Notícias

Tartaruga-verde: estamos de olho em você

Cidadã de vastas áreas oceânicas do globo, ela é ao mesmo tempo ameaçada de extinção e merecedora de esforços variados de conservação.

Redação ((o))eco ·
3 de julho de 2014 · 7 anos atrás

Foto:
Foto:

As tartarugas-verdes (Chelonia mydas) são uma espécie de tartaruga marinha distribuída por todos os mares tropicais e subtropicais, em águas costeiras e ao redor de ilhas, no Brasil, em Fernando de Noronha (PE), Trindade (ES) e Atol das Rocas (RN). A espécie é classificada como Ameaçada pela IUCN, e como Vulnerável pelo ICMBio. Ao redor do mundo, a tartaruga-verde é protegida contra a exploração, e sua captura é proibida.

Apesar desta proteção, suas populações ainda correm perigo em razão da poluição dos mares e da destruição das praias de nidificação — seus habitats — pelo desenvolvimento urbano. Apesar da proteção formal, ainda sofre com redes de pesca, onde é captura por acidente, e com a caça ilegal.

A tartaruga-verde é chamada assim não pelas cores da pele ou do casco, mas à coloração esverdeada da sua gordura corporal. Ela também é conhecida por uruanã ou aruanã.

A cor da sua carapaça varia de indivíduo para indivíduo e até de jovens para adultos. Varia do verde-claro ao muito escuro, ou pode ter tons de amarelo, castanho e verde com listras radiantes. A parte inferior da carapaça, o palastrão, varia entre o branco e o amarelo nas populações do oceano Atlântico e apresenta tons mais escuros nas populações do oceano Pacífico.

Seu corpo é achatado, e tem tanto grande carapaça como nadadeiras. Essas tartarugas têm entre 112 e 120 cm de comprimento e pesam em média 160 quilos. Podem atingir os 230 quilos. A maior das tartarugas-verdes já registrada tinha 152 cm de comprimento e 395 kg.

Durante a vida, as tartarugas-verdes se estabelecem em diferentes habitats. Na época da postura de ovos, são encontradas em praias. Quando atingem maturidade passam a maior parte do seu tempo em águas costeiras rasas dotadas de ervas marinhas abundantes. Quando adultas, optam por baías costeiras, lagoas e baixios com pradarias marinhas. Essas mudanças de comportamento também atingem sua alimentação: enquanto jovens são onívoras; adultas, tornam-se principalmente herbívoras (fato único entre as espécies de tartarugas marinhas), embora possam se alimentar de medusas, moluscos, esponjas, ovos de peixes, restos de peixes e de outros animais marinhos.

Como outras tartarugas marinhas, as tartarugas-verdes migram longas distâncias entre as áreas de alimentação e as suas praias de incubação. Em alguns casos, nadam mais de 2.600 quilômetros para chegar aos locais de desova. Tartarugas adultas, fêmeas e machos, sempre retornam às praias onde eclodiram. As fêmeas saem do mar e põem ovos em ninhos que escavam durante a noite. Mais tarde, filhotes emergem em direção à água. Aqueles que sobrevivem alcançam a maturidade sexual ao fim de 20 a 50 anos e vivem até os 80 anos em liberdade.

Nas ilhas oceânicas do Brasil, o período reprodutivo começa em dezembro, com um pico reprodutivo entre os meses de fevereiro e março, que se prolonga até junho, quando nascem os últimos filhotes. As fêmeas das tartarugas-verdes desovam em períodos que variam de 2 a 4 anos, pondo até 5 ninhos em uma mesma temporada, com um intervalo de 2 semanas entre cada desova. Os ninhos são câmaras cavada na areia e depois cobertas. Em cada um deles, a tartaruga-verde põe cerca de 120 ovos, sempre à noite.

O esforço para proteger a Chelonia mydas atravessa o globo. Além de constar em várias listas de proteção e legislações locais, há também acordos internacionais como a Convenção Interamericana para a Proteção e a Conservação das Tartarugas Marinhas e o Memorando de Entendimento sobre a Conservação e Gestão das Tartarugas Marinhas e seus habitats do Oceano Índico e do Sudeste da Ásia (IOSEA). No Brasil, a espécie é protegida dentro de várias unidades de conservação, há um Plano de Ação do ICMBio, conduzido pelo Projeto TAMAR, que realiza a pesquisa, conservação e manejo desta e das outras espécies de tartarugas marinhas brasileiras ameaçadas de extinção.

 

 

Leia também
Tuco-tuco das dunas: cuidado onde pisa
Veado-bororó-do-sul, um pequeno mistério
Jaó-do-litoral: desconfiado, e com razão

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta