Notícias

Amazônia já perdeu área equivalente a duas cidades de Curitiba em 2023

Desmatamento no bioma triplicou em março e fez trimestre fechar com a segunda pior taxa desde 2008, mostra Imazon

Cristiane Prizibisczki ·
20 de abril de 2023

A destruição da floresta amazônica nos três primeiros meses do ano atingiu a pior marca em 16 anos de medições do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). Entre janeiro e março, foram desmatados 867 km² de vegetação nativa no bioma, o equivalente a duas vezes o tamanho da capital paranaense, Curitiba. Os números, do Sistema de Alertas de Desmatamento (SAD) do Instituto, foram divulgados nesta quinta-feira (20). 

Considerando a série histórica do Imazon, iniciada em 2008, o primeiro trimestre deste ano só ficou atrás de 2021, quando foram desmatados 1.185 km² no período.

Somente em março, foram desmatados 344 km² de floresta, número três vezes maior do que o mesmo mês de 2022, quando a Amazônia perdeu 123 km². Neste mês, oito dos nove estados que compõem a Amazônia Legal apresentaram aumento no desmatamento, com exceção do Amapá.

Segundo o Imazon, o cenário mostra que é preciso adotar com urgência ações de proteção aos territórios mais pressionados. A APA Triunfo do Xingu, no Pará, é um exemplo. Sendo uma unidade de Conservação, por lei ela não poderia ser desmatada, mas apenas em março ela perdeu 5 km² de área.

“Os governos federal e dos estados precisam agir em conjunto para evitar que a devastação siga avançando, principalmente em áreas protegidas e florestas públicas não destinadas. […] Será preciso também não deixar impune os casos de desmatamentos ilegais e apropriação de terras públicas”, alerta o pesquisador Carlos Souza Jr., do Imazon. 

Desmatamento nos estados

A maior parte do desmatamento detectado pelo Imazon em março ocorreu nos estados do Amazonas (30%), Pará (27%) e Mato Grosso (25%). Roraima ficou com 8% do total, Rondônia, com 6%, Maranhão com 3% e Acre, 1%.

No Amazonas, que viu o desmatamento saltar de 12 km² em março de 2022 para 104 km² em março deste ano – nove vezes a mais –, a área mais crítica é o sul do estado, em municípios próximos à divisa com o Acre e com Rondônia, na região chamada de Amacro – acrônimo formado pelo início das palavras Amazonas, Acre e Rondônia.

No mês passado, a maioria (76%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante foi registrado em Assentamentos (19%), Unidades de Conservação (4%) e Terras Indígenas (1%).

Degradação 

Além do desmatamento, o Imazon também mede a degradação na Amazônia, que é a perda gradual da vegetação. Segundo o Instituto, as florestas degradadas na Amazônia Legal somaram 42 km² em março de 2023, o que representa um aumento de 68% em relação a março do ano passado, quando foram detectados 25 km² de degradação.

A maior parte da degradação no período ocorreu no Pará (79%), mas também foram detectadas taxas em Mato Grosso (14%) e Roraima (7%).

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Salada Verde
11 de abril de 2023

Governo abre consulta pública para projeto que retoma o PPCDAm

Após ser extinto em 2019, programa criado no primeiro governo Lula está de volta; contribuições para a nova fase do plano podem ser feitas até o dia 26

Notícias
10 de março de 2023

Desmatamento na Amazônia tem alta de 62% em fevereiro e bate recorde histórico

Alertas no mês chegaram a 322 km², área maior do que a cidade de Fortaleza. Esforço para reverter tendência de destruição deixada por Bolsonaro deverá ser imenso, diz especialista

Notícias
11 de abril de 2023

Sociedade civil se mobiliza contra norma que pretende alterar Código Florestal

Aprovada na Câmara, MP 1150/22 chegou nesta segunda-feira no Senado. Organizações pedem veto à proposta, que também fragiliza Lei da Mata Atlântica

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 2

  1. Marco Antônio diz:

    A causa é muito boa, porém usando pessoas de boa índole para propaganda da esquerda picareta, que só quer ” mamar” em dinheiro fácil. É a realidade.


  2. Marco Antônio diz: