técnicos que indiquem traçados alternativos para o linhão, que deverá atravessar 123 quilômetros da Terra Indígena.

A linha de transmissão deverá levar energia de Tucuruí até o estado de Roraima. A linha que liga a usina no Pará e Manaus já foi concluída, mas ainda aguarda a conclusão de subestações para que a energia chegue à capital amazonense.

De acordo com informações do Ministério Público Federal, as torres de energia entre Roraima e Amazonas vão passar perto de um local habitado por índios isolados, os Pirititi, que vivem em uma área de 43 mil hectares no município de Rorainópolis, a 294 quilômetros de Boa Vista.

Conforme a decisão da 3ª Vara Federal do Amazonas, a ausência de consulta aos Waimiri-Atroari representa descumprimento da Convenção 169, da Organização Internacional do Trabalho, da qual o Brasil é signatário. A Justiça fixou ainda uma multa de R$ 10 mil por dia, em caso de descumprimento da decisão. Ainda cabe recurso da decisão.

O procurador da República Julio José Araújo Júnior classificou como inadmissível a realização de consultas após a realização do leilão e do licenciamento da obra. Para ele, este procedimento representa uma mera confirmação de uma decisão tomada de antemão. Ainda de acordo com o procurador, os aspectos ecológicos e sociais do empreendimento não estão sendo levados em consideração.

O Ministério Público Federal já havia recomendado à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a anulação do edital para leilão do trecho da linha de transmissão. O Ibama também havia recebido a recomendação para que anulasse o processo de licenciamento ambiental e suspendesse as atividades relacionadas ao projeto do linhão. Agora, o pedido foi feito à Justiça.

 

Leia Também
Ibama concede licença de operação para o Linhão de Tucuruí
Linhão de Tucuruí mata parque estadual no Amazonas
Hidrelétrica do Bem-querer: grande lago, pouca energia

 

Leia também

Análises
24 de janeiro de 2022

O legado de Thomas Lovejoy para a ecologia brasileira

Falecido em dezembro, Lovejoy concebeu o que viria a ser o mais duradouro experimento ecológico realizado até hoje em florestas tropicais

Notícias
24 de janeiro de 2022

Lewandowski suspende decreto que tirou proteção das cavernas de máxima importância

Decisão do ministro do STF acata parcialmente pedido de medida cautelar protocolado pela Rede e pelo Partido Verde, que apontam inconstitucionalidade do decreto presidencial que removeu proteção das cavernas

Notícias
24 de janeiro de 2022

Satélites apontam garimpo como responsável pela mudança da cor da água do rio Tapajós

Análise de imagens de satélite feita pelo MapBiomas aponta evidências de que a coloração diferente nas águas do rio paraense é resultado da explosão do garimpo na região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta