Notícias

Ibama concede licença de operação para o Linhão de Tucuruí

Linhas conectam Manaus e Macapá ao Sistema Interligado Nacional. Elas atravessam 29 municípios em 3 estados e custaram o dobro do previsto.

Redação ((o))eco ·
14 de junho de 2013 · 9 anos atrás
Grandes torres de transmissão atravessam paisagem preservadas. Foto: Ana Blanc/Ascom/Ibama.
Grandes torres de transmissão atravessam paisagem preservadas. Foto: Ana Blanc/Ascom/Ibama.

O Ibama concedeu essa semana as licenças de operação de duas linhas de transmissão do Linhão de Tucuruí, que partem da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará. A linha de energia que sai de Tucuruí, passa pelo Xingu e chega a Jurupari, tem 506 quilômetros de extensão. A segunda linha vai de Jurupari à Oriximiná e tem 345 quilômetros. A elas se soma alinha de transmissão que liga Oriximiná (PA) à Manaus (AM), de 558 km. Juntas, interligam Tucuruí a Macapá e Manaus, em um percurso de 1,8 mil quilômetros que atravessa 29 municípios nos estados do Pará, Amapá e Amazonas.

O Ibama foi o responsável pelo licenciamento. A licença, assinada por Volney Zanardi Júnior, presidente do órgão, só foi concedida após a conclusão das obras.

Assim como há o “custo Brasil”, existe também o “custo Amazônico”. Ele é usado para justificar a majoração dos preços das obras de infraestrutura em função das dificuldades de locomoção e logística.

Com os linhões de Tucuruí não foi diferente: instalação de torres em áreas preservadas, algumas alagadas, com pouca ou quase nenhuma ocupação humana, e a desafiadora travessia dos rios Amazonas e Trombetas aumentaram o preço da obra. Segundo cálculos feitos pelo jornalista Lúcio Flávio, o preço do conjunto de linhas que forma o Linhão de Tucuruí foi orçado em 1,8 bilhão de reais e calcula-se que fechou em R$ 3 bilhões — ou mais.

De acordo com o Ibama, as obras foram executadas com cuidados extras para diminuir o impacto ambiental. Usou-se torres mais altas para reduzir o desmatamento ao longo das linhas.

Em nota, o Ibama informou que “foram realizadas 16 vistorias técnicas e 64 documentos técnicos. O monitoramento da operação dessas linhas continuará de forma criteriosa e frequente. O núcleo de licenciamento ambiental do Ibama no Amapá é o responsável técnico pela condução das análises dos estudos ambientais”. 

Leia também

Reportagens
16 de setembro de 2004

Tucuruí em dobro

A hidrelétrica que afogou 285 mil hectares de floresta completa 20 anos dobrando a sua capacidade e desafiando antigas previsões de prejuízos ambientais.

Salada Verde
20 de março de 2013

Linhão do Tucuruí recebe licença de operação

Ibama deu sinal verde para o começo do  funcionamento da linha de transmissão que levará a energia de Tucuruí ao estado do Amazonas.

Notícias
17 de janeiro de 2022

Após por pessoas em risco, justiça proíbe “coach” de fazer atividades na natureza

A decisão judicial determina que Pablo Marçal, que protagonizou episódio de resgate no pico do Marins, não poderá fazer qualquer atividade na natureza sem autorização prévia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Além de todos os absurdos da situação, a mesma ainda pode ser enquadrada como exercício ilegal da profissão de guia de turismo por esse sujeito. Cadê a secretaria de turismo de São Paulo que ainda não se manifestou a esse respeito?