Notícias

Teiú: um nome curto para um lagarto grande

Pelo seu tamanho, o homenageado da semana não é difícil de encontrar. Mas se o fizer, cuidado que ele é bravo

Redação ((o))eco ·
5 de dezembro de 2013 · 8 anos atrás
Tupinambis teguixin ou, simplesmente, teiú. Foto: Javier Reina/Flickr.

A cabeça é comprida e pontiaguda, com mandíbulas fortes providas de pequenos dentes pontiagudos. Da boca salta uma língua cor-de-rosa, bem comprida e bifurcada. Tem uma cauda longa e arredondada. As escamas tem uma coloração geral negra, com manchas e faixas brancas sobre a cabeça e membros. O papo e face são brancas, adornados de manchas negras. E é grande: em média tem 1,40 metros de comprimento, mas não é incomum atingir os 2 metros. Se encontrar um lagarto com estas características, estará diante de um teiú.

O teiú (Tupinambis teguixin, Tupinambis merianae ou Salvator merianae), também chamado teiú-branco, ou ainda tiú, teiuaçu, tejuguaçu, teju, tejo, teiú-açu, tiju, tejuaçu ou teiú-brasileiro, é um réptil da família dos Teídeos (comumente chamados teiús, tejus ou tegus). Trata-se do maior e mais comum lagarto no Brasil, sendo encontrado desde o sul da Amazônia até o norte da Argentina. Habita regiões de cerrado, mas pode ser observado também em regiões mais úmidas como florestas, bordas de matas-de-galeria e dentro de matas mais abertas, inclusive em regiões de clima temperado como é o caso dos teiús argentinos.

O animal, quando encontrado no seu habitat natural, é conhecido sobretudo por sua agressividade e voracidade. Se atacado, primeiro tentará fugir, mas, se impedido, desferirá golpes violentos com a cauda. Outro mecanismo de defesa é a mandíbula: a mordida de um teiú adulto é tão poderosa que pode esmagar dedos humanos. Os teiús nascidos em cativeiro, no entanto, costumam ser dóceis.

Onívoro, estes lagartos forrageiam uma ampla gama de alimentos, utilizando a língua bifurcada. Na sua dieta incluem-se pequenos mamíferos, pássaros e seus ovos, répteis, anfíbios, insetos, vários artrópodes, carniça, vermes e crustáceos. Também se alimenta de frutas suculentas, folhas e flores. No interior do país é famoso por assaltar galinheiros para atacar ovos e pintinhos.

Embora sejam lagartos terrestres, são capazes de escalar pequenas árvores e rochas. E também são exímios nadadores, capazes de permanecer submersos por até 22 minutos. A espécie também apresenta dimorfismo sexual com os machos maiores que as fêmeas e exibindo “papadas” mais proeminentes.

A teiú fêmea constrói tocas para colocar seus ovos ou se aproveita de cupinzeiros. Põe, em média 12 a 35 ovos, que serão protegidos até que choquem. O período de incubação é de 90 dias. Os filhotes são esverdeados, uma coloração que vai cede à medida que amadurecem.

Os teiús estão entre os répteis mais explorados comercialmente no mundo. A espécie é muito caçada por suas peles e em grau menor para abastecer o comércio de animais comercial. Também são caçados para consumo humano em regiões da Argentina , Paraguai e Bolívia. No Brasil, este lagarto é criado em cativeiro e comercializado com aval do IBAMA.

De acordo com a Lista Vermelha da IUCN, o T. teguixin é listado como Pouco Preocupante. Isto porque a espécie tem uma ampla distribuição na sua área de ocorrência; é capaz de se adaptar a vários habitats, e porque não há dados que demonstrem que sua grande população esteja sofrendo um significativo declínio que justifica uma classificação em uma categoria mais ameaçada.

 

Leia também
Acorda, Raposa!
Sovi, o gavião de chumbo
Caranguejo-Amarelo em Alerta

 

 

 

Leia também

Reportagens
22 de novembro de 2021

Programa de Reflorestamento do Rio faz 35 anos com desafio ampliar atuação e recompor equipe

A iniciativa, que já reflorestou mais de 3,4 mil hectares no município do Rio de Janeiro, tem o desafio de garantir a manutenção das áreas reflorestadas e expandir atuação para novos locais

Notícias
19 de novembro de 2021

Governo tenta minimizar dados do desmatamento ao comparar erroneamente sistemas do INPE

Ministério do Meio Ambiente compara dados do Deter com o Prodes e diz que há uma tendência de queda em curso. INPE não recomenda comparação entre os sistemas

Colunas
19 de novembro de 2021

COP 26, fracasso, sucesso e perspectiva da juventude

Na Escócia, o recado foi dado: não existe avanço climático sem um diálogo democrático, não é possível um sucesso na agenda do clima sem a garantia da defesa daqueles e daquelas que estão na linha de frente desta luta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta