Notícias

A inocência do leão-marinho-das-Galápagos

A natureza curiosa e social da espécie os leva de encontro a ameaças que mais se interessam por sua gordura e couro, e põe em risco sua sobrevivência.

Redação ((o))eco ·
19 de setembro de 2014 · 7 anos atrás

Leão-marinho-das-Galápagos ([i]Zalophus wollebaeki[/i]). Foto:
Leão-marinho-das-Galápagos ([i]Zalophus wollebaeki[/i]). Foto:

O leão-marinho-das-Galápagos (Zalophus wollebaeki) é uma espécie de leão-marinho que se reproduz exclusivamente nas Ilhas Galápagos, no Equador. A espécie é particularmente vulnerável ​​às atividades humanas, em razão da sua natureza curiosa e social: é comum que se aproximem de áreas habitadas por seres humanos, e, assim, entrar em contato com dejetos humanos e animais domésticos que lhes transmitem doenças; ou que fiquem presos em redes de pesca e anzóis de pescadores. Com a proibição da caça por seu couro e gordura – ameaça responsável por uma drástica redução de seus números -, as mudanças climáticas sobre as correntes oceânicas representam outro grande risco já que afetam a abundância dos peixes de que se alimentam. Apesar de protegidos, a pequena população remanescente é considerada pela Lista Vermelha da IUCN como Em Perigo.

 

 

Leia Também
Rabo-de-palha-de-bico-laranja: escondido na ilha
Macaco-prego-de-crista: vítima da Mata Atlântica
Onça-pintada: uma nova esperança

 

 

 

Leia também

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta