Notícias

Consema analisa licença prévia do Porto de Paratudal nesta quarta

Portos podem alterar ciclos de cheia no Pantanal e aprovação de licença prévia constitui manobra para viabilizar a hidrovia Paraguai-Paraná, alertam especialistas

Michael Esquer ·
28 de junho de 2022

O Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema) de Mato Grosso vai analisar, nesta quarta-feira (29), a licença prévia (LP) do Terminal Portuário de Paratudal, na região do Pantanal mato-grossense, no município de Cáceres. Emitido no mês passado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), o documento aguarda o referendo dos conselheiros do órgão. Se aprovado, este será o segundo porto, até então, a receber LP para se estabelecer na porção norte do Rio Paraguai – considerado o principal canal de escoamento do Pantanal. Em janeiro, o primeiro deles, o Terminal Portuário de Barranco Vermelho, teve licença referendada pelo Consema após parecer favorável da Sema-MT, mesmo com uma centena de irregularidades apresentada por técnicos da própria pasta. 

Para especialistas que acompanham os trâmites dos empreendimentos, o processo de licenciamento individual que tem sido feito nos portos no Rio Paraguai é uma manobra para a viabilização de um projeto ainda maior: o estabelecimento da hidrovia Paraguai-Paraná, que pretende realizar operações portuárias e transporte de grãos, fertilizantes e combustíveis, em um trecho de 680 km até Corumbá, no Mato Grosso do Sul. 

“Licenciar primeiramente os portos fará com que a hidrovia comece a ser implantada, antes mesmo do seu licenciamento. Diversos estudos já têm mostrado a inviabilidade da navegação industrial naquela região. O que será feito depois que os portos estiverem construídos e o rio não suportar a navegação? Todo o investimento será perdido? Ou o rio será modificado”, disse ao ((o))eco a bióloga Paula Isla Martins, analista de conservação na Ecoa e coordenadora da Rede Pantanal.

Conforme Gustavo Figueiroa, biólogo e diretor da SOS Pantanal, a viabilização e construção tanto do Porto de Barranco Vermelho quanto o de Paratudal representam uma ameaça para o Pantanal. Assim como Paula, ele cita a necessidade que ambos empreendimentos têm de alterar o principal rio do bioma. “Ele traz uma ameaça de acabar com o Pantanal como a gente conhece hoje, de mudar a calha do rio, de linearizar as margens do rio e mudar completamente o fluxo de inundação, o pulso de inundação daquela região, mudando completamente as interações ecológicas”, alerta. 

Leia mais: Portos e futura hidrovia ameaçam trecho mais preservado do Rio Paraguai

“A LP aprova a localização e concepção do empreendimento, atividade ou obra que se encontra na fase preliminar do planejamento, atestando a sua viabilidade ambiental, estabelecendo os requisitos básicos e condicionantes a serem atendidos nas próximas fases de sua implantação, bem como suprindo o requerente com parâmetros para lançamento de efluentes líquidos e gasosos, resíduos sólidos, emissões sonoras, além de exigir a apresentação de propostas de medidas de controle ambiental em função dos possíveis impactos ambientais a serem gerados”, explica o biólogo. 

A sessão do Consema que irá analisar a LP será transmitida nesta quarta-feira (29), a partir das 8h30, no canal da Sema-MT no YouTube

  • Michael Esquer

    Jornalista em formação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com passagem pela Universidade Distrital Francisco José de Caldas, na Colômbia, tem interesse na temática socioambiental e direitos humanos

Leia também

Reportagens
31 de maio de 2022

Portos e futura hidrovia ameaçam trecho mais preservado do Rio Paraguai

“Viabilizar uma hidrovia é inviabilizar o Pantanal como ele é hoje”, afirma biólogo sobre o licenciamento de porto no Rio Paraguai

Notícias
28 de junho de 2022

Organizações denunciam tramitação antidemocrática de PL que flexibiliza Lei do Pantanal em MT

Mais de 40 entidades apontam que o projeto possui vício na tramitação e não escutou comunidades tradicionais afetadas. Proposta deve ser votada nesta quarta-feira (29)

Reportagens
9 de maio de 2022

Rio Cuiabá: Ribeirinhos resistem à construção de usinas nas águas que abastecem o Pantanal

Projeto que prevê a construção de 6 Pequenas Centrais Hidrelétricas ao longo do Rio Cuiabá foi segurado por projeto de lei. Indefinição sobre sanção ou processo na Justiça ainda ronda a questão

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta