Notícias

Amazônia: desmatamento anual caiu 18%, mas ainda é alto

Em 2013, o número cresceu 28%. Hoje, o governo divulgou número que mostra queda, mas desmatamento continua maior do que estava há dois anos.

Eduardo Pegurier ·
26 de novembro de 2014 · 7 anos atrás

O ministro da Ciência e Tecnologia, Clelio Campolina Diniz e a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, anunciam a diminuição da taxa do desmatamento na Amazônia. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
O ministro da Ciência e Tecnologia, Clelio Campolina Diniz e a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, anunciam a diminuição da taxa do desmatamento na Amazônia. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Saiu hoje o novo número anual do desmatamento na Amazônia Legal, e ele surpreendeu os especialistas porque mostrou uma queda de 18% entre agosto de 2013 e julho de 2014, comparados aos 12 meses anteriores. A medida é feita pelo PRODES, o sistema utilizado pelo INPE que utiliza imagens de satélites Landsat, capazes de detectar corte raso (desmatamento total) em áreas iguais ou maiores do que 6,25 hectares.

O resultado é uma perda de 4.848 hectares em 2014, contra 5.891 em 2013 (menos 18%). Trata-se ainda do resultado preliminar. Segundo o INPE, o número consolidado pode ser 10% maior ou menor do que o divulgado hoje.

A área desmatada anual, na Amazônia, caiu 83% ao longo de 8 anos seguidos, de 2004 a 2012, vitória festejada no mundo como proeza brasileira. Houve o repique de 28% em 2013. E o resultado de 2014 ainda nos deixa em um patamar 6% acima da área desmatada em 2012. Ou seja, a mudança é boa quando comparada a base do ano passado, mas não garante que retornamos a uma trajetória de queda.

A surpresa com a queda ocorre porque os dois sistemas mensais de alerta de desmatamento apontavam estabilidade ou aumento. O sistema SAD, da ONG Imazon, apontava um aumento de 2% para o mesmo período; e o Deter, sistema de alerta do próprio INPE, indicava um aumento de 9,8%. Ambos são menos precisos do que o número anual, mas costumam apontar na mesma direção. Então, era de se esperar que o PRODES viesse na mesma linha.

“A gente torce pela queda do desmatamento”, disse Carlos Souza, pesquisador sênior do Imazon. “Entretanto, observo que esse número do PRODES ainda é o preliminar, embora nos últimos anos o número consolidado tenha mostrado pouca diferença”. Caso o número consolidado confirme essa medição, para Souza isso suscita investigar porque dessa vez os alertas não apontaram para essa queda.

A outra questão é que o PRODES de hoje já é passado, refere-se a uma medição que terminou em julho. De lá para cá, os alertas dispararam. O SAD, do Imazon, mediu um aumento de 291% entre agosto e outubro deste ano. “Não podemos comemorar essa queda e perder o foco nos números que indicam uma subida drástica nos meses que se seguiram”, disse Souza. A Folha de São Paulo publicou que os números do DETER também vieram altos para os meses de agosto, aumento de 208%, e setembro, aumento de 66% e levantou suspeitas de represamento com fins eleitorais. Dias antes, a presidente Dilma Rousseff adiantou que o desmatamento iria cair. Os dados mensais mostraram o contrário. Agora, é possível interpretar que Dilma já tinha informações sobre o total anual do Prodes divulgado hoje.

Izabella Teixeira, ministra do Meio Ambiente, comemorou durante o anúncio: “É a segunda menor média histórica do desmatamento na Amazônia. Mostra o compromisso do governo com a política nacional de clima, que a meta é 2020 para chegar a 3.925 km² e que nós estamos antecipando, estamos a frente do que era esperado”.

Estados

Entre os 9 estados que compõem a área da Amazônia legal, 7 tiveram queda de desmatamento. Entretanto, no Acre houve um aumento de 41% e em Roraima de 37%. O gráfico e a tabela abaixo mostram a variação percentual em cada estado para os últimos 4 anos.

 

*Matéria editada em 27/11/2014 às 5h20

 

Leia também
Desmatamento na Amazônia: Repique do ano passado deve se manter em 2014
Zangada, ministra anuncia aumento de 28% no desmatamento
Inpe e Imazon: vigilantes do desmatamento na Amazônia

 

 

 

  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Reportagens
27 de outubro de 2021

Estados da Amazônia não estão preparados para eventos climáticos extremos, mostra estudo

Nenhum dos nove estados possui sistema de alertas ou planos de contingência para lidar com inundações, secas, incêndios ou ondas de calor

Análises
27 de outubro de 2021

Um olhar sobre 36 anos da Mata Atlântica – o que aconteceu entre 1985 e 2020 e para onde vamos

O bioma mais impactado pela presença humana ao longo de toda a história do país permaneceu com intensa transformação do seu território nas últimas 3,5 décadas

Reportagens
27 de outubro de 2021

Lobby do agronegócio reduz transparência ambiental de estados e favorece desmatamento

Governadores cedem a interesses de produtores rurais e bloqueiam ou dificultam acesso a dados públicos que poderiam apontar quem está derrubando a floresta ilegalmente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta