Notícias

Governo revisará proibição da pesca de espécies ameaçadas

Após pressão e protesto, representantes dos pescadores ganham direito a participar de reuniões que podem afrouxar restrições.

Redação ((o))eco ·
7 de janeiro de 2015 · 7 anos atrás
[i]Epinephelus marginatus[/i], conhecida como Garoupa Verdadeira, foi uma das espécies ameaçadas que ficaram protegidas pela portaria 445. Foto: Wikipédia.
[i]Epinephelus marginatus[/i], conhecida como Garoupa Verdadeira, foi uma das espécies ameaçadas que ficaram protegidas pela portaria 445. Foto: Wikipédia.
Os pescadores das 250 embarcações que participaram do bloqueio no rio Itajaí-Açu, em Santa Catarina, em protesto contra portaria que proíbe a pesca e comercialização de peixes e invertebrados aquáticos ameaçados de extinção, recuaram após Ministério da Pesca (MPA) sinalizar que poderá revisar a norma. O grupo alegou que a proibição afetava diretamente a indústria da pesca e que causaria desemprego no setor. Após carta do Ministério da Pesca afirmando que será criado um grupo de trabalho para ouvir os pescadores industriais, as embarcações se dispersaram.

A pressão é para que a portaria 445 seja derrubada logo. Publicada no último dia 17 de dezembro, a norma do Ministério do Meio Ambiente proibiu a captura, o transporte, o manejo, armazenamento e comercialização de 475 peixes ameaçados de extinção, a grande maioria sem valor comercial, como peixes de poças d’água, que são sazonais.

Porém, a norma também proíbe a comercialização de espécies comerciais como a garoupa, badejos, tubarões e raias. Quase todas ameaçadas de extinção por sobrepesca.

“Várias dessas espécies têm status comprovado como criticamente ameaçado, como tubarão-martelo, tubarão das galápagos, cação viola, cherne-negro e outros”, diz José Truda, coordenador da campanha Divers for Sharks e colunista de ((o))eco. “Estamos cansados de ver a máfia da pesca industrial predatória impedir que se adotem medidas de proteção mínimas para os ambientes marinhos e as espécies ameaçadas, como se fossem eles os donos do mar, que é de todos mas principalmente de quem não o depreda.”

O protesto dos barcos pesqueiros bloqueou o acesso ao Complexo Portuário de Itajaí na manhã da segunda-feira e durou 30 horas. Um cruzeiro com 2,4 mil pessoas ficou retido no local. Nem uma liminar ordenando a retirada dispersou os barcos, que só saíram após o Ministério da Pesca prometer incluí-los no grupo interministerial que analisará a portaria.

Nesta quinta-feira, representantes do Sindicato dos Armadores e das Indústrias de Pesca de Itajaí e Região (Sindipi) se reunirão com representantes dos ministérios do Meio Ambiente e da Pesca, em Brasília.

Mobilização pró-portaria

De acordo com Truda, a ausência de organizações ambientalistas no grupo de trabalho interministerial favorece uma possível decisão de derrubar a portaria.

“Trata-se de mais uma decisão de gestão ambiental tomada a portas fechadas, apenas com a participação do lobby dos predadores, sem que a sociedade civil tome conhecimento”.

Ainda segundo Truda, a Divers for Sharks protestará junto ao Ministério do Meio Ambiente pela manutenção da portaria: “[…] Vamos começar uma campanha internacional de mobilização dos mergulhadores para pressionar pela manutenção integral da Portaria. Estamos preparando uma Ação Civil Pública para proibir de vez a pesca de tubarões e raias das espécies ameaçadas em águas brasileiras. E estamos organizando uma caravana a Brasília para protestar no Ministério da Pesca e junto às lideranças políticas pra que os interesses de quem gera emprego e renda com conservação, e não com pesca, sejam considerados na hora de formular as políticas públicas pro mar”.

 

Leia Também
Atum-rabilho: caiu na rede, está em extinção
Sobrepesca ameaça espécies
Governo proíbe arrancar nadadeiras de raias e tubarões

 

 

 

Leia também

Análises
20 de janeiro de 2022

Além do plantio: incluindo pessoas na restauração florestal

Mais importante do que “apenas” plantar árvores, é necessário conciliar a conservação ambiental com produção sustentável através da integração de paisagens e pessoas

Notícias
19 de janeiro de 2022

Com pedido de Wassef, Justiça libera madeira apreendida em operação histórica

O advogado da família Bolsonaro conseguiu a liberação de madeira e bens da empresa MDP Transportes, uma das afetadas pela operação da PF que resultou na maior apreensão de madeira já feita

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta