Notícias

Tapajós: o próximo alvo da expansão da geração de energia

Livro analisa planos para a construção de hidrelétricas na bacia do Tapajós e seus efeitos sobre as comunidades indígenas e o meio ambiente.

Redação ((o))eco ·
19 de novembro de 2014 · 7 anos atrás

Foto: Wilson Cabral
Foto: Wilson Cabral

O livro “Tapajós: hidrelétricas, infraestrutura e caos. Elementos para a governança da sustentabilidade em uma região singular” reúne diversos autores para fazer uma análise detalhada sobre os planos do governo de construir hidrelétricas na bacia hidrográfica do rio Tapajós.

São apresentados dados e informações sobre o ambiente e a sociedade da bacia do rio Tapajós. Análises do planejamento do setor elétrico brasileiro a partir dos Planos Decenais de Energia e do Plano Nacional de Energia têm um capítulo a parte na publicação, assim como leituras sobre o risco de desmatamento associado a doze hidrelétricas e os projetos de estrada e mineração que acompanham as obras de geração de energia.

“Das três terras indígenas, duas – Munduruku e Sai Cinza – serão diretamente afetadas pelos impactos previstos com a construção de hidrelétricas no rio Tapajós e uma, a Kayabi, que acompanha o rio Teles Pires por 280 km, sofrerá impactos indiretos. O município de Jacarea­canga, localizado no curso alto do Tapajós, é considerado uma “cidade” indígena com 60% de seu território cercados pelas terras dos Saí Cinza, Mundurucânia, Kayabi e Munduruku. A Terra Indígena Munduruku é a maior e ocu­pa 12% da bacia do Tapajós”, está escrito no primeiro capítulo da obra, que tem 197 páginas.

O livro pode ser baixado em PDF aqui

 

 

Leia também
Hidrelétricas do Tapajós
Expedição tenta aferir populações de Golfinhos do Tapajós

 

 

 

Leia também

Notícias
7 de dezembro de 2021

Movimento contra a especulação imobiliária abraça a Lagoa de Itaipu

Sociedade civil de Niterói protesta contra especulação imobiliária e pede para que o poder público não licencie nenhuma obra no entorno da lagoa

Notícias
7 de dezembro de 2021

Desmatamento está diretamente associado a baixo índice de progresso social na Amazônia

Municípios que mais desmataram no bioma Amazônico registram Índice de Progresso Social (IPS) 21% menor que o índice nacional, mostra estudo conduzido pelo Imazon

Notícias
7 de dezembro de 2021

Websérie de ((o))eco mostra natureza que resiste na Baía de Guanabara

"Guanabara: baía que resiste" estreia nesta terça-feira com histórias inspiradoras sobre conservação e soluções baseadas em natureza na região da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Treep diz:

    Lugar perfeito e repleto de natureza!
    Eu ainda não sabia da existência e agora já quero estar lá!