Notícias

Fogo já atingiu mais de 5 mil hectares dos parques Cristalino I e II, no Mato Grosso

Queimadas ilegais já duram um mês. Organizações denunciam ausência do poder público no controle das chamas. Proprietários do entorno se unem em brigadas

Cristiane Prizibisczki ·
12 de setembro de 2022

Há um mês, os Parques Estaduais Cristalino I e Cristalino II, no norte do estado do Mato Grosso (MT), estão sendo destruídos pelas queimadas e o desmatamento sem controle. Segundo números divulgados nesta segunda-feira (12) pelo projeto Observatório Socioambiental de Mato Grosso (ObservaMT), 5.080 hectares de vegetação nativa já foram perdidos para as chamas, que se alastram desde o dia 13 de agosto.

Na área do entorno das unidades de conservação, o fogo se espalhou por mais 1.800 hectares, atingindo propriedades rurais e habitações. De acordo com o Observa MT, até o último domingo (11), a presença de instituições públicas de defesa do meio ambiente no combate ao fogo não havia sido registrada.

Devido à ausência do poder público, proprietários de terra do entorno das unidades formaram uma Brigada, mas a falta de equipamentos adequados e pessoal insuficiente tem dificultado os trabalhos.

No dia 16 de agosto, o Corpo de Bombeiros chegou a anunciar que o fogo estava controlado, mas, segundo a Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação (Rede Pró – UC), ele nunca foi, de fato, extinto. 

“Acreditamos que seja o mesmo fogo que se espalhou, ele nunca foi controlado, na verdade. Até porque o efetivo do Corpo de Bombeiros que está na região é composto por apenas três brigadistas, sem equipamentos, sem aeronave, sem nada. Na semana passada sobrevoamos a área e descobrimos que o fogo está enorme”, disse a ((o))eco a Diretora -Executiva da Rede Pró-UC, Angela Kuczach.

Fogo dentro da área do Parque Cristalino. Foto: Gustavo Figueroa

As unidades de conservação têm ao todo 184.900 hectares e estão localizadas entre os municípios mato-grossenses de Alta Floresta e Novo Mundo, divisa entre Mato Grosso e Pará.

Os Parques Cristalino I e II estão entre as unidades de conservação mais importantes da Amazônia, com 600 espécies de aves registradas, das 850 existentes na parte brasileira do bioma. Dessas 600 espécies, 25 delas estão oficialmente ameaçadas de extinção. 

Os parques também abrigam o macaco-aranha-de-cara branca (Ateles marginathus), espécie ameaçada que só ocorre naquela área e se tornou símbolo das unidades.

No último sábado (10), a Rede Pró-UC divulgou em sua conta no Instagram um vídeo do sobrevoo sobre o Cristalino II citado por Kuczach. Nele, é possível ver áreas de floresta amazônica primária sendo queimadas, muitas áreas desmatadas e outras desmatadas já totalmente transformadas em cinzas.

“O que se vê aqui de cima é muita fumaça, muito fogo, dentro da área do parque. A gente está trocando área protegida de floresta amazônica por um deserto, botando fogo em tudo […] uma área que deveria estar sendo protegida para esta e futuras gerações”, diz Angela, no vídeo.

((o))eco entrou em contato com a Secretaria de Meio Ambiente do Mato Grosso para saber quais medidas estão sendo tomadas para o controle das chamas, mas não recebeu resposta até o fechamento da matéria. O espaço permanece aberto.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
7 de setembro de 2022

Ibama executa só 37% do orçamento para prevenção de queimadas

Baixa liquidação orçamentária coincide com escalada no número de focos de incêndio em agosto e setembro

Fotografia
6 de setembro de 2022

Fogo que consome o sul do Pará há 16 dias já destruiu mais de 5 mil hectares de floresta

Entre as áreas atingidas está o Refúgio de Vida Silvestre Rios Benedito e Azul; Além de matar animais e plantas, chamas já ameaçam pousadas na região

Notícias
16 de agosto de 2022

Alvo de imbróglio jurídico, Parque Cristalino II perde quase 900 hectares em queimada ilegal

Ainda não é possível dizer se incêndio foi intencional, mas organizações alertam para “coincidência” entre fato e decisão da justiça pela extinção da unidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta