Notícias

Apesar da lei, 42% dos resíduos ainda vão para o lixão

Levantamento revela que o país precisa investir 11,6 bilhões de reais até 2030 se quiser universalizar a destinação adequada de resíduos.

Daniele Bragança ·
28 de julho de 2015 · 7 anos atrás

20 milhões de pessoas não têm serviços de coleta. Acima, foto do lixão da Estrutural, o maior da América Latina em atividade. Foto:
20 milhões de pessoas não têm serviços de coleta. Acima, foto do lixão da Estrutural, o maior da América Latina em atividade. Foto:

Há quase um ano, no dia 2 de agosto, entrou em vigor a lei que prevê o fim de lixões a céu aberto. Passado o prazo, em teoria, os municípios poderiam ser processados por não cumprir a exigência da lei que regula a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). No mundo real, o Senado aprovou no começo do mês um Projeto de Lei que prorroga para 2021 o fim dos lixões.

Os senadores ouviram os apelos da Confederação Nacional de Municípios (CNM) e consideraram os 4 anos que os municípios tiveram para se adequar a lei insuficientes, dada as desigualdades existentes entre os 5.570 municípios do país. O projeto agora está sendo analisado pela Câmara dos Deputados.

Nesta terça-feira (28), a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) divulgou seu “Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil – 2014”, a primeira pesquisa sobre o assunto desde o começo da vigência da Política Nacional de Resíduos Sólidos. A pesquisa levantou dados de 400 municípios de todo o país e mostra que a situação dos resíduos sólidos no país não mudou muito, apesar da vigência da lei.

Em 2014, foram gerados 78,6 milhões de toneladas de resíduos sólidos no país e 29,6 milhões de toneladas (41%) deste total foram dispostos em lixões e aterros controlados, locais considerados inadequados.

Segundo a Abrelpe, 78 milhões de brasileiros ainda não têm acesso a tratamento e destinação final adequada de resíduos, e mais de 20 milhões de pessoas sequer dispõem de serviços de coleta. O lixo simplesmente não é coletado.

Lentidão

Ainda de acordo com a entidade, os serviços de infraestrutura e coleta tem crescido muito lentamente frente ao aumento da demanda da própria população. Para se ter uma ideia, de 2003 a 2014, a geração de lixo aumentou 29%, índice cinco vezes maior que taxa de crescimento populacional do mesmo período, que foi de 6%.

Apesar do aumento, a quantidade de destinação final adequada praticamente não se alterou, passando de uma cobertura de 57,6%, em 2010, para 58,4%, em 2014. E, pior,  os gastos das administrações municipais para custear os serviços de limpeza urbana pouco se alteraram em 4 anos: em 2010, o valor médio mensal era de R$ 9,95 por habitante e, em 2014, subiu para R$ 9,98, sem considerar a inflação, o que significa que em termos reais o gasto médio caiu. (Para exemplificar, a inflação acumulada entre janeiro de 2010 e dezembro de 2014, calculada pelo índice de preços IGP-M, foi de 38%. Isso significa que R$9,95 em 2010 deveriam se transformar em R$13,73 ao fim de 2014, apenas para corrigir a perda de valor da moeda no período).

“É emergencial que as ações previstas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos sejam sustentadas pelos recursos necessários – humanos e financeiros – a fim de que possam ser efetivadas. O País e a sociedade estão sofrendo com essa carência e, a cada dia, pagarão um preço ainda mais alto por essa inércia”, afirmou Carlos Vieira da Silva Filho, diretor-presidente da ABRELPE.

 

 

Leia Também
Quase 24 milhões de lixo são jogados em lugar errado
Apesar de fechado, Gramacho é uma história inacabada
O custo invisível do lixo

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
1 de julho de 2022

Em vitória histórica, STF reconhece proteção do clima como dever constitucional

Com placar de 10 a 1, Supremo reconhece omissão deliberada do governo federal na gestão do Fundo do Clima e determina o restabelecimento do mecanismo

Reportagens
1 de julho de 2022

Conferência dos Oceanos traz saldo de acordos, investimentos e novas promessas

Evento organizado pelas Nações Unidas reuniu líderes globais ao longo de cinco dias e contabilizou um total de 10 bilhões de euros acordados para investimentos na economia azul

Reportagens
1 de julho de 2022

Projeto “Trilhas de Criança” reúne famílias para dia na natureza em Santa Catarina

Atividade ocorre uma vez por mês em Florianópolis, com inscrição gratuita. Evento busca possibilitar experiências afetivas no meio ambiente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta